Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Panorama da Propriedade Intelectual, Sustentabilidade e Inovação Tecnológica no Brasil entre 2000/2012

DOI: http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v4n1p55-70

http://www.unama.br/seer/index.php/aos/index 

downloadpdf

Guilherme S. Tres1 & Renata Ferretti2

  

Resumo: Os efeitos positivos promovidos pelas inovações sobre o progresso econômico dos países é notório. Porém, o impacto destas inovações no meio ambiente continua sendo questão de estudos e discussões. O pr esente artigo teve como principal objetivo analisar - sob a perspectiva do Triple Bottom Line, composto pelos pilares econômico, ambiental e social - a evolução do número dos pedidos de patentes no Brasil que se relacionam com inovações sustentáveis. A pesquisa utilizou informações do Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI, entre 2000 e os últimos dados disponíveis pelo sistema em 2012, e analisou 249 pedidos de patentes. Os resultados mostraram que, apesar do crescimento no número total de pedidos de patentes no período, as solicitações que se relacionam com sustentabilidade são poucas, e que tais pedidos não têm viés de inovação tecnológica. Os resultados sugerem que as empresas podem não estar suprindo as demandas da sociedade por produtos mais sustentáveis e menos danosos ao meio ambiente.

Palavras-chave: Propriedade Intelectual. Sustentabilidade. Inovação. Patentes.

 

Abstract: The positive effect of the innovations on the economic progress of countries is remarkable. However, the impact of these innovations on the environment is still a matter of study and discussion. This paper aimed to analyze - from the perspective of the Triple Bottom Line, which is composed of economic, environmental and social pillars - the evolution of the number of patent applications in Brazil relating to sustainable innovations. The research used information from the National Institute of Industrial Property - INPI, between 2000 and the latest data available updated in 2012. Was analyzed 249 patent applications and the results showed that, despite the signifi cant growth in the total number of patent applications in the period, the number of those applications related to sustainability was low and, furthermore, that such requests do not have technological bias innovation. The results suggest that fi rms may not be supplying the demands of society for more sustainable and less environmental damaging products.

Key words: Intellectual Property. Sustainability. Innovation. Patents.

 

1 Engenheiro de Telecomunicações - FURB. MBA Gestão de Empresas - FGV. Mestre em Adminsitração de Empresas -UNINOVE. Administrador Equilibrium Náutica Administradora de empresas - MACKENZIE, Especialização em Gestão Pública - UNB. Mestre em Adminsitração de Empresas -UNINOVE. Professora titular na Universidade Nove de Julho e Técnico judiciário no Tribunal Regional do Trabalho.
2 Administradora de empresas - MACKENZIE, Especialização em Gestão Pública - UNB. Mestre em Adminsitração de Empresas -UNINOVE. Professora titular na Universidade Nove de Julho e Técnica judiciário no Tribunal Regional do Trabalho.

 

Literatura Citada

ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

ALMEIDA, F. Os desafios da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

AMAZONAS, M. C. Desenvolvimento sustentável: a institucionalização de um conceito. Brasília, DF: IBAMA, 2002.

ASHFORD, N. A. An Innovation-based strategy for a sustainable environment. In: Innovation-oriented environmental regulation. Centre for European Economic Research, Heidelberg, n.1, v. 1, p.67-107, 2000. http://dx.doi.org/10.1007/978-3-662-12069-9_5

BARBIERI, J. C.;VASCONCELOS, I. F. G.; ANDREASSI, T.; VASCONCELOS, F. C. Inovação e Sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 50, n. 2, p.146-154, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902010000200002

BARBIERI, J. C.; ÁLVARES, A. C. T. Estratégia de Patenteamento e Licenciamento de Tecnologia: conceitos e estudo de Caso. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, v. 7, n.17, p. 5869 , 2005.

BERKHOUT, F.; GREEN, K. Managing innovation for sustainability: The Challenge of Integration and Scale. International Journal of Innovation Management, v. 6, n. 3, p. 227-232, 2002. http://dx.doi.org/10.1142/S136391960200063X

BERRIS, J. The Ten Faces of Innovation: Strategies for Heightening Creativity. E.learning Age. 2006.

BROWN, S. L.; EISENHARDT, K. M. Product Development: Past Research, Present Findings, and Future Directions. The Academy of Management Review, v. 20, n. 2, p. 343–378, 1995.

CARVALHO, S. M. P., SALLES FILHO, S.; PAULINO, S.R.Propriedade Intelectual e Dinâmica de Inovação na Agricultura. Revista Brasileira de Inovação, v.5, n.2, 315-340, 2002.

CHESNAIS, François. Technnological Competitiveness Considered as a Form of Structural Competitiveness. In: NIOSI, Jorge. (Ed.). Technnology and National Competitiveness. Montreal: McGillQueen’s University Press, 1991.

CORTELLO, C. Fostering Creativity. Industrial Engineer. 37, 10, p.26, 2005.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor (entreperneurship): práticas e princípios. 6 ed. São Paulo: Pioneira, 2000.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books, 2001.

EISENHARDT, K. M.; KAHWAJY, J. L.; BOURGEOIS, L. J. Confl ict and Strategic Choice: How Top Management Teams Disagree. California Management Review, v. 39, n. 2, p. 42–63, 1997. http://dx.doi.org/10.2307/41165886

FORSMAN, H. Balancing capability building for radical and incremental innovations. International Journal of Innovation Management, v. 13, n. 4, p. 501–520, 2009. http://dx.doi.org/10.1142/S1363919609002492

HAMBRICK, D. C.; MASON, P. A. Upper Echelons: The Organization as a Refl ection of Its Top Managers. The Academy of Management Review, v. 9, n. 2, p. 193–206, 1984.

HANSEN, E.; GROSSE-DINKER, F.; REICHWALD, R. Sustainability innovation cube: a framework to evaluate sustainabilityoriented innovations. International Journal of Innovation Management, v. 13, n. 4, p. 683-713, 2009. http://dx.doi.org/10.1142/S1363919609002479

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 22 mar.2014.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Disponível em: http://www.inpi.gov.br/. Acesso em: 25 mar.2014.

KEMP R.; PEARSON, P. Final Report MEI project About Measuring Ecoinnovation, 2007. Disponível em: http://www1.oecd.org/greengrowth/consumption-innovation/43960830.pdf. Acesso em: 23 mar. 2014

KNEIPP, J. M., da ROSA , L. A. B.; BICHUETI, R. S.; MADRUGA, L. R. da R. G; Júnior, V. F. S. Revista Administração UFSM, v. 4, n. 3, p. 442-457, 2011.

LE BAS, C.; SIERRA, C. Location versus home country advantages ‘in R&D activities: some further results on multinationals’ locational strategies. Research Policy, n. 31, p. 589-609, 2002. http://dx.doi.org/10.1016/S0048-7333(01)00128-7

LEAL, C. E. A era das organizações sustentáveis. Revista Eletrônica Novo Enfoque da Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro, v. 8, n. 8, 2009.

LEMOS, R. Propriedade intelectual. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

MARRICK, C. Revolutionary Change is Key to Market Leadership. Credit Union Maganize. v. 64, n.10, 1998.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. 4.ed.São Paulo: Atlas, 2007.

MATIAS-PEREIRA, J. A Gestão do Sistema de Proteção à Propriedade Intelectual no Brasil é Consistente? Revista de Administração Pública, v.45, n.3, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122011000300002

MEDEIROS, J. R.; SERRA, F. A. R.; FERREIRA, M. P. Alta Administração como recurso estratégico proposta de agenda brasileira de pesquisa a partir dos estudos de Hambrick. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 8, n. 1, p. 52–77, 2009.

NOBRE, M. Desenvolvimento sustentável: origens e signifi cado atual. In: NOBRE, M; OCDE. Manual de Oslo – Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre Inovação. Trad. FINEP. 3. ed. 2005. Disponível em: http://www.mct.gov.br. Acesso em: 14 mar. 2014

NORTH, D. C. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Press Syndicate of the University of Cambridge, 1990. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511808678

OREIRO, J.L.; NAKABASHI, L.; SOUZA, G. J. de G. A. Economia Brasileira Puxada pela Demanda Agregada. Revista de Economia e Política, v.30, n.4, p. 581-603, 2010.

PORTER, M.E. Vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

PORTER, M. Creating Advantage. Executive Excellence. v.16, n.11, 1999.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - Casa Civil - Subchefi a de assuntos jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9279.htm. Acesso em: 06 mar.2012.

PUHLMANN, A. C. A.; MOREIRA, C. F. Noções gerais sobre proteção de tecnologia e produtos: versão inventor. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 2004. 141p.

RATTNER, H. Inovação tecnológica e pequenas empresas: uma questão de sobrevivência. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v.24, n.3, p.70-73, 1984.

ROLNIK, R. e KLINK, J. Crescimento Econômico e Desenvolvimento Urbano: Por Que Nossas Cidades Continuam tão Precárias? Novos estudos. - CEBRAP, n.89, p.89-109, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002011000100006

ROMEIRO, M. do C., Prearo, L,. Silveira, M., Ribeiro Neto, J. Pesquisa sobre Inovação Tecnológica: o possível viés da informação em levantamentos. Revista Brasileira de Inovação, v. 13, n. 1, p. 133-162, 2013.

ROMER, P.M. Growth Based on Increasing Returns Due to Specialization.American Economic Review, v.77, n.2, p.56-62, 1987.

ROMER, P.M. Increasing Returns and Long-Run Growth.Journal of Political Economy, v. 94, n. 5, p. 1002-1037, 1986. http://dx.doi.org/10.1086/261420

ROSENTHAL, D.; MOREIRA, I.L. Algumas Considerações Sobre a Natureza do Processo de Capacitação Tecnológica: “Fontes de Inovação”. Revista de Administração Pública, v. 26, n. 4, p. 145-160, 1992.

SACHS, J. A riqueza de todos: a construção de uma economia sustentável em um planeta super povoado, poluído e pobre. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SCHUMPETER, J. A teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril S.A. Cultural e Industrial, 1982.

SCHUMPETER, J. Ensaios: empresários, inovação, ciclos de negócio e evolução do capitalismo. Lisboa: Editora Celta, 1996.

SOUZA, M. T. S.; RIBEIRO, H. C. M. Sustentabilidade ambiental: uma meta-análise da produção brasileira em periódicos de administração. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 368-396, 2013.

TUSHMAN, M. L.; O REILLY, C. A. III Ambidextrous Organizations: Managing Evolutionary and Revolutionay Change. California Management Review. v.38, n.4, 1996. http://dx.doi.org/10.2307/41165852

WORLD COMISSION ON ENVIROMENTAL AND DEVELOPMENT (WCED).Our Common Future. Oxford: Oxford University Press, 1987.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION (WIPO). Disponível em: http://www.wipo.int/about-ip/en/. Acesso em: 20 nov.2013.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Disponível em: http://goo.gl/A4zlh1. Acesso em: 22 nov.2013.

Citado por

Sem citações recebidas.