Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Infância e Morte: Um Estudo Acerca da Percepção das Crianças sobre o Fim da Vida

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v5n1p23-31

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Amanda R. de Mello1 & Denice B. Baseggio2

  

Resumo: Este artigo discute a percepção das crianças sobre a morte, destacando a responsabilidade dos pais e da escola para abordar esse tema. Trata-se de pesquisa qualitativa de cunho exploratório realizada em uma escola da rede particular de ensino do interior do estado do Rio Grande do Sul. Participaram da pesquisa oito crianças entre meninos e meninas com idades entre nove e dez anos. Para coleta de dados, utilizou-se o teste projetivo Fábulas, principalmente a lâmina F4A que remete ao tema da morte, além de um desenho sobre o que esta representou para cada participante. Os resultados mais relevantes, interpretados à luz da teoria psicanalítica, foram divididos em quatro categorias: as maneiras de morrer (doenças e violência); a morte associada a pessoas mais velhas; conceitos de irreversibilidade, não-funcionalidade e universalidade e experiência pessoal. Constatou-se que a experiência de perdas é um fato marcante na vida das crianças. No desenho, percebeu-se o tema da morte relacionado a situações tristes, tais como cenas de enterros, velórios, caixões, indicando que essas crianças a compreendem como finita, universal e irreversível. Como proposta interventiva, sugere-se que as escolas adotem estratégias sólidas para abordar o assunto, dispondo, para tanto, de tempo e profissionais (psicólogos e psicopedagogos) capacitados.

Palavras-chave: Família. Infância. Luto. Morte. Psicologia.

 

Abstract: This article discusses children’s perception of death, stressing the responsibility of parents and school to address the issue. It is a qualitative exploratory research carried out in a private school in the inner State of Rio Grande do Sul. Girls and boys aged nine to ten years old participated in the research. Data was collected using the projective Fairy Tales Test, mainly the F4A slide that refers to the theme of death, and also a drawing showing what it represented to each participant. The most relevant results, interpreted in the light of psychoanalytical theory, were divided into four categories: ways of dying (diseases and violence); death associated to older people; concepts of irreversibility, non-functionality, and universality; and personal experience. Therefore, it was found that the experience of loss is a remarkable fact in children’s lives. The drawings showed the theme of death associated to sorrowful situations, such as images of burials, funerals, and coffins, indicating that these children understand it as finite, universal, and irreversible. As interventional proposal it is suggested that schools adopt solid strategies to address this issue, therefore providing time and trained professionals (psychologists and educational psychologists).

Key words: Family. Childhood. Mourning. Death. Psychology.

 

1 Psicóloga, formada pela Faculdade Meridional - IMED, Passo Fundo – RS. Email: amanda.reginato@yahoo.com.br
2 Psicóloga. Especialista em Psicologia Clínica e Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Docente e Coordenadora Geral de Estágios do Curso de Psicologia da Faculdade Meridional, Rio Grande do Sul. Email: denice.baseggio@imed.edu.br

 

Literatura Citada

Aberastury, A. (1984). A percepção da morte na criança e outros escritos. Trad. de Maria Nestrovsky. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edição 70.

Bowlby, J. (2006). Formação e rompimento dos laços afetivos. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Bromberg, M. H. P. F. (1997). A psicoterapia em situações de perdas e luto. 2. ed. São Paulo: Editorial Psy.

Brum, E. H. M. & Schermann, L. (2004). Vínculos iniciais e desenvolvimento infantil: abordagem teórica em situação de nascimento de risco. Rev. Ciência e saúde coletiva, [on line], v. 9, n. 2 [citado em 22 Março 2012], p. 457- 467. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v9n2/20399.pdf>.

Cunha, J. A. & Nunes, M. L. T. (1993). Teste das fábulas: forma verbal e pictórica. São Paulo: Centro Editor de Testes e Pesquisas em Psicologia.

Dessen, M. A. & Polonia, A. da C. (2007). A família e a escola como contextos de desenvolvimento humano. Paideia [on line], v. 17, n. 36 [citado em 20 Maio 2012], p. 21-32. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/pdf/paideia/v17n36/v17n36a03.pdf>.

Diedrich, M. M. (2007). Bê-a-bá da metodologia de trabalhos acadêmicos e científicos: uma orientação prática a alunos de graduação e de pós-graduação. Passo Fundo: IMED.

Ferreira, A. B. de H. (2011). Aurélio Júnior: dicionário escolar de língua portuguesa. 2. ed. Curitiba: Positivo.

Ferreira, J. B. A. et al. (2011). Perda e luto na infância: o desvínculo e suas consequências na formação do psiquismo [citado em 12 Março 2012]. Disponível na World Wide Web: <http://fio.edu.br/cic/anais/2011_x_cic/PDF/Psicologia/PERDA%20E%20LUTO%20NA%20INFANCIA.pdf>.

Ferro, A. (1995). A técnica da psicanálise infantil: a criança e o analista da relação ao campo emocional. Rio de Janeiro: Imago.

Franco, M. H. P. & Mazorra, L. (2007). Criança e luto: vivências fantasmáticas diante da morte de um genitor. Estudos de Psicologia [on line], v. 24, n. 4 [citado em 25 Abril 2007], p. 503-511. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v24n4/v24n4a09.pdf>.

Freud, S. (1996). Luto e melancolia (Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud, v. XIV). Rio de Janeiro: Imago.

Kovács, M. J. (1992). Morte e desenvolvimento humano. 4. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kovács, M. J. (2008). Desenvolvimento da tanatologia: estudos sobre a morte e o morrer. Paideia [on line], v. 18, n. 41 [citado em 14 Outubro 2012). Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2008000300004>.

Kusnetzoff, J. C. (1982). Introdução à psicopatologia psicanalítica. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Lopes, E. S. L. & Park, M. B. (2007). Representação social de crianças acerca do velho e do envelhecimento. Estudos de Psicologia [on line], v. 12, n. 2 [citado em 13 Out. 2012), p. 141-148. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/pdf/epsic/v12n2/a06v12n2.pdf>.

Louzette, F. L. & Gatti, A. L. (2007). Luto na infância e as suas consequências no desenvolvimento psicológico. Revista Eletrônica [on line], v. 1, n. 1 [citado em 2 Abril 2012], p. 77-79. Disponível na World Wide Web: <http://pt.scribd.com/doc/78205122/Luto-na-infancia-e-assuas-consequencias-no-desenvolvimento-psicologico>.

Paiva, L. E. (2011). Arte de falar de morte para crianças: a literatura infantil como recurso para abordar a morte com crianças e educadores. São Paulo: Ideias e Letras.

Papalia, D. E., Olds, S. W. & Feldman, R. D. (2010). Desenvolvimento humano. 10. ed. Porto Alegre: Artmed.

Ramires, V. R. R. & Scheneider, M. S. (2010). Revisando alguns conceitos da teoria do apego: comportamento versus representação. Psicologia: Teoria e Pesquisa [on line], v. 26, n. 1 [citado em 23 Março 2012], p. 25-33. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v26n1/a04v26n1.pdf>.

Rappaport, C. R. et al. (Coord.). (1982). Psicologia do desenvolvimento, a idade escolar e a adolescência. São Paulo: EPU.

Ribas, A. F. P. & Moura, M. L. S. de. (2004). Responsabilidade materna e teoria do apego: uma discussão crítica do papel de estudos transculturais. Psicologia: Reflexão e Crítica [on line], v. 17, n. 3 [citado em 16 Março 2012), p. 316- 322. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/pdf/prc/v17n3/a04v17n3.pdf>.

Torres, W. da C. (1999). A criança diante da morte: desafios. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Villemor-Amaral, A. E. & Werlang, B. S. G. (Orgs.). (2011). Atualizações em métodos projetivos para avaliação psicológica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Von Hohendorff, J. & Melo, W. V. de. (2009). Compreensão da morte e desenvolvimento humano: contribuições à psicologia hospitalar. Estudo e Pesquisa em Psicologia [on line], v. 9, n. 2 [citado em 24 Outubro 2012]. Disponível na World Wide Web: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812009000200014&lng=pt&nrm=iso>.

Wottrich S. H. et al. (2009). Educação para a morte: aproximações sobre o tema em sala de aula. In Associação Brasileira de Psicologia Social (Org.), Anais do XV Encontro Nacional da Associação Brasileira de Psicologia Social, Maceió.