Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Mineradora Alcoa: Território e Conflito no Município de Juruti-Pará-Amazônia-Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.17551/2358-1778/geoamazonia.v3n5p63-79

http://www.geoamazonia.net/index.php/revista 

downloadpdf

Otávio do Canto1, Jalcione Almeida2, Rodolpho Z. Bastos3, André Farias4 & Júlio Menezes5

 

Resumo: Este texto versa a respeito dosestudos relativos ao território e conflito no município de Juruti, localizado no oeste do estado do Pará, Amazônia brasileira. Trata-se de resultado de pesquisa desenvolvida desde 2006, ano no qual a mineradora ALCOA começou, efetivamente, sua instalação no município. Fato que promoveu uma nova organização do território para atender aos fins da empresa: exploração e exportação de bauxita. Esse processo, entretanto, tem provocado conflito e gerado altos níveis de insatisfação entre as lideranças locais.

Palavras-chave: Amazônia. Território. Conflito. Alcoa.

 

Résumé: Ce texte porte sur les études relatives au territoire et conflit dans la ville de Juruti, située à l’ouest de l’état du Pará, en Amazonie brésilienne. Il s’agit des résultats de recherche développés depuis 2006, l’année où la société minière ALCOA commence effectivement à s’installer dans la ville et, de ce fait, a mis en place une nouvelle organisation territoriale pour répondre aux fins de l’entreprise: l’exploitation et l’exportation de bauxite. Ce processus provoque néanmoins des conflits débouchant sur des niveaux élevés de mécontentement parmi les dirigeants locaux.

Mots-clés: Amazonie. Territoire. Conflit. Alcoa.

 

1 Professor do Programa de Pós-Graduação em Gestão dos Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia, Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (PPGEDAM/NUMA/UFPA). e-mail: docanto@ufpa.br
2 Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR/UFRGS). e-mail: jal@ufrgs.br
3 Professor do PPGEDAM/NUMA/UFPA. e-mail: rzb@ufpa.br
4 Professor do PPGEDAM/NUMA/UFPA. e-mail: ala.defarias@gmail.com
5 Aluno da UFPA. e-mail: menezes_julio@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

ALCOA. Relatório de sustentabilidade 2004: responsabilidade social, excelência ambiental, sucesso econômico. Juruti, 2004.

ALCOA. Programa de qualificação profissional do Projeto Juruti. Juruti: Alcoa, 2007. Disponível em <http://www.alcoa.com.br>. Acesso em: nov. 2009.

ALCOA. Projeto Conexão Local: desenvolvimento sustentável de Juruti e entorno. Juruti, 2008. Disponível em: <http://www.alcoa.com.br>. Acesso em: nov. 2009.

ALCOA. O maior desafio: conquistar diariamente o direito de operar o empreendimento garantindo a sustentabilidade. Belém, 2008. Disponível em: <http://www.alcoa.com.br>. Acesso em: nov. 2009.

ALCOA. Mina de bauxita de Juruti: balanço de ações e resultados socioambientais. Juruti, 2009.

ALCOA. Mina de Juruti: perguntas & respostas, [2010-2011?, p.3?]). Disponível em: <http://www.alcoa.com/brazil/pt/custom_page/environment_juruti_faq.asp>. Acesso em: 15 ago. 2011.

ALCOA investe US$ 1,5 bilhão no meio da selva. O Estado de São Paulo, São Paulo, [p.1?], 13 de julho de 2009.

ASSOCIAÇÃO DAS COMUNIDADES DA REGIÃO DE JURUTI VELHO (ACORJUVE). Estatuto social da Associação das Comunidades da Região de Juruti Velho - ACORJUVE: Vila Muirapinima, Juruti-PA. Juruti, 2004.

BRASIL. Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Decreto n. 6.040, Art. 30. 7 de fevereiro de 2007.

BRASIL. Ministério Público Federal. Composição e forma de trabalho da equipe de consultores serão escolhidos com a participação da comunidade. 2010. Disponível em: <www.noticias.pgr.mpf.gov.br>. Acesso em: 20 de set. 2010.

BRASIL. Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Sistemas. [2011?]. Disponível em: <http://sistemas.dnpm.gov.br>. Acesso: 15 mai. 2012.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Guia do minerador, regime de autorização e de concessão. 2012. Disponível em: <http://www.dnpm-pe.gov.br/Legisla/Guia/Guia_2.htm>. Acesso em: 2 abr. 2012.

CANTO, O. Várzea e varzeiros da Amazônia. Belém: MPEG, 2007. (Col. Eduardo Galvão).

CONSÓRCIO NACIONAL DE ENGENHEIROS CONSTRUTORES (CNEC). Relatório de impacto ambientaldo Projeto Juruti: Identificação, caracterização e avaliação de impactos ambientais. Juruti, 2005.

CONSÓRCIO NACIONAL DE ENGENHEIROS CONSTRUTORES (CNEC). Conflito socioambiental e (re)organização territorial: mineradora Alcoa e comunidades ribeirinhas do Projeto Agroextrativista Juruti Velho, município de Juruti-Amazônia-Brasil.Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) - Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

CONSÓRCIO NACIONAL DE ENGENHEIROS CONSTRUTORES (CNEC). Programa de ordenamento urbano da cidade de Juruti. Juruti, 2006.

CONSELHO JURUTI SUSTENTÁVEL (CONJUS). Ata da primeira assembléia geral do Conselho Juruti Sustentável. Juruti, 2008.

CONSELHO JURUTI SUSTENTÁVEL (CONJUS). O que é o Conselho Juruti Sustentável?. Juruti, 2009.

CONSELHO JURUTI SUSTENTÁVEL (CONJUS). Boletim do CONJUS. Juruti, CONJUS, n. 1, abr. 2010a.

CONSELHO JURUTI SUSTENTÁVEL (CONJUS). Boletim do CONJUS. Juruti, CONJUS, n. 2, jun. 2010b.

CONSELHO JURUTI SUSTENTÁVEL (CONJUS). Boletim do CONJUS. Juruti, CONJUS, ano 2, n. 2, jun. 2010c.

FALESI, I.; SILVA, B. Ecossistema de várzea da região do Baixo Amazonas. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 1999.

FRÉMONT, A.A região, espaço vivido.Coimbra: Almedina, 1980.

GEOFISICA BRASIL. Balanço da mineração [2009?]. Disponível em: <http://www.geofisicabrasil.com/mineracao.html>. Acesso em: 20 set. 2010.

HAGER, A. et al. Projeto Juruti: determinação do tempo ótimo de implantação. Juruti, 2009. Disponível em <http://www.sbpcnet.org.br/livro/58ra/SENIOR/RESUMOS>. Acesso em: 25 nov. 2009.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA (INCRA). Base digital. Disponível em: <http://www.incra.gov.br>. Acesso em: 10 fev. 2010.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA (INCRA). Plano de Utilização (PU) do PAE Juruti Velho. Santarém: 2007.

MARTINS, J. A chegada do estranho. São Paulo: Hucitec, 1993.

McGRATH, D. et al. Varzeiros, grileiros e o manejo dos recursos “naturais” na várzea do Baixo Amazonas. Paper NAEA, Belém, n. 4, p. 1-20, 1991.

MONZONI, M. (Org.). Juruti sustentável: uma proposta de modelo para o desenvolvimento local. São Paulo: FGV; Juruti: ALCOA; São Paulo: FUNBIO, 2008.

PARÁ. Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará. Estatística municipal: Juruti. Belém: IDESP, 2011.

PARÁ. Ministério Público do Pará. Ministério Público ajuíza ação contra Alcoa por poluição de igarapés em Juruti. Santarém, [2009?]. Disponível em: <http://www.amazonia.org.br>. Acesso em: 13 out. 2011.

PARÁ.[Licenças para Alcoa]. Diário Oficial do Estado do Pará, Belém, 6 set. 2010; 5 ago. 2011; 2 dez. 2011. 2011.

PARÁ. Secretaria de Estado de Integração Regional. Regiões de Integração do Pará. [2009?]. [ p.01?]. Disponível em: <http://www.seir.pa.gov.br>. Acesso em: 10 dez. 2009.

PARÁ. Instituto de Terras do Pará. Plano de Utilização (PU) do PEAEX Curumucuri. 2010. Mimeografado.

PERROUX, F. A economia do século XX. Lisboa: Herder, 1966.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo: razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M. O papel ativo da geografia: um manifesto. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, 12., jul. 2000, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Editora, 2000a. p.103-109.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2000b.

SANTOS, M. Território e sociedade: entrevista com Milton Santos. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, M. O retorno do território. Observatório Social de América Latina, Buenos Aires, ano6, n. 16, p.1-12, jun. 2005a.

SAQUET, M. Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SAQUET, M. Des-caminhos e perspectivas do território. In: RIBAS, A.; SAQUET, M.; SPOSITO, E. (Org.). Território e desenvolvimento: diferentes abordagens. Francisco Beltrão: UNIOESTE, 2004. [p. 1-20?].

SAQUET, M. Dilema de conceitos: espaço-território e contenção territorial. In: SAQUET, M.; SPOSITO, E. (Org.). Território e territorialidades:teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. [p. 1-20].