Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Entre a Ação Política das Mulheres e a Participação das Mulheres na Política: O que Estamos Negligenciando?1

DOI: http://dx.doi.org/10.18351/2179-7137/ged.2015n1p36-60

http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ged/index 

downloadpdf

Samantha Buglione2 & Bruna Anziliero3

 

Resumo: O presente estudo analisa a participação política das mulheres a partir de uma distinção entre ação política e participação na política. O primeiro sentido, o de ação política, está, neste estudo, vinculado a autores como Maquiavel, Arendt e Agamben, enquanto o segundo, o de participação na política, vincula-se e destaca o locus da concepção aristotélica e a estatização que ocorreu na modernidade. Para realizar a pesquisa fizemos um levantamento junto às duas revistas acadêmicas mais antigas de gênero e feminismo no Brasil: Cadernos PAGU e Revista Estudos Feministas. O marco teórico é o conceito de política como liberdade. Por essa razão, tanto o ato quanto a ação política, estariam para além da participação em governos, estados, instituições e movimentos. A hipótese é que ao se adotar o conceito de ação política como exclusiva participação em instituições e governos se está, não apenas a reforçar a política como algo pertencente a um lugar (locus), mas a limitar o sentido radical de arte política. Entre as conclusões observa-se que a construção teórica brasileira, ao menos o que foi publicado em revistas confessamente feministas e de gênero, nos últimos quinze anos, não contemplou outros matizes de atos e ações políticas, limitando-se a conceber a participação e ação política das mulheres como participação em instâncias de governos ou instituições. Apesar dos avanços em se politizar questões tradicionalmente vistas como não políticas, a exemplo da reprodução e sexualidade e da violência doméstica, a participação das mulheres, mesmo nestes temas, só é vista como política se ocorre dentro dos padrões tradicionais de um locus previamente eleito como legítimo. Observa-se que o sentido da arte política não foi revisitado. Por esta perspectiva tradicional, política assume um papel heterônomo e mediado e não autônomo. Mantém-se, assim, a política como algo de um locus: a polis; só que agora uma polis secular, estatizada e jurisdicizada e perde-se, com isso, a percepção da política como uma capacidade dos sujeitos, ou seja, como liberdade e arte.

Palavras-chave: participação na política; ação política, mulher, democracia

 

Abstract: This study analysis political participation of women while drawing a distinction between political participation and political action. The former, that of political action, is in this study related to the writings by Machiavelli, Arendt and Agamben. The later, that of participation in politics, is related to and highlights the idea of locus (or perspective) conceived by Aristotle and modern day move towards the state. To obtain our figures we conducted surveys with the oldest academic genre and feminism magazines in Brazil: Cadernos PAGU and Revista Estudos Feministas. The theoretical framework chosen is the concept of politics as liberty. Due to this political acts just as political action would fall outside participation in government, states, institutions and movements. The hypothesis is that while adopting the concept of political action to mean exclusively the participation in institutions and government, we are in fact not  only reinforcing the idea that politics issomething that belongs within a given place (locus) but it also limits the radical meaning within political art. In the conclusions we notice that the Brazilian theoretical construct, as least as far as it appeared in expressly feminist and genre publications these last 15 years, did not take into account other shades of political participation and actions. They limited themselves to taking into account the political participation of women in institutions and government bodies. Inspite of the advances in bringing into the political arena matters that are traditionally seen to be as non political (for example sexuality and domestic violence), women’s participation, even in these subjects is only seen as legitimately political should it happen within the traditional framework of a previously elected locus. We have noted that the meaning of political art has not been revised. Through this traditional perspective, politics adopts diverse and mediatory roles but not an autonomous one. In this way politics remains as part of a locus: the polis; only now a secular polis, which gravitates towards the state and in this way legalised, politics loses its dimension as an individual’s legal capacity, in other words as liberty and art.

Key words: participation in politics, political action, women, democracy.

 

1 Este estudo não está vinculado a grupo de pesquisa ou obteve financiamento de agencias de fomento. Resulta, exclusivamente, do interesse e tempo das suas autoras.
2 Doutora em ciências humanas, mestre em direito, professora de ética e filosofia do direito, atualmente estuda Goethe e o Mal. E-mail: buglione.s@gmail.com
3 Advogada, administradora pública, pós-graduanda em processo civil. E-mail: brunaanz@gmail.com

 

Literatura Citada

AGAMBEN, Giorgio (2014). Uma cidadania reduzida a dados biométricos. In: Le Monde Diplomatique Brasil.Consultado em 21/03/2014 em http://diplomatique.org.br/artigo.php?id=1568.

AGAMBEN, Giorgio (2005). A imanência absoluta. In: La potenza del pensiero. Saggi e conferenze. Vicenza: Néri Pozza Editore.

ARENDT, Hannah. (1993). La Condicion Humana. Barcelona: Paidos Estado y Sociedade.

ARENDT, Hannah. (1999). Eischmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. Tradução José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras.

ARENDT, Hannah. (2002) O que é o político. Tradução Reinaldo Guarany. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

ASSMANN, Selvino José; PICH, Santiago;

GOMES, Ivan Marcelo; VAZ, Alexandre Fernandez. Corpo e Biopolítica: poder sobre a vida e poder da vida. In: XV Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte / II Congresso Internacional de Ciências do Esporte, 2007, Recife. Anais do XV CONBRACE E II CONICE. Recife : EDUPE, 2007a. p. 1-10.

BARROS, Raissa Ester Maia de; SANTOS, Filipe Lins dos. O Discurso de Construção do Eu feminino e sua Interrelação com o campo político. In: XI Colóquio Nacional de Gênero e Sexualidade. Campina Grande, Paraíba, 2015.

BEUCHOT, Mauricio. (1999) Derechos Humanos. História y Filosofia. México: BEFDP.

BOBBIO, Norberto. (2000) Teoria Geral da Política. A Filosofia Política e as Lições dos Clássicos. Organizado por Michelangelo Bovero. Tradução Daniela Beccaccia Versiani. 12ª reimp. Rio de Janeiro: Elsevier.

BORBA, Julian. (2007) Ciência Política. Florianópolis: Departamento de Ciencia da Administração. UFSC, 134p.

BORBA, Julian; RIBEIRO, Ednaldo Aparecido. Participação convencional e não convencional na América Latina. Revista Latino-Americana de Opinión Pública, v. 1, p. 53-76, 2010.

COTTA, Maurizio; DELLA PORTA, Donatella, MORLINO, Leonardo. (2004) Fondamenti di scienza política. Nuova Ed. Bologna: Società editrice Il Mulino.

DAHL, Robert. (2001) Sobre a democracia. Tradução Beatriz Sidou. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

FOUCAULT, Michel. (1999). Aula de 17 de março de 1976. In: Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes.

GIMENES, Éder Rodrigo; RIBEIRO, Ednaldo A. Banco de dados. (2012) Cultura política e elites não estatais. São Paulo: Consórcio de Informações Sociais.

INGLEHART, R. (1988). The Renaissance of Political Culture. American Political Science Review, Washington, D. C., v. 82, n. 4, p. 1203- 1229, Dec. http://dx.doi.org/10.2307/1961756

LARA, Bethania Zilio; COSTA, Jean Gabriel Castro da. (2013). Agnonismo e Pluralidade no Pensamento de Hannah Arendt. 37º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS SPG09 Tolerância e Justiça Social.

LAZZARATO, Maurízio. Del Biopoder a la biopolítica. In: Multitudes, mars 2000. Consultado em 26/02/2007 em http://multitudes.samizdat.net/spip.php?article298.

LAZZARATO, Maurízio. Para uma definição de “biopolítica”. Centro de mídia independente. Tradução Eliana Aguiar. Consultado em 10/09/2003 em http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2003/09/262958.html.10/09/2003.

LESSA, Renato. (2010). O capo da ciência política no Brasil: uma aproximação construtivista. In: Horizontes das Ciências Sociais no Brasil - Ciência Política.

MARTINS, Carlos Benedito; LESSA, Renato. São Paulo: ANPOCS, p. 13-50.

LUCHMANN, Lígia Helena Hahn. (2011). Associações, participação e representação: combinações e tensões. Lua Nova, São Paulo, n.84,p.141-174.

MAQUIAVEL, Nicolau (2007). Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. São Paulo: Martins Fontes.

MCORMICK, John P. (2001). Machiavellian Democracy: Controlling Elites with Ferocious Populism. American Political Science Review, vol. 95, no. 2. http://dx.doi.org/10.1017/S0003055401002027

MILBRATH, L.; GOEL, M. L. (1965) Political participation. Boston: University Press of America.

NIETZSCHE, Friedrich. (1992). Além do Bem e do Mal. Prelúdio a uma Filosofia do Futuro. São Paulo: Companhia das Letras.

PILLA, Maria Cecília Barreto Amorim. (2008). Labores, quitutes e panelas: em busca do lar ideal. In: Cadernos PAGU vol. 30:329-343.

RAWLS, John. (2000). O Liberalismo Político. Tradução Dinah de Abreu Azevedo. 2. ed. São Paulo: Ática.