Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Resistência da Madeira de Canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.) Taub.) ao PSF e a Umidade de Equilíbrio

DOI: http://dx.doi.org/10.12953/2177-6830.v01n01a02

http://www.ufpel.tche.br/revistas/index.php/cienciadamadeira/index 

downloadpdf

Magnos A. Vivian1, Karina S. Modes1, Rafael Beltrame1, Weslley C. Morais1, Joel T. de Souza2, Wagner G. Machado2, Elio J. Santini3 & Clovis R. Haselein4

 

Resumo: O objetivo deste trabalho foi determinar a resistência mecânica da madeira de Peltophorum dubium (Spreng.) Taub. ao ponto de saturação das fibras (PSF≈30%) e a umidade de equilíbrio (TUeq≈12%), buscando correlacionar e estabelecer modelos de equações que expliquem essas características. Para isso, foram amostradas seis árvores, onde a partir das posições 0,30 m até 1,30 m confeccionou-se os materiais para a realização dos testes mecânicos de resistência ao impacto e flexão estática com dimensões de 2,0 x 2,0 x 30,0 cm. Por meio dos resultados obtidos na resistência ao impacto observa-se que os valores médios de W, K e CD da madeira ao PSF foram maiores que ao TUeq, em 1,94, 1,82 e 1,36 vezes, respectivamente, já na flexão estática os valores médios de MOE e MOR da madeira ao TUeq foram maiores que ao PSF, em aproximadamente 1,27 e 1,45 vezes, respectivamente. A resistência mecânica da madeira de canafístula seguiu a tendência encontrada para outras espécies, nas quais a resistência ao impacto e a flexão estática, aumentam e diminuem com o acréscimo de umidade da madeira. Ambos os ensaios apresentaram relação significativa com a massa específica para o PSF e ao TUeq, indicando que é possível prever seu comportamento com base nessa variável.

Palavras-chave: propriedades mecânicas, resistência ao impacto, flexão estática, umidade da madeira

 

Abstract: The objective of this study was to determine the mechanical strength of Peltophorum dubium (Spreng.) Taub. wood the fiber saturation point (FSP≈30%) and equilibrium moisture content (TUeq≈12%), trying to correlate and establish models of equations that explain these characteristics. For this, we sampled six trees, where the positions from 0,30 m to 1,30 m concocted in the materials for the testing of mechanical impact resistance and static bending, with dimensions of 2,0 x 2,0 x 30,0 cm. The results obtained in the impact resistance can see that the values of W, K, and the CD timber FSP were higher than the TUeq in 1,94, 1,82 and 1,36 times, respectively, since the static bending mean values of MOE and MOR of wood to TUeq were larger than the FSP, at about 1,27 and 1,45 times, respectively. The mechanical strength of canafístula wood followed the trend found for other species, in which the impact resistance and static bending, rise and fall with the addition of moisture from the wood, respectively. Both trials showed a significant relationship with density for the FSP and the TUeq, indicating that it is possible to predict their behavior based on this variable.

Key words: mechanics properties, impact resistance, static bending, moisture of wood

 

1 Engenheiro Florestal, Mestrando em Engenharia Florestal, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria. Av. Roraima, 1000, CEP 97105-900, Santa Maria (RS). E-mail: magnosalan@yahoo.com.br; ksmodes@gmail.com; browbeltrame@yahoo.com.br
2 Acadêmico do Curso de Engenharia Florestal, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria. Av. Roraima, 1000, CEP 97105-900, Santa Maria (RS). E-mail: joeltelles@hotmail.com; wagnerwgm1@hotmail.com
3 Engenheiro Florestal, Dr., Prof. Associado do Departamento de Ciências Florestais, Universidade Federal de Santa Maria. Av. Roraima, 1000, CEP 97105-900, Santa Maria (RS). E-mail: ejsantini@gmail.com
4 Engenheiro Florestal, Dr., Prof. Associado do Departamento de Ciências Florestais, Universidade Federal de Santa Maria. Av. Roraima, 1000, CEP 97105-900, Santa Maria (RS). E-mail: clovis.haselein@pq.cnpq.br

 

Literatura Citada

AFN (L´A Association Francaise de Normalization).1942. Norme Francaise, bois essai de choc ou flexion dynamique. NF B51-009. Paris.

BODIG, J.; JAYNE, B.A. Mechanics of wood and wood composites. New York: Van Nostrand Reinhold Company, 1982. 712p.

CARVALHO, A. “Madeiras Portuguesas - Estrutura Anatômica, Propriedades, Utilizações”. Vol. I. Instituto Florestal, 1996, 340 p.

COMISIÓN PANAMERICANA DE NORMAS TÉCNICAS. Maderas: método de determinación de flexión estática. 30: 1- 006. COPANT, 1972.

DE PAULA, E. V. C. M. et al. Propriedades mecânicas de trinta e nove espécies de madeiras no Amazonas. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 2, São Carlos, 1986. Anais... São Carlos: USP, EESC, SET, LaMEM, v.1, 1986.

DIAS, F. M.; LAHR, F. A. R. Estimativa de propriedades de resistência e rigidez da madeira através da densidade aparente. Scientia Florestalis, n. 65, p. 102 a 113, 2004.

FREITAS, A. Potencial de utilização de madeiras em construções. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS, 1982. São Paulo. Anais... São Paulo: IPT, p. 1459, 1982.

GREEN, D. W.; EVANS, J. W.; PELLERIN, R. Moisture content and the flexural properties of lumber: species differences. In: INTERNATIONAL TIMBER ENGINEERING CONFERENCE, London. Proceedings. London, England, 1991.

HASELEIN, C. R. et al. Propriedades de flexão estática da madeira úmida e a 12% de umidade de um clone de Eucalyptus saligna Smith sob o efeito do espaçamento e da adubação. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 2, p. 147-152, 2002.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. Fichas de características das madeiras brasileiras. São Paulo, 418 p, 1989.

KRECH, H. (1960). Gröβe und zeitlicher Ablauf von Kraft und Durchbiegung beim Schlagbiegeversuch na Holz und ihr Zusammenhang mit der Bruchschlagarbeit, 1960.

LIMA, J. T.; DELLA LUCIA, R. M.; VITAL, B. R. Influência do teor de umidade nas propriedades mecânicas da madeira de Eucalyptus saligna Smith. Revista Árvore, v. 10, n. 1, p. 27-43, 1986.

MADSEN, B. Structural behaviour of timber. North Vancouver, British Columbia. Canada, Timber Engineering Ltd, 1992.

MATTEI, V. L; ROSENTHAL, M. D. Semeadura direta de canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.) Taub. no enriquecimento de capoeiras. Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 6, nov. – dez, p.649-654, 2002.

MORESCHI, J. C. Propriedades Tecnológicas da Madeira. Curitiba, Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal, Setor de Ciências Agrárias/UFPR, 168 p, 2005.

OKINO, E. Y. A. et al. Descrição dos caracteres tecnológicos da madeira de Cupressus glauca Lam. Scientia Florestalis, n. 72, p. 39-48, dez, 2006.

PEDROSO, O.; MATTOS, J. R. Estudo sobre madeiras do Rio Grande do Sul. Instituto de Pesquisas de Recursos Naturais Ataliba Paz, Porto Alegre, RS, 181p. 1987.

SOUZA, J. T.; MACHADO, W.; BELTRAME, R.; MODES, K.; VIVIAN, M. A.; HASELEIN,C. R. Estudo do comportamento da flexão dinâmica em função da massa específica da madeira de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze. In: XVIII Congresso de Iniciação Científica, o XI Encontro de Pós-Graduação, 2009, UFPel. Anais... Pelotas, RS, 2009.

ZHANG, S. Y. Mechanical properties in relation to specific gravity in 342 Chinese Woods. Wood and fiber science, v.26, n.4, p. 512-526, 1994.