Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Transtorno do Humor Bipolar: A Importância do Diagnóstico Precoce na Infância e na Adolescência

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n1p28-38

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Cláudio J. P. Wagner1

  

Resumo: O transtorno do humor bipolar caracteriza-se pela presença de episódios alternados de depressão, mania e de episódios mistos. Pode, também, se manifestar através de um episódio de hipomania, que é semelhante à mania, porém, sem apresentar sintomas psicóticos e com menor interferência na vida funcional da criança e do adolescente. Para diagnosticar a mania, deve-se observar o humor, que geralmente encontra-se irritável ou expansivo por uma semana ou mais, podendo estar associado a outras características, como aumento da auto-estima, diminuição da necessidade do sono, necessidade de falar além do usual, fuga de idéias. Os critérios de diagnóstico utilizados e aceitos são os da CID –10 e do DSM –IV-TR, os mesmos utilizados para os adultos. O presente artigo tem por objetivo destacar a importância do diagnóstico precoce para minimizar os prejuízos funcionais advindos do não tratamento. Para isso, ressalta a necessidade do conhecimento dos critérios diagnósticos DSM-IV-TR e das suas especificidades na apresentação do transtorno na infância e adolescência.

Palavras-chave: transtorno afetivo bipolar; infância; adolescência.

 

Abstract: The bipolar mood disorder is characterized by the presence of alternating episodes of depression, mania and mixed episodes. It can also happens an episode of hypomania, which is similar to mania, but without psychotic symptoms and less interference in the life of children and adolescents. To diagnose the mania, you should see the humor, which usually is expansive or irritable for a week or more, may be associated with other characteristics, such as increased selfesteem, decreased need for sleep, need to speak more than usually, flight of ideas. The criteria of diagnosis used and accepted are those of ICD -10 and the DSM-IV-TR, the same used for adults. This article aims to highlight the importance of early diagnosis of bipolar mood disorder, to minimize the functional losses resulting from not treating the disorder. To do so, emphasizes the need for knowledge of the diagnostic criteria DSM-IV-TR and its peculiarities in the presentation of the disorder in childhood and adolescence.

Key words: Bipolar disorder; childhood; adolescence.

 

1 Mestre em Psicologia do Desenvolvimento UFRGS. Médico Psiquiatra da Infância e Adolescência, Professor Adjunto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina e Psicopatologia do Curso de Psicologia da Universidade de Passo Fundo, RS.

 

Literatura Citada

Asbahr, F. R. (2007). Transtornos de ansiedade na infância e adolescência. Rio de Janeiro: Elsevier.

American Psychiatric Association, APA. (2002). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais .DSM-IV-TR. (4ª ed. rev.). Porto Alegre: Artmed.

Assumpção Jr., F. B. (1995). Psiquiatria Infantil Brasileira: um esboço histórico. São Paulo: Lemos Editorial.

Child & Adolescent Bipolar Foundation, CABF (2002). About Pediatric Bipolar Disorder [on-line] [citado em 20 janeiro 2009].Disponível em: http://www.bpkids.org/site/PageServer?pagename=lrn_about.

Cordioli, A.V. (2008). Psicoterapias: abordagens atuais (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed, 2008.

Ebert, M. H.; Loosen, P. T. & Nurcombe, B. (2002). Psiquiatria: diagnostico e tratamento. Trad. Maria Cristina Monteiro, Lúcia Porto e Alceu Filmann. Porto Alegre: Artmed Editora.

Faraone, S. V., Biederman, J., Wozniak, J., Mundy E., Mennin, D. & O’Donnell, D. (1997). Is comorbidity with ADHD a marker for juvenile-onset mania? Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry 36 (8), 1046-1055.

Friedberg, R. & McClure, J. M. (2004). A prática clínica de terapia cognitiva com crianças e adolescentes. Trad. Cristina Monteiro. Porto Alegre: Artmed.

Fu-I, L. (2004). Transtorno afetivo bipolar na infância e na adolescência. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26 (supl. 3), 22-6.

Fu-I, L. (2007). Transtorno bipolar na infância e na adolescência. São Paulo: Segmento Farma.

Hales, R. E. & Yudofsky, S. C. (2006). Tratado de psiquiatria clínica. (4ª Ed.). Trad. Cláudia Dornelles, Cristina Monteiro e Ronaldo Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed.

Kafantaris V., Coletri D.J., Dicker, R. Padula, G., Kane, J.M. (2003). Lithium treatment of agude mania in adolescents: a large open trial. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 42, 1038-45.

Kowatch, R. A., Suppes, T., Carmody, T.J., Bucci, J.P., Hume, J.H., Kromelis, M., Emslie, G.J., Weinberg, W.A. & Rush, A.J. (2000). Effect size of lithium, divalproex sodium and carbamazepine in children and adolescent with bipolar disorder. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 39(6), 713-20.

Lafer, B.; Almeida, O. P.; Fráguas Jr, R. e Miguel, M. C. (2000). Depressão no Ciclo da Vida. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Lima, D. (2004). Depressão e doença bipolar na infância e adolescência. Jornal de Pediatria, 80 (supl. 2), 11-20.

Moraes, C., Silva, F.M. B. N. & Andrade, E. R. (2007). Diagnóstico e tratamento de transtorno bipolar e TDAH na infância: desafios na prática clínica J. Bras. Psiquiatr.,56 (supl. 1), 1924.

Nieman, G. W. & Delong, R. (1987) Use of the personality inventory for children as an aid in differentiating children with mania from children with attention deficit disorder with hyperactivity. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry 26, 381-388.

Organização Mundial da Saúde, OMS (1993). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Patel, N., DelBello, M. P., Bryan H., Adler, C. M., Kowatch, R. A., Stanford, K., Strakowisky, S.M. (2006). Open-label lithium for the treatment of adolescents with bipolar depression. J Am Acad Child Adolesc Psychiatr,45 (5), 289-97.

Rohde, L. A. Transtorno Bipolar em Crianças e Adolescentes (2002). In: XX Congresso Brasileiro de Psiquiatria. Simpósio: Novas Abordagens do Diagnóstico e Tratamento do TAB e TDAH. Florianópolis.

Rohde, L. A., Miguel Filho, E. C., Benetti L., Gallois, C. & Kieling, C. (2004). Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade na infância e na adolescência: considerações clínicas e terapêuticas.Rev. Psiq. Clin., 31 (3), 124-131.

Rohde, L. A. & Tramontina, S. (2005). O tratamento farmacológico do transtorno bipolar na infância e adolescência. Rev. Psiq. Cli., 32 (supl. 1), 117-127.

Sadock, B. J. & Sadock, V. A. (2007). Compêndio de Psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiátrica clínica. (9ª Ed). Trad. Cláudia Dornelles. Porto Alegre: Artmed.

Strober M .(1992). Relevance of early age-of-onset in genetic studies of bipolar affective disorder. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, 31, 606610.

Stubbe, D. (2008). Psiquiatria da Infância e Adolescência. Porto Alegre: Artmed.

Tramontina, S.; Schimitz, M.; Polanczyk, G. & Rohde, L. A.. (2003). Juvenile Bipolar Disorder in Brasil: Clinical and Treatment Findings. Biological Psychiatry, 53 (11), 1043-1049.

Tung, T. C. (2007). Enigma bipolar: conseqüências, diagnóstico e tratamento do transtorno bipolar. São Paulo: MG Editores.

Vieta, E. (2001). Transtornos bipolares: avances clínicos y terapêuticos. (1ª ed.) Madrid: Médica Panamericana.

Wozniak, J. & Biederman, J. (1996). A pharmacological approach to the quagmire of comorbidity in juvenile mania Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry 35 (6), 826-828.