Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Transferência na Relação Médico/Paciente versus Analista/Analisando

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n1p4-9

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Jossiele Fighera1 & Camila S. Saccol2

  

Resumo: A questão da transferência, tão importante para a psicanálise, está presente tanto na relação entre médico e paciente como na relação entre psicanalista e analisando. O presente trabalho constituise de uma revisão da bibliografia, tendo como principal objetivo fazer uma relação, levando-se em consideração principalmente os aspectos transferenciais, entre a prática médica e do analista. A partir das leituras baseadas em um referencial psicanalítico freudiano e lacaniano, buscou-se fazer um apanhado geral sobre esse tema e algumas considerações sobre a transferência nos diferentes níveis de atuação profissional. No decorrer desse trabalho, pode-se perceber que existe uma diferença fundamental entre a posição do médico e do psicanalista/psicoterapeuta com relação aos seus pacientes, pois a situação médica promove o tratamento do corpo físico, objetivando a sua cura; o analista, por sua vez, trata desse corpo e desse sintoma através da fala, intervindo na história do paciente e provocando efeitos terapêuticos por meio desse atravessamento. A transferência só acontece na relação com o outro, e este outro se faz presente através da subjetividade, pela presença do inconsciente, na medida em que o outro influencia na construção da subjetividade.

Palavras-chave: Transferência; Psicanálise; Medicina.

 

Abstract: The issue concerning transference, so important to psychoanalysis, is present not only in the doctor-patient but also in the analyst-patient relationship. The following work is founded on a bibliographical research which seeks a common ground between the doctor and psychoanalyst practice as far as transference is concerned. Having the psychoanalytical approach based on Freud and Lacan readings as a reference, this article attempts to cover this theme as well as to draw some possible considerations about the different professional situations in which transference takes place. Throughout this work, it was possible to notice an essential difference between the doctors’s position in relation to his/her patients and the one taken by the psychoanalysts/therapists. That difference can be attributed to the fact that the medical situation provides the body treatment and aims at its cure while the psychoanalytical treatment, although aiming at this same body and symptom, do it through the speech, through interventions in the patient’s history which will then have therapeutic effects. The transference alone happens in the relation with the other, and this other one becomes gift through the subjectivity, for the presence of the unconscious, in the measure where the other influences in the construction of the subjectivity.

Key words: Transference; Psychoanalysis; Medicine.

 

1 Psicóloga. Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Psicóloga Clínica do Hospital Municipal São José. Professora da Associação Catarinense de Ensino.
2 Psicóloga. Especialista em Diagnóstico e Tratamento dos Transtornos do Desenvolvimento da Infância e Adolescência pelo Centro Lydia Coriat.

 

Literatura Citada

Conte, B. (2004). Reflexões sobre o Método e a Metodologia em Psicanálise. Revista da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, 1 (3), 6-10.

Coura, R. (1996). A Psicanálise no Hospital Geral. São Paulo: Sarvier.

Felippi, M.C.P. (2002). Medo de Transferência. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 22, 86-93.

Freud, S. (1905/1973). Analisis fragmentário de uma histeria (caso Dora). In Obras Completas. Tomo I. Madrid: Biblioteca Nueva.

Gabbard, G.O. & Westen, D. (2003). Repensando a ação terapêutica. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 25(2), 257-273.

Glen, J. (1996). Psicanálise e Psicoterapia de Crianças. Porto Alegre: Artes Médicas.

Laplanche, J. (1998). Vocabulário de Psicanálise Laplanche e Pontalis. São Paulo: Martins Fontes.

Lacan, J. (1964). O Seminário, livro 11: Os Quatro Conceitos Fundamentais da Psicanálise. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

Lourenço, L.C.A. (2005). Transferência e Complexo de Édipo, na Obra de Freud: notas sobre os destinos da transferência. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18 (1),143-149.

Mohallem, L.N. & Souza, E.M.C.D. (2000). Nas Vias do Desejo. In M.D. Moura (Org.). Psicanálise e Hospital (p. 17-30). 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter.

Moura, M.D. (2000). Psicanálise e urgência Subjetiva. In M.D. Moura (Org.). Psicanálise e Hospital. (p. 3-15). 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter.

Moura, G.C.M. (2003). Urgência Subjetiva e Tempo – o que é isto? In M.D. Moura. (Org.). Psicanálise e Hospital -3. Tempo e Morte – da Urgência ao Ato Analítico. (p. 17-21). Rio de Janeiro: Revinter.

Sandler, J.; Dare, C. & Holder, A. (1986). O paciente e o analista. Rio de Janeiro: Imago.

Soares, C.P. (2000). Uma Tentativa Malograda de Atendimento em um Centro de Tratamento Intensivo. In M.D. Moura (Org.). Psicanálise e Hospital. (p. 41-48). 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter.