Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Subjetividade e Políticas Públicas: Inserção Profissional de Pessoas com Deficiência no Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v3n2p585-595

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Cristiane M. Martins1, Alfredo A. Matos2 & Pedro P. G. de Bicalho3

  

Resumo: Este artigo é o resultado de uma pesquisa bibliográfica sobre as atuais políticas públicas empregadas em prol da inclusão profissional de pessoas com deficiência no Brasil. Discute-se a motivação, existência e aplicabilidade de ações afirmativas, tomando como analisador as leis de reserva de vagas em empresas privadas. Objetivamos defender não só a necessidade dessas ações, como também a importância de políticas públicas de longo prazo para efetivamente integrar a pessoa com deficiência na dinâmica social, visto o caráter subjetivo que atravessa o assunto. A lei e sua fiscalização não são suficientes para garantir o acesso do grupo estudado às mesmas oportunidades que os demais. A fim de diluir o processo de resistência a essas medidas, se faz importante manter uma política pautada no constante diálogo e informação a fim de que a sociedade se sensibilize pela inclusão das chamadas minorias.

Palavras-chave: Pessoas com deficiência, políticas públicas, subjetividade.

 

Abstract: This article is the result of a literature research about the current public policies employed for the professional inclusion of people with disabilities in Brazil. Motivation, existence, and application of affirmative actions are discussed, with the law of job positions reservations in private companies as analyzer. We aim not only to defend the need for this actions, as well as the importance of long-term public policies to effectively integrate the disabled person within the social dynamic, considering the subjectivity running through this issue. The law and its inspection are not enough to guarantee the access of the group of people studied to the same opportunities as others. In order to minimize the process of resistance to these measures it is important to maintain a policy based on continuous dialog and information so that society empathizes with the inclusion of the so-called minorities.

Key words: People with Disabilities – Public Policies – Subjectivity.

 

1 Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
2 Graduado em Administração de Empresas, Pós-graduando em MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos em Gestão de Pessoas (UFF).
3 Doutor em Psicologia, Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

 

Literatura Citada

Batista, C. A.M. (2004). Inclusão: Construção na Diversidade. Belo Horizonte: Armazém de Idéias.

Bicalho, P.P.G. (2005). Subjetividade e Abordagem Policial: Por uma Concepção de Direitos Humanos Onde Caibam Mais Humanos. Tese (Doutorado em Psicologia). Rio de Janeiro: UFRJ.

Brasil. Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências.

Brasil. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências.

Feres, J. Comparando Justificações das Políticas de Ação Afirmativa: EUA e Brasil. [s.n.t.]. Disponível em: <http://www.achegas.net/numero/30/joao_feres_30.pdf>. Acesso em: 07 mar 2010;

Figueiró, R.F.S. (2007). O Paraplégico no Mercado de Trabalho – A Percepção dos Trabalhadores sem Deficiência Motora: Contribuições da enfermagem para a equipe multidisciplinar. Rio de Janeiro: UFRJ/ EEAN.

Forrester, V. (1997). O Horror Econômico. 2.ed. São Paulo: Editora UNESP.

Gomes, J.B. (2003). O debate constitucional sobre as ações afirmativas. Santos, R.E.; Lobato, F. (orgs.). Ações Afirmativas: Políticas públicas contra as desigualdades raciais. Coleção Políticas da Cor. Rio de Janeiro: DP&A.

Mendes, M.M. & Bicalho, P.P.G. (2009). Responsabilidade Social Empresarial, Extensão Universitária e Produção de Subjetividade: Atravessamentos em um Mundo Globalizado. Revista de Psicologia da IMED, 1(1), 91-102.

Niess, L.T.T & Niess, P.H.T. (2003). Pessoas Portadoras de Deficiência no Direito Brasileiro. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira.

Piovesan, F. (2005). Ações Afirmativas da Perspectiva dos Direitos Humanos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 35 (124).

Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida. Prefeitura de São Paulo. Censo Demográfico do IBGE 2000. Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/pessoa_com_deficiencia/acessibilidade/dados_censoibge_2000/index.php?p=9766>. Acesso em: 30 abr 2010;

Santos, S.A. (2003). Ação Afirmativa e mérito individual. In: SANTOS, Renato E.; LOBATO, Fátima (orgs.). Ações Afirmativas: Políticas públicas contra as desigualdades raciais. Coleção Políticas da Cor. Rio de Janeiro: DP&A.