Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Terapia Cognitivo-Comportamental nos Transtornos Alimentares: Uma Abordagem Familiar para Intervenção em Crise

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n1p56-71

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Aneron de A. Canals1, Ângela L. de Figueiredo2, Renata P. Kuhn3 & Irani I. de L. Argimon4

  

Resumo: Os transtornos alimentares são caracterizados por uma grave perturbação do comportamento alimentar, acompanhada por distorção da imagem corporal, com conseqüências clínicas e emocionais tanto para a pessoa que sofre deste transtorno quanto para seus familiares. A terapia familiar é uma das indicações para o tratamento dos transtornos alimentares, uma vez que os conflitos familiares ou são causadores destes transtornos ou conseqüências dos mesmos. O objetivo deste artigo é a descrição de um plano de tratamento familiar para tais pacientes, seguindo o modelo de terapia cognitivo-comportamental. A terapia de família é um recurso terapêutico com o objetivo central de melhorar as relações e conflitos existentes, promovendo, deste modo, a melhora do prognóstico do transtorno alimentar.

Palavras-chave: Transtornos alimentares; tratamento familiar; terapia cognitivocomportamental.

 

Abstract: The eating disorders are characterized by a serious disruption of eating behavior, accompanied by a distortion of body image, with clinical and emotional consequences to the person who suffers with this disorder and for their families. The family therapy is one of the indications for the treatment of eating disorders, since the family conflicts or cause these disorders or are consequences of them. This article is the description of a family plan of treatment to these patients, following the model of cognitive-behavioral therapy. Initially, it highlighted the etiology and epidemiology of eating disorders. The family therapy is a therapeutic resource with the central goal of improving relations and conflicts, promoting thus improves the prognosis of the eating disorder.

Key words: Eating disorders; family treatment; cognitive-behavioral therapy.

 

1 Psiquiatra, terapeuta de família e casais, especialista em Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) e colaborador do Grupo de Pesquisa de Avaliação e Intervenção Psicológica no Ciclo Vital do Programa de Pós-Graduação (PPG) da Faculdade de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
2 Psicóloga, especialista em Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais pela UNISINOS e mestranda do Grupo de Pesquisa de Avaliação e Intervenção Psicológica no Ciclo Vital do PPG da Faculdade de Psicologia da PUCRS.
3 Graduanda em Psicologia pela PUCRS, colaboradora do Grupo de Pesquisa Avaliação e Intervenção Psicológica no Ciclo Vital do PPG da Faculdade de Psicologia da PUCRS.
4 Doutora em Psicologia pela PUCRS, coordenadora do Grupo de Pesquisa de Avaliação e Intervenção Psicológica no Ciclo Vital do PPG da Faculdade de Psicologia da mesma instituição.

 

Literatura Citada

American Psychiatric Association (2003). Referência rápida aos critérios diagnósticos do DSM-IV-TR. Porto Alegre: Artmed.

Abreu, C. N. & Cangelli Filho, R. (2004). Anorexia nervosa e bulimia nervosa: abordagem cognitivo-construtivista de psicoterapia. Rev. psiquiatr. clín., 31(4), 177-183.

Andolfi, M. & Haber, R. (1998). Por favor, ajude-me com esta família: usando consultores como recurso na terapia familiar. Porto Alegre: Artmed.

Azevedo, A. P., Santos, C. C. & Fonseca, D. C. (2004). Transtorno da compulsão alimentar periódica. Rev. psiquiatr. clín., 31(4), 170-172.

Beck, A. & Alford, B. A. (2000). O poder integrador da terapia cognitiva. Porto Alegre: Artmed.

Carter, B., McGoldrick, M. et al. (2001). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. Porto Alegre: Artmed.

Castro, J., Toro, J. & Cruz, M (2000). Quality of rearing practices as predictor of short-term outcome in adolescent anorexia nervosa. Psychological Medicine, 30, 61-67.

Claudino, A. M. & Borges, M. B. F. (2002, dezembro). Critérios diagnósticos para os transtornos alimentares: conceitos em evolução. Rev. Bras. Psiquiatr., 24(3), 07-12.

Cobelo, A. W., Saikali, M. O. & Schomer, É. Z. (2004). A abordagem familiar no tratamento da anorexia e bulimia nervosa. Rev. Psiquiatr. Clín., 31(4), 184-187.

Cordas, T. A. & Claudino, A. M. (2002, dezembro). Transtornos alimentares: fundamentos históricos. Rev. Bras. Psiquiatr., 24(3), 03-06.

Dattilio, F. M. & Jongsma Jr., A. E. (2000). The family therapy: treatment planner. New York: Wiley.

Dattilio, F. M & Padesky, C. A. (1995). Terapia cognitiva com casais. Porto Alegre: Artmed.

Dobson, K. S. & Franche, R.-L. (1999). A prática da terapia cognitiva. In: V. E. Caballo (Org.). Manual de técnicas de terapia e modificação do comportamento (pp. 441-470). São Paulo: Santos.

Duchesne, M. & Almeida, P. E. M. (2002). Terapia cognitivo-comportamental dos transtornos alimentares. Rev. Bras. Psiquiatr., 24(3), 49-53.

Duchesne, M. & Appolinário, J. C. (2001). Tratamento dos transtornos alimentares. In: B. Rangé (Org.). Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria (pp. 317-331). Porto Alegre: Artmed.

Herscovici, C. R. (1997). A escravidão das dietas: um guia para reconhecer e enfrentar os transtornos alimentares. Porto Alegre: Artmed.

Jacob, L. S. (2004). Treino de resolução de problemas. In: C. N. Abreu & H. J. Guilhardi (Orgs.). Terapia comportamental e cognitivo-comportamental: práticas clínicas (pp. 344-351). São Paulo: Roca.

Kaplan, H. I., Sadock, B. J. & Grebb, J. A. (1997). Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica (7. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Marlatt, G. A. & Gordon, J. R. (1993). Prevenção de recaída: estratégias de manutenção no tratamento de comportamentos adictivos. Porto Alegre: Artmed.

Minuchin, S. & Fishman, H. C. (1990). Técnicas de terapia familiar. Porto Alegre: Artmed.

Miyazaki, M. C. O. S. (2004). Diálogo socrático. In: C. N. Abreu & H. J. Ghilhardi (Orgs.). Terapia comportamental e cognitivo-comportamental: práticas clínicas (pp. 311-319). São Paulo: Roca.

Pizon, V. & Nogueira, F. C. (2004). Epidemiologia, curso e evolução dos transtornos alimentares. Rev. Psiquiatr. Clín., 31(4), 158-160.

Roberto, L. G. (1994). Transtornos alimentares como segredos de família. In: E. Imber-Black (Org.). Os segredos na família e na terapia familiar (pp. 166-182). Porto Alegre: Artmed.

Savoia, M. G. (2004). Descatastrofização. In: C. N. Abreu & H. J. Guilhardi (Orgs.) Terapia comportamental e cognitivo-comportamental: práticas clínicas (pp. 336-343). São Paulo: Roca.

Whelan, E. & Cooper, R. L. (2000). The association between childhood feeding problems and material eating disorder: a community study. Psychological Medicine, 30, 69-77.

Whitaker, C. A. & Bumberry, W. M. (1990). Dançando com a família: uma abordagem simbólico-experiencial. Porto Alegre: Artmed.