Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Intervenções Psicológicas em Grupos de Controle de Tabagismo: Relato de Experiência

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v3n2p534-544

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Natália Zancan1, Bruna T. Colognese2, Fernanda Ghedini3 & Tatiana Both4

  

Resumo: Os grupos de tratamento de dependentes de nicotina na rede pública de saúde vêm sendo utilizados nas estratégias de prevenção do tabagismo. Foram atendidas 47 pessoas com a mesma necessidade de abandonar o vício do cigarro em um Centro de atendimento Integral à Saúde (CAIS). Desse número, 76,6% mulheres e 23,4% homens, dos quais 80,8% participaram dos grupos. As sessões foram estruturadas a partir do Programa Nacional de Controle do Tabagismo “Deixando de Fumar sem Mistério”, do Ministério da Saúde. Foi observado o grau de motivação dos participantes e os principais motivos de recaída, bem como as comorbidades psiquiátricas relacionadas ao uso do tabaco, apontando a importância de investigá-las no processo de tratamento do tabagismo. Das pessoas atendidas 31,9% deixaram de fumar e 17% reduziram a quantidade de cigarro, podendo assim afirmar que os grupos de tratamento de dependentes de nicotina ocorridos nessa instituição pública proporcionaram apoio ao comportamento de parar de fumar e na redução de danos para a saúde.

Palavras-chave: tabagismo; dependentes de nicotina; tratamento.

 

Abstract: Nicotine addiction support groups in the public health system have been used as tobacco prevention strategies. Forty-seven people with the same necessity to quit tobacco addiction were cared at the Center for Health Integral Assistance (CHIA). From these, 76.6% women, and 23.4% men, out of which 80.8% took part in the groups. The sessions were structured based on the National Program for Tobacco Control – called “Deixando de Fumar sem Mistério”, of the Brazilian Health Ministry. The motivation level of participants and the main reasons of relapse were observed, as well as the psychiatric comorbidities related to tobacco use, pointing out the importance of investigating them in the tobacco treatment process. About 31.9% of the people assisted quit smoking, and 17% reduced the amount of cigarettes, contributing to assert that treatment groups of people addicted to nicotine developed in this public institution provided support to the behavior of stop smoking and reduction of harm to health.

Key words: tobacco addiction; nicotine addicts; treatment.

 

1 Psicóloga. Pós-Graduanda na Especialização em Terapia Cognitivo-Comportamental da Escola de Psicologia da Faculdade Meridional (IMED).
2 Acadêmica da Escola de Psicologia da Faculdade Meridional (IMED).
3 Psicóloga (IMED).
4 Mestre em Psicologia Social e Institucional (UFRGS). Especialista em Atenção e Humanização do SUS (UFRGS, ESP, Ministério da Saúde). Psicóloga da Secretaria Municipal da Saúde de Passo Fundo. Professora e Supervisora de Estágio da Escola de Psicologia da Faculdade Meridional (IMED), Passo Fundo, RS.

 

Literatura Citada

American Psychiatric Association, APA. (2002). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. DSM-IV-TR. 4ª ed. rev. - Porto Alegre: Artmed.

Andrade, A. G. & Ribeiro, P. L. (2007). Transtornos mentais relacionados ao uso de substâncias psicoativas. In. Elkis, H., Neto, M. R. L. e cols. Psiquiatria Básica. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Andrade, L. H. S. G., Viana, M. C. & Silveira, C. M. (2006). Epidemiologia dos transtornos psiquiátricos na mulher. Revista de Psiquiatria Clínica,33(2), 43-54.

Barlow, D. H. & Durand, M. V. (2008). Psicopatologia: uma abordagem integrada. 4ª ed. São Paulo: Cengage Learning.

Bieling, P. J., McCabe. R. E. & Antony, M. M. (2008). Terapia CognitivoComportamental em Grupos. Porto Alegre: Artmed.

Bock, A. M. B., Furtado, O. & Teixeira, M. L. T. (2002). Psicologias: Uma Introdução ao Estudo de Psicologia. 13ª ed. São Paulo. Saraiva.

Brasil. Instituto Nacional de Câncer - INCA. Ministério da Saúde. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Tabagismo 2008. Rio de Janeiro: 2009. [online]. [Acessado em 15 de agosto de 2011]. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/inca/Arquivos/publicacoes/tabagismo.pdf>.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA. (2001). Abordagem e tratamento do fumante - Consenso 2001. Rio de Janeiro: INCA. [online]. [Acessado em 15 de agosto de 2011]. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/tabagismo/parar/consenso.htm>.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA. (2002). Estimativas da Incidência e Mortalidade por Câncer. Rio de Janeiro: INCA.

Brofman, G. Psicoterapia Psicodinâmica de Grupo. (2008). In: Cordioli, A. V. (Org.) e cols. Psicoterapias: Abordagens Atuais. (p. 299-316). 3ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Calheiros, P. R. V., Oliveira, M. S. & Andretta, I. (2006). Comorbidades psiquiátricas no tabagismo. Revista Aletheia, 23, 65- 74.

Calheiros, P. R. V., Oliveira, M. S., Wagner, M. F. & Matos, K. S. (2009). Sintomas de ansiedade em tabagistas no início do tratamento. Revista de Psicologia da IMED, 1 (1), 46-55.

Carmo, J. T. & Pueyo, A. A. (2002). A adaptação ao português do Fagerström test for nicotine dependence (FTND) para avaliar a dependência e tolerância à nicotina em fumantes brasileiros. Revista Brasileira de Medicina, 59, 73-80.

CID-10. Classificação de transtornos mentais e de comportamento: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. (1993). Coord. Organização Mundial da Saúde; trad: Dorgival Caetano. Porto Alegre: Artmed.

Gigliotti, A., Carneiro, E. & Ferreira, M. Tratamento do tabagismo. (2001). In: Rangé, B. (Org.) Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. (p. 351-371). Porto Alegre: Artmed.

Ferreira, M. P. (2007). Tabagismo. In: Elkis, H. & Neto, M. R. L. (Orgs.). Psiquiatria Básica. (p. 311-318). 2ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Frances, R. J., Franklin, J. E. & Mack, A. H. (2006). Transtornos por Uso de Substâncias. In: Hales, R. E. & Yudofsky, S. C. Tratado de Psiquiatria Clínica. (p. 302-369). 4ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Júnior, E. L. (2004). Dependência Química. In: Knapp, P. & cols. Terapia CognitivoComportamental na Prática Psiquiátrica. (p. 280-298.). Porto Alegre: Artmed.

Malbergier, A. & Oliveira Jr., H. P. Dependência de tabaco e comorbidade psiquiátricas. (2005). Revista de Psiquiatra Clínica, 32 (5), 276-282.

Marlatt, B. C. Drogas Mitos & Verdades. 10ª ed. São Paulo: Ática, 2005.

Marques, A. C. P. R., Campana, A., Gigliotti A. P., Lourenço, M. T. C., Ferreira, M. P. & Laranjeira R. (2001). Consenso sobre o tratamento da dependência de nicotina. Revista Brasileira de Psiquiatria, 4 (23), 200-214.

Melo, W. V., Oliveira, M. S. & Ferreira, E. A. (2006). Estágios Motivacionais, sintomas de ansiedade e de depressão no tratamento do tabagismo. Interação em Psicologia. 10 (1), 91-99.

Planeta, C. S. & Cruz, F. C. (2005). Bases neurofisiológicas da dependência do tabaco. Revista de Psiquiatria Clínica, 32 (5), 251-258.

Prochaska, J. O., DiClemente, C. C. & Norcross, J. C. (1999). Search of how people change: applications to addictive behaviors. In: Marlatt, G., Vandenbos, G. (Org.). Addictive behaviors: readings on etiology, prevention and treatment. (p. 671-696). Washington: American Psychological Association.

Rondina, R. C., Gorayeb, R. & Botelho, C. (2003). Relação entre tabagismo e transtornos psiquiátricos. Revista de Psiquiatria Clínica, 30 (6), 121-128.

Sadock, B. J. & Sadock, V. A. (2007). Compêndio de Psiquiatria. Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 9ª ed. Porto Alegre: Artmed.

World Health Organization, Who. Why is tobacco a public health priority? (2004). [online]. [Acessado em 10 de agosto de 2011]. Disponível em: <http://www.who.int/tobacco/about/en/>.