Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Resistência das Mulheres ao “Projeto da Morte”: Uma Análise Acerca da Possível Autonomia Feminina da Chapada do Apodi/RN

DOI: http://dx.doi.org/10.18351/2179-7137/ged.2015n1p166-187

http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ged/index 

downloadpdf

Gilmar Fonsêca Júnior¹ & Jaqueline D. de O. Brasil²

 

Resumo: Este texto apresenta um estudo acerca da resistência popular, que acontece ao Projeto de Irrigação Santa Cruz do Apodi, uma alternativa idealizada pelo Departamento Nacional de Obras Contra a Seca, na Chapada do Apodi – local de agricultura familiar. A resistência acontece por parte das camponesas e camponeses, em decorrência das inúmeras violações aos direitos humanos, sociais, culturais, patrimoniais e ambientais. Para tanto, a abordagem da pesquisa será concentrada na resistência feminina, que possui grande importância, ao promover a igualdade de gêneros por meio do trabalho que fazem na região. Tal atitude reflete na participação ativa na luta contra o projeto, denominado pelos resistentes de “Projeto da Morte”, uma vez que ele será responsável por destruir a base agroecológica e sustentável que lá predomina. O objetivo geral do presente estudo é verificar e analisar a possível autonomia das mulheres na luta dos agricultores contra o referido projeto, enquanto que a metodologia utilizada se pauta em referências bibliográficas, bem como em entrevistas, que constituíram a coleta de dados. A conclusão obtida, frente à hipótese inicial de que havia autonomia feminina, comprovou a existência da mesma, como ação coletiva de trabalhadoras rurais camponesas ao referido projeto, desconstruindo as opressões de gênero que possam haver em suas comunidades.

Palavras-chave: Conflito Socioambiental. Autonomia Feminina. Perímetro Irrigado. Agronegócio. Agroecologia.

 

Abstract: This text presents a study about a popular resistance, that takes place in Projeto de Irrigação Santa Cruz do Apodi, an alternative project idealized by the Departamento Nacional de Obras Contra a Seca, in Chapada do Apodi – place of family-based agriculture. The resistance happens on the part of female and male peasants, generated by many violations to human, social, cultural, patrimonial and ambiental rights. For this purpose, the approach of the research will be concentrated in the feminine resistance, that has a huge importance, promoting gender equality by means of the activities they develop in the region. This attitude reflects in the active participation on the fight against the project, denominated by resistants “Projeto da Morte”, since it is going to be responsible for destroying the environmental and sustainable base that predominates there. The general purpose of the present study is to verify and analyze a possible autonomy of women in the fight of the peasants against the project pointed, while the methodology used is guided by bibliographical references, as well as interviews, that made up all the collected data. The conclusion obtained, facing the initial hypothesis that there was female autonomy, proved the existence of that, as a collective of female rural workers to that project, deconstructing the gender oppressions that might exist in their communities.

Key Words: Environmental conflict. Female autonomy. Irrigated perimeter. Agribusiness. Agroecology.

 

1 Graduando em Direito pela Universidade Potiguar – Campus Mossoró.
2 Graduanda em Direito pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – Campus Mossoró.

 

Literatura Citada

ALMEIDA, Lize Vicente de. O vestido e a enxada: a participação feminina no trabalho rural. Departamento de Serviço Social/PUC – Rio, 2006.

BRASIL. Decreto S/Nº 0-001, de 10 de junho de 2011. Declaração de utilidade pública, para fins de desapropriação, peloDepartamento Nacional de Obras Contra a Seca – DNOCS, a área da terra que menciona, localizada no Município de Apodi, no Estado do Rio Grande do Norte. Diário Oficial da União. Brasília/DF, 10 de jun. de 2011.

BRASIL. Departamento Nacional de Obras Contra a Seca – DNOCS. Projeto de Irrigação Santa Cruz do Apodi será um marco para o desenvolvimento da região. 2012. Disponível em:<http://www.dnocs.gov.br/php/comunicacao/noticias.php?f_registro=2721&f_opcao=imprimir&p_view=short&f_header=1&>. Acesso em: 21 de set. de 2014.

BRASIL. Departamento Nacional de Obras Contra a Seca – DNOCS. Relatório de Impacto Ambiental – RIMA referente à implantação do Projeto de Irrigação Santa Cruz do Apodi, situado nos municípios de Apodi e Felipe Guerra, no Estado do Rio Grande do Norte. Acquatool Consultoria, 2009.

CANUTO, Antônio; LUZ, Cássia Regina da Silva; WICHINIESKI, Isolete (Org.). Conflitos no Campo Brasil 2011. CPT Nacional Brasil: Goiânia, 2012. 182p.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A. Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

COSTA, João Bosco Araújo da. Desenvolvimento local e governança democrática: uma avaliação da gestão de Grossos. In: Costa, João Bosco Araújo da e Coelho, Maria Ivonete Soares (Org.). Desenvolvimento e políticas públicas no Oeste Potiguar: avaliações. Editora UERN, Mossoró, 2010.

DANTAS, Conceição. Mulher, desenvolvimento e socialização do trabalho doméstico: considerações sobre os grupos produtivos de mulheres da região oeste potiguar. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN.

DELGADO, G. C. A questão agrária e o agronegócio no Brasil. In: CARTER, M. (Org.). Combatendo a desigualdade social: o MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

DOSSIÊ-DENÚNCIA. Projeto da Morte: Projeto de Irrigação Santa Cruz do Apodi. Mossoró, 2012.

FOLBRE, Nancy. Medir los cuidados: género, empoderamiento e la economia de los cuidados. In: BORDERÍAS, Cristina; CARRASCO, Cristina; TORNS, Teresa (Org.). El trabajo de cuidados: história, teoría y políticas. Madrid: Catarata, 2011. Cap. 8, p. 278-304.

FREITAS, BMC. Marcas da modernização da agricultura do perímetro Irrigado Jaguaribe-Apodi: uma face da atual reestruturação socioespacial do Ceará (Dissertação). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produto Interno Bruto – PIB. Apodi/RN. 2009. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=21&z=p&o=39&i=P>. Acesso em: 20 de set. de 2014. KERGOAT, Daniele. Divisão Sexual do Trabalho. In: HIDRATA, Helena et al. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

MEDEIROS, João Paulo Vale de. Vida e morte no campo: o perímetro irrigado de Santa Cruz do Apodi/RN. In: Canuto, Antonio; Luz, Cássia Regina da Silva; Lazzarin, Flávio (Org.). Conflitos no Campo – Brasil 2013. CPT Nacional. Goiânia, 2013.

NAVARRO, Zander. O MST e a canonização da ação coletiva. In: Boaventura de Sousa Santos. Produzir para Viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

PONTES, Andrezza Graziela Veríssimo. Saúde do Trabalhador e saúde ambiental: articulando universidade, SUS e movimentos sociais em território rural. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva). Universidade Federal do Ceará – UFC, 2012, 263 f.

RIGOTTO, R. M.; MARINHO, A. M. C. P.; ELLERY, A. E. L.; SAMPAIO, J. L. F.; TUPINAMBA, S. V. Da primavera silenciosa às primaveras silenciadas: conflitos socioambientais no agronegócio da fruticultura e agrotóxicos no Baixo Jaguaribe. In: ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. (Org.). Desenvolvimento e conflitos ambientais. 1. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

RIGOTTO, Raquel Maria (Org.). Agrotóxicos, trabalho e saúde – vulnerabilidade e resistência no contexto da modernização agrícola no Baixo Jaguaribe/CE. Fortaleza: Editora UFC, 2012.

RODRIGUEZ, Corina. Análisis económico para la equidade: los aportes de la economía feminista. Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas y Centro Interdisciplinario para el Estudio de Políticas Públicas. SaberEs, n. 2. Sección Autora Invitada, 2010. p. 3-22.

SEMPREVIVA ORGANIZAÇÃO FEMINISTA. Trabalho das mulheres na agenda da 3° Ação internacional da Marcha Mundial das Mulheres. Disponível em: <http://www.sof.org.br/textos/7>. Acesso em: 23 de set. de 2014.

SILVA, Maria Goreti. A teimosia e a resistência silenciosa da camponesa. In: O Social em Questão. Vol. 1, nº 1, Revista do Programa de Mestrado em Serviço Social – Departamento de Serviço Social/PUC – Rio, 1997.