Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Mundo se Despedaça: Poder e Desintegração

DOI: http://dx.doi.org/10.18304/1984-6614/scripta.alumni.n11p69-82

http://www.uniandrade.br/revista-scripta-alumni.php 

downloadpdf

Elidete Z. Hofius1

  

Resumo: Este artigo analisa o romance O mundo se despedaça, de Chinua Achebe, como exemplo da resistência de uma comunidade ibo, povo ancestral do autor, à invasão do homem branco. Discute-se inicialmente a pressuposta inferioridade do colonizado, reduzido à posição de “outro” incapaz de assumir o necessário papel do “eu”, na relação com o colonizador, demonstrada por Frantz Fanon, em Pele negra, máscaras brancas, e retomada por estudos de Thomas Bonnici. Para questionar essa premissa, analisam-se aspectos da sabedoria do povo ibo, revelada nos provérbios que traduzem sua visão de mundo e relação com o transcendente, como pano de fundo para a luta feroz de Okonkwo, o personagem central, na tentativa de preservar as tradições e a integridade de seu povo.

Palavras-chave: Colonialismo. Conflito. Resistência. O mundo se despedaça.

 

Abstract: This article analyzes Chinua Achebe’s novel Things fall apart as an example of the resistance of an ibo community, the author’s ancestral people, against the invasion of the white man. The starting point is a discussion of the supposed inferiority of the colonized man as the “other” who is not allowed to figure as “self” in the colonizercolonized relationship, as shown by Frantz Fanon in Black Skin, White Masks, and discussed subsequently by Thomas Bonnici. In order to question that premise this work analyzes examples of the ibo natural wisdom as revealed by their use of proverbs, which signal their transcendent view of the universe, as a background to the protagonist’s, Okonkwo’s, fierce attempt to preserve his people´s traditions and integrity.

Key words: Colonialism. Conflict. Resistance. Things fall apart.

 

1 Mestranda do Curso de Teoria Literária do Centro Universitário Campos de Andrade. E-mail: hofiuselidete@gmail.com

 

Literatura Citada

ACHEBE, C. O mundo se despedaça. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ASHCROFT, B.; GRIFFITHS, G.; TIFFIN, H. The Empire writes back. Theory and Practice in Post-Colonial Literatures. London and New York: Routledge, 1989.

AZEVEDO, M. M. de. Em busca de raízes geográficas e espirituais: o sujeito diaspórico no século XXI. In: FERNANDES, G. M. Para além dos pós-colonialismos e dos pósnacionalismos. São José do Rio Preto: HN & Publieditorial, 2012, p. 127-148.

BONNICI, T. Introdução ao estudo das literaturas pós-coloniais. Mimesis, v. 19, n. 1, Bauru, 1998, p. 7-23.

BONNICI, T. Teoria e crítica pós-colonialistas. In: BONNICI, T.; ZOLIN, L. O. (Orgs.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: Eduem, 2009, p. 257-286.

EXAME. Morreu Chinua Achebe, pai da literatura moderna africana. Disponível em: <http://exame.abril.com.br>. Acesso em: 29 mar. 2013.

ESTADO DE SÃO PAULO. Morre o escritor nigeriano Chinua Achebe. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer>. Acesso em: 29 mar. 2013.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2008.

LEVINSON, S. Pragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. Tradução de Cecília P. de Souza e Silva e Décio Rocha. São Paulo: Cortez, 2002.

MOISÉS, M. Dicionário de termos literários. São Paulo, Cultrix, 2004.

NANDY, A. The intimate enemy: Loss and recovery of the self under Colonialism. Delhi: Oxford, 1983.