crosscheckdeposited

Centro de Referência Especializado de Assistência Social: Apanhados Teóricos Sobre Uma Rede Especial de Apoio e Proteção em Casos de Abuso Sexual Infantil

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v3n2p545-553

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Maria L. Pacheco1 & Bibiana G. Malgarim2

  

Resumo: O abuso sexual intrafamiliar é um grave problema de saúde pública que desorganiza diversos âmbitos da vida das pessoas envolvidas nesse tipo de violência. Diante dessa realidade intervenções de serviços especializados, como o CREAS, são fundamentais na articulação de uma rede de apoio e proteção a qual assegure o direito às vítimas de abuso sexual e de suas famílias de reordenar os vínculos familiares e sociais desfeitos por tal vivência danosa. O artigo tem como objetivo explanar, através de uma revisão da literatura nacional disponível em bancos de artigos virtuais ou não, sobre o funcionamento do CREAS. Tal centro tem como finalidade reordenar vínculos, buscar a representação e partilha da angústia dos conteúdos destrutivos, bem como proporcionar condições concretas de enfrentamento. Dessa forma a proposta é no sentido de auxiliar na reflexão sobre a implementação desses órgãos de proteção, aspectos teóricos e algumas sinalizações sobre a prática atual desses serviços, entendo que muito já foi realizado, mas ainda persiste a necessidade de expansão e qualificação de ações no combate a violência.

Palavras-chave: Abuso Sexual, Família, Rede de Apoio e CREAS.

 

Abstract: Intrafamilial sexual abuse is a serious public health problem that disrupts various aspects in the lives of those involved in this type of violence. Due to this reality, interventions provided by specialized services, such as CREAS, are fundamental in the articulation of a network of support and protection that assures that victims of sexual abuse and their families are able to reestablish familial and social ties that were broken during the harmful experience. The article aims to explain the CREAS operation through a review of national literature available in both virtual and non-virtual databases. CREAS aims to reestablish bonds, seek representation, and provide emotional support, as well as provide concrete strategies for confronting the issues. Thus, the proposal is to support consideration for the implementation of such agencies of protection, theoretical aspects, and provide some indications of the current application of these services. I believe that much has already been accomplished, but there is still a necessity for the expansion and qualification of actions in the fight against this type of violence.

Key words: Sexual Abuse, Family, Support Network and CREAS.

 

1 Psicóloga. Especialista e Mestre em Psicologia Clínica. Docente na Faculdade Metropolitana de Marabá, PA.
2 Psicóloga. Especialista em Psicoterapia Psicanalítica Infantil e Adolescente. Mestre em Psicologia Clínica. Docente na ESADE Rede Laureate Universities.

 

Literatura Citada

Azevedo, M. A. & Guerra, V. N de A. (2009). Políticas sociais e a violência contra crianças e adolescentes: o panorama nacional. In M. A. Azevedo & V. N. Guerra (Orgs.). Infância e Violência doméstica: fronteiras do conhecimento, (pp. 292-318). São Paulo: Cortez.

Brasil (2005). Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Secretaria de Assistência Social. Guia de Orientação Técnica-SUAS - n° 1. Proteção Básica de Assistência Social. Brasília. [On-line]. Disponível em: <http://www.recria.org.br/quemcompoe/governamentais/fas/guia>. Acesso em: 02 de outubro de 2011.

Brino R. F. & Williams, L. C. A. (2003). Concepções da professora acerca do abuso sexual infantil. Cadernos de Pesquisa, 119, 113-128

Brino, R.F.& Williams, L.C.A.(2006). Brazilian teachers as agent to prevent child sexual abuse: as intervention assessment. In D. Doro.(Orgs.). World Perspectives on Child Abuse,7,75-78. Chicago: ISPCAN- International Society for Prevention of Child Abuse and Neglect.

Caminha, R. M. (1999). A violência e seus danos à criança e ao adolescente. In Amencar (Org.). Violência Doméstica, (pp. 43-60). São Leopoldo: Amencar.

De Antoni, C. & Koller, S. H. (2000). A visão sobre a família entre as adolescentes que sofreram violência intrafamiliar. Estudos de Psicologia, 5, 347-381.

Deslandes, S. F. (2004). Redes de Proteção Social e Redes Sociais: uma Práxis Integradora. In C. A, Lima (Coord.). Violência faz mal à saúde, (pp.135-150) Brasília: Ministério da Saúde.

Dos Santos, V. A., Costa, L. F., Da Silva, A. X. (2011). As medidas protetivas na perspectiva de famílias em situação de violência sexual. Psico, 42 (1), 77-86.

Dos Santos, V. A., Costa, L. F. & Granjeiro, I. A. C. L. (2009). Intervenção no abuso sexual intrafamiliar: ingerência invasiva ou proteção devida? Psico, 40 ( 4), 516-524.

Furniss, T. (1993). A Rede Profissional. In Furniss, T. Abuso sexual da Criança: uma abordagem multidisciplinar, (pp. 82-112). Porto Alegre: Artes Médicas.

Guimarães, N. A., Farias, E. P. & Barbosa, A. M. de C. (2005). O incesto como problema de violência: atendimento e estratégia de interrupção. In C. A, Lima (Coord.). Violência faz mal à saúde, (pp.81-86) Brasília: Ministério da Saúde.

Habigzang, L. F., Azevedo, G. A., Koller, S. H. & Machado, P. X. (2006). Fatores de risco e de proteção na rede de atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19 (3), 379-386.

Macedo, J. P., De Sousa, A.P., De Carvalho, D. M., De Sousa, F. M .S. & Dimenstein, M. (2011). O psicólogo brasileiro no SUAS: quantos somos e onde estamos?. Psicologia em estudo, Maringá, 16 (3), 479-489.

Oliveira, M. L. M. (2004). Atenção a Mulheres, Crianças e Adolescentes em Situação de Violência: Redes de Atenção - A Experiência de Goiânia. In C. A., Lima (Coord.). Violência faz mal à saúde, (pp. 151-161). Brasília: Ministério da Saúde.

Pedersen, J. R. (2010). Abuso sexual intrafamiliar: do silêncio ao seu enfrentamento. Dissertação de Mestrado não-publicada, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Pereira, P. A. P. (2007). A assistência social prevista na Constituição de 1988 e operacionalizada pelo PNAS e pelo SUAS. Ser Social, 20 (3), 64-83.

Pfeiffer, L. & Salvagni, E. P.(2005). Visão atual do abuso sexual na infância e adolescência. Jornal de Pediatria, 81 (5), 197-204.

Pinto Jr, A. A. & Tardivo, L. S. L. C. (2008). Violência contra crianças e adolescentes: reflexões sobre o pensar e o fazer do psicólogo clínico. In J. T., Rosa. & I. F, Da Motta. (Orgs.). Violência e sofrimento de crianças e adolescentes na perspectiva winnicottiana, (pp.187-208). São Paulo: Idéias e Letras.

Rodrigues, J. L., Brino, R. de F. & Williams, C. A. (2006). Concepções de Sexualidade entre adolescentes com e sem histórico de Violência Sexual. Paidéia, 16, (34), 229240.

Sanderson, C (2005). Abuso Sexual em crianças: fortalecendo pais e professores para proteger crianças contra abusos sexuais e pedofilia. São Paulo: MBooks.

Sadowski, H.; Trowell, J.; Kolvin, I.; Weeramanthri, T.; Berelowitz; Gilbert, L.H. (2003). Sexually abused girls: patterns of psychopathology and exploration of risk factors. European Child & Adolescent Psychiatry, 12, 221-230.

Sei, M. B. & Da Motta, I. F. (2008). Saúde, desenvolvimento e psicoterapia psicanalítica: interfaces com a violência familiar. In J. T, Rosa., & I. F, Da Motta (Orgs.). Violência e sofrimento de crianças e adolescentes na perspectiva winnicottiana, (pp.83-90). São Paulo: Idéias e Letras.

Souza, F. O., Pátaro, J., Da Silva, M. G. & Gibim, R. A. (2008). Gestão do Centro de Referência Especializada de Assistência Social: desafios presentes no trabalho interdisciplinar. Trabalho de Conclusão de Curso não publicado. Faculdade de Serviço Social de Presidente Prudente, Faculdade Integrada Antonio Eufrásio de Toledo, Presidente Prudente, São Paulo, Brasil.

Souza, L. S. (2009). O enfrentamento à violência, abuso e exploração sexual. In L. C, Williams. & E. A, Araújo (Orgs.). Prevenção do Abuso Sexual Intrafamiliar: um enfoque interdisciplinar, (pp. 150-155). Curitiba: Juruá.

World Health Organization (2003). Guidelines for medico-legal care for victims of sexual violence. Geneva: World Health Organization. [On-line]. Disponível em: <http://whqlibdoc.who.int/publications/2004/924154628X.pdf>. Acesso em: 15 de dezembro de 2009.