Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Meninas no Crack: Vulnerabilidades ao Uso e Dependência

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v5n2p126-132

https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/index 

downloadpdf

Desirê T. Pedroso1

  

Resumo: Uma das maiores problemáticas dos tempos atuais, a dependência química do crack, tem gerado além de danos físicos à saúde dos usuários, violência e miserabilidade no ambiente familiar, diversos problemas para toda a sociedade. Com este artigo, objetivou-se identificar as vulnerabilidades que levam as mulheres jovens, especificamente, à dependência química desta substância. Para tal fim, foi realizada pesquisa de cunho qualitativo através de entrevista semiestruturada, da análise de conteúdo das informações e de amostra de usuárias de crack por conveniência realizada em instituições de saúde. Foi possível com isso elaborar uma categorização dos fatores de risco que possam ter influenciado o abuso da droga. Conclusões. Observou-se que as vulnerabilidades iniciais deste grupo específico apresentam-se a partir das dificuldades e problemas vividos inicialmente na família, que, uma vez somados às experiências vividas nos diferentes contextos e, principalmente às situações especificas do sexo feminino, fazem com que certas mulheres sejam mais propícias à influência de fatores externos na busca do alívio e do prazer através do uso de drogas do que outras. Ainda foi possível verificar que o início do uso do crack pelo sexo feminino, não está ocorrendo apenas na adolescência, mas tem se iniciado também na fase adulta.

Palavras-chave: Vulnerabilidades. Fatores de risco. Família. Dependência de Crack. Mulheres jovens.

 

Abstract: One of the major health and social problems of today, the crack addiction, besides has generates physical damage to users' health, violence and misery in the family, many problems for whole society. Whit this article aims to identify vulnerabilities that lead young women, specifically, to be addicted to this substance. For this finality, a qualitative research was conducted through semi-structured interview, whit the technique of content analysis of information and with a sample of crack female users for convenience in healthcare institutions. It was possible whit this, the categorization of risk factors that may have influenced the drug abuse. Conclusions. It was observed the initial vulnerabilities of this specific group are presented from the difficulties and problems experienced first in the family, that once added to the lived experiences in different contexts and, specific situations mainly female, make some women more prone to the influence of external factors in the pursuit of pleasure and relief through the use of drugs than others. It was still possible verify that the onset crack use by female, is not starting only in adolescence, but has also started in adulthood.

Key words: Vulnerabilities. Risk Fators. Family. Crack Addiction. Young Women.

 

1 Psicóloga. Pós-graduanda em Gestão de Pessoas (MBA) na Faculdade Meridional – IMED, Passo Fundo – RS. E-mail: desipedroso@hotmail.com

 

Literatura Citada

Boni, R.; & Kessler, F. (2011). Tratamento. In: Prevenção ao uso indevido de drogas: Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD.

Buchele, F., & Cruz, D. D. de O.(2011). Aspectos socioculturais do uso do álcool e outras drogas e exemplos de projetos de prevenção. In: Prevenção ao uso indevido de drogas: Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD.

Carvalho, H. B. (2010). Epidemiologia. In: Seibel, S. D. Dependência de Drogas. 2 ed. São Paulo: Atheneu.

Duailibi, L. B., & cols. (2008). Perfil dos usuários de cocaína e crack no Brasil. Caderno de Saúde Pública.[on-line]. Disponível na World Wide Web:<http://www.abead.com.br/artigos/arquivos/perfil_usuario_coca-crack.pdf> Acessado em: 10/04/11.

Ferraz, V. (2010). A droga vai à escola? Dissertação da Escola Superior de Educação de Beja. Curso de Serviço Social. Disponível na World Wide Web:<http://www.cpihts.com/PDF%2006/Vanessa%20Ferraz.pdf>, acessado em 20/10/11.

Gontijo, D. T., & Medeiros, M. (2009). Crianças e adolescentes em situação de rua: contribuições para a compreensão dos processos de vulnerabilidade e desfiliação social. Revista Ciências e Saúde Coletiva [on-line], v.14, n2. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Brasil. Disponível na World Wide Web: < http://redalyc.uaemex.mx/pdf/630/63013532015.pdf>, acessado em 14/10/11.

Guimarães, A. B. P., & cols. (2009). Aspectos familiares de meninas adolescentes dependentes de álcool e drogas. Revista de Psiquiatria Clínica. [on-line]. São Paulo. Disponível na World Wide Web:<http://www.scielo.br/pdf/rpc/v36n2/05.pdf>, acessado em: 08/10/11.

Kessler, F., & Pechansky, F. (2008). Uma visão psiquiátrica sobre o fenômeno do crack na atualidade. Revista Psiquiátrica do Rio Grande do Sul[on-line]. Disponível na World Wide Web:<http://www.scielo.br/pdf/rprs/v30n2/v30n2a03.pdf>, acessado em: 04/05/11.

Lima, I. S., & cols. (2008). História oral de vida de adolescentes dependentes químicos internados no setor de psiquiatria do hospital regional de Mato Grosso do Sul para tratamento de desintoxicação. SMAD-. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas. (Ed. Port.) v.4 n.1 [on-line]. Ribeirão Preto. Disponível na World Wide Web: <http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=80340102>, acessado em: 18/05/2011.

Moura,Y. G., & cols.(2009) Redes sociais no contexto de uso de drogas entre crianças e adolescentes em situação de rua. Revista Psicologia em Pesquisa. [on-line] Disponível na World Wide Web: <http://www.ufjf.br/psicologiaempesquisa/files/2009/11/v3n1003.pdf>, acessado em: 10/10/11.

Mota, L. (2009). Dependência Química e representações sociais – Pecado Crime ou Doença?. Curitiba: Juruá. 2009. Disponível na World Wide Web: <http://www.jurua.com.br/bvf/conteudo.asp?pag=a&r=36104>, acessado em: 15/10/11.

Nappo, S. A. & cols. (2004). Comportamento de risco de mulheres usuárias de crack em relação às DST/AIDS. CEBRID – Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas, São Paulo.

Narvaez, J. C. M. (2010) Trauma Infantil e função executiva em usuários de crack. Dissertação de Pós-Graduação em Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Disponível na World Wide Web: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/25126/000752144.pdf?sequence=1>, acessado em 15/10/11.

Neiva-Silva, L. (2008). Uso de drogas entre crianças e adolescentes em situação de rua: um estudo longitudinal. Tese de doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, UFRGS. Disponível na World Wide Web: <http://www.mpu.furg.br/cd2010/cic/1698.doc>, acessado em: 14/10/11.

OMS - Grupo Consultivo da Organização Mundial da Saúde (1989). “Problemas de toxicodependência e de alcoolismo – Manual destinado a operadores comunitários de saúde com linhas de orientação para monitores”. Organização Mundial de saúde Genebra, Lisboa.

Oliveira, J. F. & cols. (2007). A interferência do contexto assistencial na visibilidade do consumo de drogas por mulheres. Revista Latinoamericana de Enfermagem. Disponível na World Wide Web:<http://www.eerp.usp.br/rlae>, acessado em 14/04/11.

Pacheco, A. L. P. (2007). O feminino e as drogas na atualidade. Mental. Disponível na World Wide Web: <http://www.http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1679-44272007000200004&script=sci_arttext>, acessado em: 25/03/11.

Pimentel, E. (2008). Amor bandido: as teias afetivas que envolvem a mulher no tráfico de drogas. VI Congresso português de sociologia, Universidade Nova de Lisboa. Disponível na World Wide Web: <http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/708.pdf>, acessado em: 04/04/11.

Rocha, A. P. R.; Garcia, C. A. (2008). A adolescência como ideal cultural contemporâneo. Psicologia ciência e profissão. Disponível na World Wide Web: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932008000300014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>, acessado em 05/10/11.

Rodrigues, A. A. & cols. (2011). Trabalho infantil: fator de risco para a violência e para o uso de álcool e outras drogas. In: Prevenção ao uso indevido de drogas: Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD.

Strauch, E. S., & cols. (2009). Uso de álcool por adolescentes: estudo de base populacional. Revista de Saúde Pública. 2009; 43(4):647-55. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S19814472011000200021&script=sci_arttext>, acessado em 10/10/2011.

Zemel, M. L. S. (2011). Prevenção – novas formas de pensar e enfrentar o problema. In: Prevenção ao uso indevido de drogas: Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD.