Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Adequação da Metodologia do Teste de Condutividade Elétrica para Sementes de Triticale

DOI: http://dx.doi.org/10.18188/1983-1471/sap.v12n4p267-274

http://e-revista.unioeste.br/index.php/scientiaagraria/index 

downloadpdf

Bruna A. da Silva1, José L. Nogueira2, Tereza C. de Carvalho3* & Maristela Panobianco4

 

Resumo: O triticale destaca-se entre os cereais por apresentar alto potencial produtivo, mesmo em condições de déficit hídrico e de acidez do solo. Apesar da importância da cultura, há escassez de protocolos para o monitoramento do potencial fisiológico das sementes. Objetivou-se adequar a metodologia do teste de condutividade elétrica para avaliação do vigor de sementes de triticale. Selecionaram-se quatro lotes de sementes de triticale, cultivar IPR 111, sendo estudadas as seguintes variáveis do teste de condutividade elétrica: duas quantidades de sementes (50 e 100); dois volumes de embebição (75 e 100 mL); cinco períodos de embebição: 4, 8, 16, 20 e 24 h, mantendo-se fixa a temperatura de 20 ºC. Paralelamente, realizaram-se a determinação do grau de umidade das sementes e a condução dos testes de germinação e de emergência de plântulas em campo. Conclui-se que o teste de condutividade elétrica é promissor para avaliação de sementes de triticale, mediante utilização das seguintes metodologias: 50 sementes embebidas em 100 mL de água deionizada, a 20 ºC, por 24 h; ou 100 sementes embebidas em 75 mL de água deionizada, a 20 ºC, por 24 h.

Palavras-chaves: lixiviação, qualidade fisiológica.

 

Abstract: Triticale stands out among the cereals for its high yield potential, even in conditions of drought and soil acidity. Despite the importance of this crop, there are few protocols for monitoring the physiological potential of seeds. This study aimed to adapt the methodology of the electrical conductivity test to evaluate the vigor of triticale. We selected four lots of triticale seeds, cultivar ‘IPR 111’, and studied the following variables of the electrical conductivity test: two quantities of seeds (50 and 100); two volumes of imbibition (75 and 100 mL); and five soaking periods: 4, 8, 16, 20 and 24 h, maintaining the temperature at 20 ºC. Simultaneously, we determined the moisture content of the seeds and conducted tests of germination and seedling emergence in the field. We concluded that the electrical conductivity test is promising for the evaluation of triticale seeds, by using the following methodologies: 50 seeds soaked in 100 mL of deionized water at 20 ºC for 24 hours; or 100 seeds soaked in 75 mL of deionized water at 20 ºC for 24 hours.

Key words  : leaching, physiological quality.

 

1 Acadêmico do curso de Engenharia Agronômica, UFPR, bolsista do PROBEM. E-mail: bruna_ariane2@hotmail.com
2 Acadêmico do curso de Engenharia Agronômica, UFPR, bolsista do PROBEM. E-mail: pdanogueira@yahoo.com.br
3 Eng Agr., M.Sc., Doutoranda em Agronomia – Produção Vegetal, UFPR, Curitiba/PR. Bolsista da CAPES. E-mail: tcdcarva@gmail.com.*Autor para correspondência
4 Professora Adjunto, Depto. de Fitotecnia e Fitossanitarismo, Universidade Federal do Paraná, R. dos Funcionários, 1540, CEP 80035-050, Curitiba/PR. E-mail: maristela@ufpr.br

 

Literatura Citada

ARAUJO, R.F.; ZONTA, J.B.; ARAUJO, E.F.; HEBERLE, E.; ZONTA, F.M.G. Teste de condutividade elétrica para sementes de feijão-mungo-verde. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v.33, n.1 p.23-30, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbs/v33n1/14.pdf. Acesso em: 24 de abril de 2012.

BARBOSA, R.M.; SILVA, C.B.; MEDEIROS, M.A.; CENTURIOM, M.A.P.C.; VIEIRA, R.D. Condutividade elétrica em função do teor de água inicial de sementes de amendoim. Ciência Rural, Santa Maria, v.42, n.1, p.45-51, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cr/v42n1/a0812cr4615.pdf

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009, 399p.

DIAS, D.C.F.S.; MARCOS FILHO, J. Testes de condutividade elétrica para avaliação do vigor de sementes de soja (Glycine max (L.) Merrill). Scientia Agricola, Piracicaba, v.53, n.1, p.3142, 1996. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-90161996000100005&script=sci_arttext. Acesso em: 13 de abril de 2012.

GONELI, A.L.D.; CORRÊA, P.C.; RESENDE, O.; REIS NETO, S.A. Electrical conductivity for quality evaluation of popcorn kernels subjected to mechanical damage. Biosystems Engineering, Kidlington, v.96, n.3, p.361-367, 2007. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1537511006003370. Acesso em: 17 de maio de 2012.

HAMPTON, J.G.; TEKRONY, D.M. Controlled deterioration test. In: HAMPTON AND TEKRONY (ed). Handbook of vigour test methods. Zurich: ISTA, p. 70-78, 1995.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatística da produção agrícola. Março, 2012. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa/estProdAgr_201203.pdf. Acesso em: 19 de abril de 2012.

ILBI, H.; KAVAK, S.; ESER, B. Cool germination test can be an alternative vigour test for maize. Seed Science and Technology, Zurich, v.37, n.2, p.516-519, 2009.

LOPES, R.R.; FRANKE, L.B. Teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de azevém (Lolium multiflorum L.). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v.32, n.1, p.123-130, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbs/v32n1/v32n1a14.pdf. Acesso em: 12 de abril de 2012.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495p. (Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz).

MARCOS FILHO, J.; NOVEMBRE, A.D.L.C. Avaliação do potencial fisiológico de sementes de hortaliças. In: NASCIMENTO, W.M. (Ed.). Tecnologia de sementes de hortaliças. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças, 2009. p.185-246.

MENEZES, N.L.; GARCIA, D.C.; BAHRY, C.A.; MATTIONI, N.M. Teste de condutividade elétrica em aveia preta. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v.29, n.2, p.138-142, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010131222007000200019. Acesso em: 16 de março de 2012.

NASCIMENTO JUNIOR, A.; AMABILE, R. F.; YAMANAKA, C. H.; RIBEIRO JUNIOR, W. Q.; ALBRECHT, J.C.; SILVA, M.S.; BIANCHIN, V.; CAIERÃO, E.; SCHEEREN, P. L. Desempenho de genótipos de triticale no Brasil central. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2008. 14p. (Boletim de Pesquisa, Embrapa Trigo). Disponível em: http://www.cnpt.embrapa.br/biblio/bp/p_bp58.htm. Acesso em: 11 de abril de 2012.

NERY, M.C.; CARVALHO, M.L.M.; GUIMARÃES, R.M.. Testes de vigor para avaliação da qualidade de sementes de nabo forrageiro. Informativo Abrates, Londrina, v.19, n.1, p.9-20, 2009. Disponível em: http://www.abrates.org.br/portal/images/stories/informativos/v19n1/artigo04.pdf. Acesso em: 17 de maio de 2012.

RAKHA, A.; ÅMAN, P.; ANDERSSON, R. Dietary fiber in triticale grain: Variation in content, composition, and molecular weight distribution of extractable components. Journal of Cereal Science, Londres, v.54, p.324-331, 2011. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0733521011001184. Acesso em: 17 de maio de 2012.

SANTOS, J.F.; ALVARENGA, R.O.; TIMÓTEO, T.S.; CONFORTO, E.C.; MARCOS FILHO, J.; VIEIRA, R.D. Avaliação do potencial fisiológico de lotes de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v.33, n.4, p.743-751, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-31222011000400016&script=sci_arttext

SCHUAB, S.R.P.; BRACCINI, A.L.B.; FRANÇA NETO, J.B.; SCAPIM, C.A.; MESCHEDE, D.K. Potencial fisiológico de sementes de soja e sua relação com a emergência das plântulas em campo. Acta Scientiarum. Agronomy, Maringá, v.28, n.4, p.553-561, 2006.

SILVA, F.A.S. Sistema de Assistência Estatística – ASSISTAT versão 7.6 beta. Departamento de Engenharia Agrícola (DEAG) do CTRN da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, Campina Grande – PB, 2008. Disponível em: http://www.assistat.com/. Acesso em: 25 de março de 2012.

SILVA, L.B.; MARTINS, C.C. Teste de condutividade elétrica para sementes de mamoneira. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v.30, n.1, p.1043-1050, 2009. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/view/4640/3946. Acesso em: 17 de maio de 2012.

VIEIRA, R.D.; KRZYZANOWSKI, F.C. Teste de condutividade elétrica. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA NETO, J.B. (eds). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina-PR. ABRATES. p.1-26, 1999.

VIEIRA, R.D.; PENARIOL, A.L.; PERECIN, D.; PANOBIANCO, M. Condutividade elétrica e teor de água inicial das sementes de soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.37, n.9, p.1333-1338, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pab/v37n9/13209.pdf. Acesso em: 11 de abril de 2012.