Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estruturação do Modelo de Negócios Canvas para Setores da Construção de Edifícios

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2358-6508/rec-imed.v2n1p17-28

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistaec/index 

downloadpdf

Claudio A. Jacoski1, André Scapin2, Lissandro Hoffmeister3 & Marcelo F. Costella4

  

Resumo: Este artigo apresenta o uso de tecnologias de modelagem de negócios para propor modelos em setores da construção civil. O modelo de negócios representa uma orientação lógica da formação de valor de uma empresa, agregando parceiros, clientes e concorrentes. O método utilizado Canvas tem como características a possibilidade de relação de subsetores da empresa com o mercado, interagindo a partir do modelo e processo do negócio, gerando um fluxo de controle sistêmico. Quatro setores da construção civil foram escolhidos para a modelagem de negócios: construtora, incorporadora, escritório de projetos e empreiteira. Utilizou-se o quadro Canvas para definição do modelo de negócio, baseado nas exigências dos clientes das empresas do macrossetor da construção de edificações. Observou-se que os setores estudados possuem exigência diferenciadas de mercado, tendo necessidade de usarem ferramentas de modelagem dos processos e TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação) como propostas de valor e necessidade de relacionamento com seus clientes. Ao estruturar um novo negócio no setor da construção civil, há condições de se estabelecer um padrão inicial de condições apontadas no quadro formulado. Com o quadro Canvas foi possível criar um modelo de empresa integrado entre as interfaces do negócio, estruturando cada empresa/setor de forma sistêmica para satisfação do cliente e definindo de forma estratégica, as melhores condições para atuação competitiva no mercado.

Palavras-chave: modelagem de negócios, Canvas, construção civil, competitividade, inovação.

 

1 Dr. Eng. de Produção (UFSC). Docente do Programa de Pós Graduação em Tecnologia e Gestão da Inovação
2 Mestrando do Programa de Pós Graduação em Tecnologia e Gestão da Inovação – Unochapecó.
3 Mestrando do Programa de Pós Graduação em Tecnologia e Gestão da Inovação – Unochapecó
4 Dr. Eng. de Produção (UFRGS), Programa de Pós Graduação em Tecnologia e Gestão da Inovação

 

Literatura Citada

Afuah, A., & Tucci, C. (2003). Internet Business Models and Strategies. Boston: McGraw Hill Irwin.

Araujo, R. R.; Cappelli, C.; Júnior, A. G.; Pereira, M.; Iendrike, H. S.; Ielpo, D.; & Tovar, J. A. (2004). A Definição de Processos de Software sob o ponto de vista da Gestão de Processos de Negócio. VI Simpósio Internacional de Melhoria de Processos de Software. São Paulo: [s.n.].

Cadeia Produtiva. (2013). Perfil da cadeia produtiva da construção e da indústria de materiais e equipamentos. ABRAMAT/FGV. São Paulo.

Chesborough, H. (2007). Open business models: How to thrive in the new innovation landscape. Boston: Harvard Business School.

FGV/CBIC. (2012). A produtividade da construção civil brasileira. Editora GD7 Consultoria e Comunicação.

Jacoski, C A. (2003). Integração e interoperabilidade em projetos de edificações – uma implementação com IFC/XML. 218 f. Tese de Doutorado) Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis.

Jacoski, C. A., & Grzebieluchas, T. (2011). Modelagem na contratação de projetos utilizando os conceitos de BPM - gerenciamento de processos de negócio. Produto e Produção , 12(3), 29-37. Disponível em <http://www.seer.ufrgs.br/ProdutoProducao/article/viewFile/9538/13957>.

Hulme, T. (VIDEO) (2010). Visualize Your Business Model in 15 Minutes Flat, HackFwd. Mallorca, son., color. Disponível em: <http://vimeo.com/15395662>.

Lindgren, P., Yariv T., & Kristin F. S. (2011). Business model innovation leadership - How to strategically lead Business Model innovation? Journal of Strategic Communication and Computer (JCC). Chicago: David Publishing Company.

Lindgren, P. (2012). Business Model Innovation Leadership: How Do SME’s Strategically Lead Business Model Innovation? International Journal of Business and Manegement, 7(14), 53-66. doi

Magretta, J. (s/d). Why business models matter? Harvard Business Review, 80(5), 86-92

Martikainen, A., Niemi, P., & Pekkanen, P. (2013). Developing a service offering for a logistical service provider—Case of local food supply chain. Int. J. Production Economics. 2002. doi

Martin, R. L. (2009). The Design of Business: Why Design Thinking is the Next Competitive Advantage, Harvard Business School Press.

Morris, M., Schmindehutte, M., & J. Allen. (2003). The entrepreneur’s business model: toward a unified perspective. Journal of Business Research, 58(6), 726-735. doi

Osterwalder, A. (2004). The business model ontology: A proposition in a design science approach. (Tese de doutorado), Université de Lausanne, Suíça.

Osterwalder, A.; Pigneur, Y. (2009). Business Model Generation: A Handbook for Visionaries, Game Changers, and Challengers, 1a. ed., Wiley.

Pires, E. M.; Queiroz, R. J. G. B. (2012). Consolidando o Business Model Framework. Estratégia de crescimento e competitividade na metodologia Business Model Generation. (Monografia) Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Santana, R. L.; Andrade, T. C. Benefícios da monitoração de processos com BPM. (Tese de doutorado). Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2011. Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). 10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. SEBRAE-SP. São Paulo: SEBRAE-SP, 2008. 120p. ISBN: 97885-7376-069-9.

Taran. Re-thinking it All: Overcoming Obstacles to Business Model Innovation Center for Industrial Production. (Tese de doutorado), Aalborg University, 2011.

Teece, D. J. Business Models, Business Strategy and Innovation. Long Range Planning, 43(2-3), 2012. doi

Zott, C., Amit, R., & Massa, L. The business model: recent developments and future research. 2011.