Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

As Implicações da Reprodução Assistida na Constituição Subjetiva Infantil

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n2p201-209

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Camilla B. Biazus1, Andressa Botton2, Andréa Faccini3 & Graziela O. M. Cezne4

  

Resumo: Os papéis ocupados pelas mulheres no âmbito pessoal e profissional sofreram significativas mudanças sócio-culturais nas ultimas décadas, ocasionando o adiamento da maternidade e um declínio das taxas de fecundidade. Consequentemente, há um aumento na procura por técnicas de reprodução artificial, que, de descoberta recente, não permitem um distanciamento histórico para avaliar as implicações na subjetivação das crianças concebidas através delas. Esse estudo busca, então, refletir sobre a procura por essas tecnologias e analisar seus prováveis efeitos na subjetividade infantil. Para isso, foi realizado um ensaio teórico sobre o tema, utilizando-se o referencial da psicanálise. Assim, pode-se pensar que essas técnicas vêm ao encontro do discurso do imediatismo contemporâneo, podendo constituir sujeitos sem limites, que nascem como esperança do gozo de seus pais.

Palavras-chave: Técnicas de reprodução assistida, desejo materno, subjetividade infantil.

 

Abstract: The roles of the women in the personal and professional ambit suffered significant socio-cultural changes in the last decades, leading to a postponing of motherhood and a decrease in the fecundity rates. Consequently, there is an increase in the search for artificial reproduction techniques, which, as recent discovery, do not permit a historic distance to evaluate the implications in the subjectivity of the children which are conceived through them. This study ponders the search for these technologies and analyzes their probable effects in the child subjectivity. For this, a theoretical analysis about the theme was realized, using the reference of psychoanalysis. In this manner, it can be thought that these techniques meet the discourse of the contemporary immediatism, what can constitute subjects with no limits, which are born as a hope of the contentment for the parents.

Key words: Assisted reproduction techniques, maternal desire, child subjectivity.

 

1 Psicóloga pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). Mestranda em Psicologia Clínica pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).
2 Psicóloga pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). Mestranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
3 Psicóloga pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). Mestranda em Psicologia Clínica pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).
4 Psicóloga pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). Mestre em Psicologia Clínica pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Especialista em Clínica Psicanalítica pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC).

 

Literatura Citada

Aulagnier, P. (1990). Um Intérprete em busca de sentido – II. Trad. Regina Steffen. São Paulo: Escuta.

Betts, J. A. (1999). Missão impossível? Sexo, educação e ficção científica. In A. Jerusalinsky, C. Melman, C. Calligaris, E. Tavares, E. Calligaris, F. Becker, J. Betts, J. Mengarelli, M. Pedó, L. Bernardino, L. T. Aragão, M. R. Pereira, M. Corso, N. Mariano, V. Schilling, R. O Aragão, R. Brandão, R. C. Ostermann, S. Corazza, S. Pezzi, S. Fendrick & S. Moraes. Educa-se uma criança. (2ª ed.) (pp. 47-62). Porto Alegre: Artes e Ofícios.

Borlot, A. M. M. & Trindade, Z. (2004). As tecnologias de reprodução assistida e as representações sociais do filho biológico. Estudos de Psicologia, Natal, 9 (1), jan/abr, 63-70.

Braga, M. G. R. & Amazonas, M. C. L. (2005). Família: maternidade e procriação assistida. Psicologia em Estudo. Maringá, 10 (1), jan/abr, 11-18.

Braga, M. G. R. & Amazonas, M. C. L. Reprodução e subjetivação infantil. (2006). Psychê, 10 (19), set/dez, 129-148.

Campos, D. (2002). Mãe e filha: da identificação à devastação. Estados Gerais da Psicanálise. [on line], [citado em 15 Outubro 2007]. Disponível em < http://www.estadosgerais.org/historia/91-mae_e_filha.shtml>

Cezne, G. O. M. (2009). “Em busca de um sonho”: A Maternidade para mulheres em situação de infertilidade. Dissertação de Mestrado não publicada, Unisinos, São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil.

Corrêa, M. (2000). Novas tecnologias reprodutivas: doação de óvulos. O que pode ser novo nesse campo? Cadernos de Saúde Pública, 16(3),jul/set, 863-870.

Farinati, D. M., Rigoni M. S. & Muller, M. C. (2006). Infertilidade: um novo campo da psicologia da saúde. Estudos em Psicologia. Campinas, 23(4), out/dez, 433-439.

Freud, S. (1931/1996). Sexualidade feminina. In Edição Standart brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. XXII). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1914/1996). Sobre o narcisismo: uma introdução. In Edição Standart brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol.XIV). Rio de Janeiro: Imago.

Jaquetti, R. & Mariotto, R. M. (2004). Maternidade Contemporânea: Novos Significantes, velhos desejos. Estilos da Clínica, 9 (16), 50-57.

Lacan, J. (1964/1998). Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. In: LACAN, J. O seminário, livro 11. (2ª ed.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Mansur, L. H. (2003) Sem filhos- a mulher singular no plural. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Makuch, M. Y. (2006). Relacionamento familiar após o uso de técnicas de reprodução assistida. In R. M. Melamed & J. Quayle (Orgs). Psicologia em Reprodução Assistida: Experiências Brasileiras. (pp. 191-205). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ribeiro, M. (2004). Infertilidade e reprodução assistida: desejando filhos na família contemporânea. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

Ribeiro, M. (2006). Articulações entre narcisismo e reprodução assistida. In R. M. Melamed & J. Quayle (Orgs). Psicologia em Reprodução Assistida: Experiências Brasileiras. (pp. 91-103). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rocha-Coutinho, M. L. (2003). O papel de homens e mulheres na família: Podemos falar em reestruturação? Psicologia Clínica, 5 (2), 93-107.

Tavares, E. E. (1999). A mãe de proveta. In A. Jerusalinsky, C. Melman, C. Calligaris, E. Tavares, E. Calligaris, F. Becker, J. Betts, J. Mengarelli, M. Pedó, L. Bernardino, L. T. Aragão, M. R. Pereira, M. Corso, N. Mariano, V. Schilling, R. O Aragão, R. Brandão, R. C. Ostermann, S. Corazza, S. Pezzi, S. Fendrick & S. Moraes. Educase uma criança. (2ª ed.) (pp. 63-74). Porto Alegre: Artes e Ofícios.

Woiler, E. (2006). Algumas consequências emocionais da reprodução assistida, suas repercussões e impasses na clínica psicanalítica do adulto e da criança. In R. M. Melamed & J. Quayle (Orgs). Psicologia em Reprodução Assistida: Experiências Brasileiras. (pp. 221-242). São Paulo: Casa do Psicólogo.