Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Identidade Feminina: Engendrando Espaços e Papéis de Mulher

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n2p192-200

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Thálita C. M. da Silva1 & Maria C. L. de A. Amazonas2

  

Resumo: Neste texto, discutimos a produção da identidade feminina. Iniciamos com os movimentos de fixação da identidade a partir de discursos essencialistas, que buscam atribuir lugares fixos e estáveis, baseando-se na Biologia e Ontologia. Nestes, os espaços e papéis endereçados a mulheres e homens geralmente são delineados em torno do desempenho de tarefas e funções. Através de um breve percurso teórico, visitamos o processo histórico da construção das identidades de gênero com o intuito de desconstruir os binarismos culturais e problematizar a noção de identidade. Por fim, propomos que a produção de todas as identidades culturais, incluindo a de gênero, ocorre no campo do circuito da cultura, no cruzamento entre fronteiras, produzindo identidades híbridas e irregulares.

Palavras-chave: Identidade de gênero, identidade feminina, entre - espaços.

 

Abstract: In this text we‟ll discuss the production of feminine identity. Starting with identities fixation movements that comes from essentialist speeches, which attributes fixed and stabled places based on biology and ontology. In these speeches, both spaces and rolls addressed to women and men are, generally, drowned by the execution of tasks and functions. Through a brief theorical path, we visited the historical process of gender identities construction, meaning to deconstruct the cultural binaries and create possible discussions for the notion of identity. At last, we proposed that the production of all cultural identities, including gender identity, occurs in the field of culture, in the spaces between the boundaries building up hybrid and irregular identities.

Key words: Gender identity, feminine identity, spaces-in-between.

 

1 Mestre em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), e integrante do Laboratório de Família e Interação Social.
2 Professora da Universidade Católica de Pernambuco, Doutora em Psicologia, área: Família e Saúde pela Universidade de Deusto, Bilbao, Espanha.

 

Literatura Citada

Amazonas, M.C.L.A & Silva, T.C.M. (2008). Os sistemas de representação judaicocristão e o endereçamento de posições-de-sujeito femininas. Mandrágora. Ano XIX (14), São Bernardo do Campo, SP: Metodista.

Arán, M. (2003). Soberanias. Rio de Janeiro: Contra Capa.

Arán, M. (2006). O avesso do avesso: feminilidade e novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Garamond.

Badinter, E. (2005). Rumo equivocado: o feminismo e alguns destinos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Braidotti, R. (2002). Diferença, diversidade e subjetividade nômade. (R. Barbosa, Trad.). Labrys, Estudos feministas, 1 (2), Recuperado em 10 de agosto de 2006 de http//:www.unb.br/ih/his/gefem.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Castro, E. (2009). Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte; Autêntica Editora.

Confortin, H. (2003). Discurso e gênero: a mulher em foco. In M. I. Ghilardi-Lucena, (Org.), Representações do feminino (pp. 107-123). Campinas: Átomo.

Gomes, J.J. (2008). Discurso feminino: uma análise crítica de identidades sociais de mulheres vítimas de violência de gênero. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós- graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco. Recuperado em 26 de abril de 2009 de http://www.ufpe.br/pgletras/2008/dissertações/diss-jaciara-josefa-gomes.pdf

Gonçalves, A.L. (2006). História e gênero. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

Hall, S. (2000a). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

Hall, S. (2000b). Quem precisa de identidade? In T.T. SILVA (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp. 103-133). Rio de Janeiro: Vozes.

Lauretis, T. de (1994). A tecnologia do gênero. In Hollanda, H.B. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, p 206-242.

Lipovetsky, G. (2000). A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. São Paulo: Companhia das Letras.

Louro, G. L. (2004). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. (7ª ed.). Petrópolis: Vozes.

Louro, G.L. (2008). Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, 19, 2(56), p.17-23.

Mariano, S. A. (2005). O sujeito do feminismo e o pós-estruturalismo. Estudos Feministas, 13 (3), p.483-505.

Nunes, M. J. F. R. (1996). Gênero, saber, poder e religião. In M.F. Anjos (Org.), Teologia e novos paradigmas. Sociedade de Teologia e Ciências da Religião (Soter) (pp. 89-103). São Paulo: Editora Paulinas.

Poian, C. (2001). A psicanálise, o sujeito e o vazio contemporâneo. In C. Poian (Org.), Formas do vazio: desafios ao sujeito contemporâneo (pp. 7-23). São Paulo: Via Lettera Editora.

Silva, T. T. (2000). A produção social da identidade e da diferença. In T.T. Silva (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp. 73-102). Rio de Janeiro: Vozes.

Silva, T.C.M., Amazonas, M.C.L.A. & Vieira, L.L. (2010) Família, trabalho, identidades de gênero. Psicologia em Estudo, Maringá, 15 (1), p. 137-145.

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In T.T. Silva (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp. 7- 72). Rio de Janeiro: Vozes.