Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Qualidades da Transição Interprofissão: Um Estudo com Professores Universitários

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v11n21p431-452

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/index 

downloadpdf

Elza F. R. Veloso1, Joel S. Dutra2, Rodrigo C. da Silva3 & Leonardo N. Trevisan4

 

Resumo: A transição interprofissão leva pessoas a assumirem funções (ou papéis) diferentes dos adotados na profissão anterior. Este artigo tem como objetivo apresentar a associação dos atributos às qualidades (dificuldade e a valência) desse tipo de transição. A pesquisa descritiva, realizada em 2015, envolveu amostra não probabilística de 245 professores de ensino superior, que consideram ter mudado de profissão quando optaram pela carreira acadêmica. O questionário foi respondido em uma escala Likert e, para a análise dos resultados, foram realizados testes t para comparações de médias; análises de variância (ANOVA), bem como análise de correlações para a análise das hipóteses propostas. Entre os resultados, destaca-se a suposição de que, apesar da transição de profissões diversas para a profissão de docente de nível superior não parecer fácil, de forma geral, os respondentes a enxergam como altamente positiva. Para esse grupo, foi possível associar transições fáceis e positivas a transições previsíveis, de longa duração e reversíveis. Adicionalmente, transições apenas positivas podem ser associadas a transições de baixa magnitude, socialmente desejáveis e voluntárias.

Palavras-chave: carreira; transição de carreira; transição interprofissão; carreira acadêmica.

 

Abstract: The transition between professions leads people to assume functions (or roles) other than those functions assumed in the previous profession. This article aims to present the association of attributes to the qualities (difficulty and the valence) of this type of transition. The descriptive survey, conducted in 2015, involved non-probabilistic sample of 245 professors in higher education, in which respondents consider to have changed their profession when they opted for an academic career. The questionnaire was answered on a Likert scale, and to analyze the results, T tests were then performed for comparisons of averages; analysis of variance (ANOVA) and correlation analysis to analyze the proposed hypotheses. Among the results, there is the assumption that, despite the transition of various professions to the profession of professor in higher education does not seem to be easy, in general, respondents see it as highly positive. For this group, it was possible to associate easy and positive transitions to predictable, long lasting and reversible transitions. Additionally, only positive transitions may be associated with low magnitude, socially desirable and voluntary transitions.

Key words: career; career transition; interprofessional transition; academic career.

 

1 É pós doutoranda e doutora em administração pela Universidade de São Paulo (FEA-USP). É docente do mestrado acadêmico em administração das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU); coordenadora executiva do Programa de Estudos em Gestão de Pessoas (PROGEP) da Fundação Instituto de Administração (FIA) e professora em cursos de especialização da Universidade Presbiteriana Mackenzie. E-mail: elzafr@uol.com.br
2 É doutor em administração pela Universidade de São Paulo (FEA-USP) e professor livredocente na mesma instituição. É também coordenador do Programa de Estudos em Gestão de Pessoas (PROGEP) da Fundação Instituto de Administração (FIA). E-mail: jdutra@usp.br
3 É doutor em administração pela Universidade de São Paulo (FEA-USP) e professor do Programa de Estudos em Gestão de Pessoas (PROGEP) da Fundação Instituto de Administração (FIA). Também é professor da Faculdade Impacta de Tecnologia e da Universidade Ibirapuera. E-mail: rdgcdasilva@gmail.com
4 É doutor em ciência política pela Universidade de São Paulo (USP) e professor titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. E-mail: lntrevisan@pucsp.br Os autores deste artigo agradecem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Auxílio 2012/21432-3.

 

Literatura Citada

ALMEIDA, A. R.; BOTELHO, D. Construção de questionários. In: BOTELHO, D.; ZOUAIN, D. M. (orgs.). Pesquisa quantitativa em administração. São Paulo, Atlas, 2006.

ASHFORTH, B. A. Role transitions in organizational life: an Identity-Based Perspective. New Jersey, Lawrence Erlbaum Associates, 2001.

ASHFORD, S. J.; TAYLOR, M. S. Adaptation to work transitions: an integrative approach. In: FERRIS, G. R.; ROWLAND, K. M. (orgs.). Research in personnel and human resources management, vol. 8, p. 1-39, Greenwich, CT: JAI, 1990.

EBAUGH, H. R. F. Becoming an ex: the process of role exit. Chicago: University of Chicago Press, 1988.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. Status passage. Chicago, Aldine-Atherton, 1971.

HAIR, Jr., J. F., BLACK, W., BABIN, B. J., ANDERSON, R. E., & TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

IBARRA, H. Working identity: unconventional strategies for reinventing your career. Boston: Harvard Business School Press, 2004.

IBARRA, H. Identidade de carreira: a experiência é a chave para reinventá-la. São Paulo, Editora Gente, 2009.

LOUIS, M. R. Career transitions: varieties and commonalities. Academy of Management Review, v. 5, 1980.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2006.

NICHOLSON, N. A theory of work role transitions. Administrative Science Quarterly, v. 29 , 1984.

NICHOLSON, N. Turning points, traps and tunnels: the significance of work role transitions in the lives of individuals and organizations. In: SCHROINFF, H. W.; DEBUS, G. (orgs.). Proceedings of the west european conference on work and organization. Amsterdam: North-Holland, 1986.

NICHOLSON, N. The transition cycle: a conceptual framework for the analysis of change and human resources management. In: ROWLAND; FERRIS, G. R. (orgs.). Research in personnel and human resources management, vol. 5 Greenwich, CT: JAI, 1987.

NICHOLSON, N.; WEST, M. Transitions, work histories, and careers. In: ARTHUR, M. B.; HALL, D. T.; LAWRENCE, B. S. (orgs.). Handbook of career theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

SCHLOSSBERG, N. K. A model for analyzing human adaptation to transition. The Counseling Psychologist, v. 9, n. 2, 1981.

VAN MAANEN, J.; SCHEIN, E. H. Toward a theory of organizational socialization. In: STAW (org.). Research in organization behavior, vol. 1, p. 209-264. Grenwich, CT, JAI, 1979.

VELOSO, E. F. R. Carreiras sem fronteiras e transição profissional no Brasil: desafios e oportunidades para pessoas e organizações. São Paulo, Atlas, 2012.