Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

As Dimensões da Sustentabilidade em Uma Organização do Terceiro Setor em Santa Catarina: Um Estudo no Programa Oficina Educativa Verde Vida

DOI: http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v4n1p127-150

http://www.unama.br/seer/index.php/aos/index 

downloadpdf

Gilceu J. Jentz1, Gilseli A. Molozzi2, Paulo C. Zonta3 & Simone Sehnem4

  

Resumo: O objetivo deste estudo foi verifi car como as dimensões social ambiental e econômica, conhecidas como tripé da sustentabilidade, são inseridas no dia a dia em uma organização não governamental em Santa Catarina.  Para o desenvolvimento do artigo, optou-se pela escolha de uma organização do terceiro setor atuante no município de Chapecó/SC, o Verde Vida – Programa Ofi cina Educativa. Trata-se de uma Organização Não Governamental, que promove trabalhos sócio-educativos em adolescentes de 12 a 17 anos em situação de vulnerabilidade social, oriundos de famílias carentes. As informações foram coletadas por meio de entrevistas de roteiro semiestruturado junto aos gestores e alguns funcionários do Verde Vida. Foram analisados documentos internos da Organização Não Governamental e, também, uma visita à instituição, para conhecer e verifi car as práticas realizadas em torno da sustentabilidade, bem como, conhecidas as atividades desenvolvidas pela Organização Não Governamental, sua realidade e suas difi culdades. Os resultados encontrados demonstram que a Organização Não Governamental tem um forte direcionamento para o aspecto social e ambiental da sustentabilidade, porém uma limitação no aspecto econômico. Essa limitação econômica vem difi cultando a continuação do Verde Vida. Os gestores da Organização Não Governamental entendem que, para continuar com as atividades sociais e ambientais do Programa Verde Vida, necessitam melhorar a gestão e consequentemente o aspecto econômico da organização.

Palavras-chave: Sustentabilidade. Organização. Terceiro Setor.

 

Abstract: The aim of this study was to verify the dimensions that form the environmental social and economic tripod, known as triple bottom line - (social, environmental and econômicasão inserted on the day) are developed in a non-governmental organization in Santa Catarina. To develop this article it was chosen a third sector organization which is based in Chapecó/SC, Green Life - Educational Workshop Program. It is an NGO (Non Governmental Organization), which promotes socio-educational work for 12 to 17 years old teenagers in situations of social vulnerability, coming from poor families. The information were collected through interviews with semi-structured itinerary with the managers and some employees of the Green Life. It was analyzed the internal documents of the NGO and also it was made a visit to the institution to better understand and identify the practices used with the sustainability, as well as know the activities developed by the NGOs, its reality and diffi culties. The results show that the NGO has a strong targeting for the social and environmental aspect of the sustainability, however, a limitation in the economic aspect, which is making diffi cult the continuation of the Green Life. The NGO managers know that to keep with the social and environmental activities of the program, it is necessary to improve the management and the economic aspect of the organization.

Key words: Sustainability. Organization.Third Sector.

 

1 Mestrando em Administração pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC. Especialista em MBA em Gestão Empresarial pela ** Fundação Getúlio Vargas. Gerente de Plataforma Empresas UM do Itaú - Unibanco
2 Mestranda em Administração pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC, pós-graduada em Gestão Empresarial pela UNOCHAPECÓ. Analista de planejamento na Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.
3 Mestre em Administração Estratégica de Negócios pela UNAM. Mestrando em Administração pela Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC. Especialista em Marketing e Docência pela FGV/RJ. Especialista em Gestão Estratégica de Negócios pela FURB
4 Professora e Pesquisadora da Universidade do Oeste de Santa Catarina-UNOESC. Membro do Academy of International Business (AIB). Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina. Doutora em Administração e Turismo pela Univali/SC.

 

Literatura Citada

ABDALLA, J. J.; FEICHAS, S. A. Q. . Modelo Hackefors para obtenção de certifi cado ambiental ISO- 14.001 em pequenas e médias empresas: uma discussão sobre sua aplicação em empresas brasileiras.Cadernos EBAPE. BR, Edição Temática. 2005. Disponível em: <http://www.ebape.fgv.br/cadernosebape>. Acesso em: 18 jun. 2013.

AGUIAR, V. M. de. Sustentabilidade econômica em organizações de economia solidária: uma análise sobre a experiência da vila ecológica Terra Mirim. Salvador. 2004. Disponível em: <http://goo.gl/LOu87a> . Acesso em: 23 jun. 2013.

ALVES, M. A.; UENO, P. H.; FUJISAWA, F. Y.(2003). Daí San Sekuta: o universo das organizações do Terceiro Setor da Comunidade Japonesa de São Paulo. São Paulo. 2003. Disponível em: <http://goo.gl/CMcN7x>. Acesso em: 25 jun. 2013.

AMATO NETO, J. Sustentabilidade e produção: teoria e prática para uma gestão sustentável. São Paulo: Atlas, 2011.

ARMANI, D. Breve mapa do contexto das ONGs Brasileiras. 1999. Disponível em: <http://domingosarmani.files.wordpress.com/2009/02/breve-mapa-contexto-ongs1.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2013.

BENSON, M. H.; CRAIG, R. K. The end of sustainability. Society & Natural Resources:An International Journal, v.27, Issue 7, p.1-6, 2014. http://dx.doi.org/10.1080/08941920.2014.901467

BRASIL - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística – Ibge (2012). As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil 2010: Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Fundacoes_Privadas_e_Associacoes/2010/fasfi l.pdf> . Acesso em: 18 ago. 2013.

CALLADO, A.L. C.; FENSTERSEIFER, J. E. Indicadores de sustentabilidade: uma abordagem empírica a partir de uma perspectiva de especialistas. São Paulo: SIMPOI, 2010.

CARRIERI, A.; SILVA, A. R. da; PIMENTEL, T.. O tema da proteção ambiental incorporado nos discursos da responsabilidade social corporativa. RAC. Revista de Administração Contemporânea, n. 1, p. 1-16, 2009.

CARVALHO, C. A. P. de. El control organizativo en las organizaciones no gubernamentales: un estudio de la realidadEspañola. Revista de Administração Contemporânea..v. 3, n. 3, 1999.

CAVALCANTI, C. (Org.). Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

DAFT, R. L. Administração. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

FALCONER, A. P. A promessa do terceiro setor: um estudo sobre a construção do papel das organizações sem fi ns lucrativos e do seu campo de gestão. São Paulo: 1999. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. 1999.

FRANÇA FILHO, G. C. de. Teoria e prática em economia solidária: problemática, desafi os e vocação. Civitas, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 155-174, jan./jun. 2007. http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2007.1.2041

FROELICH, C..Publicações internacionais sobre sustentabilidade: uma revisão de artigos com uso da técnica de análise de conteúdo qualitativa. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 7, n.2, p. 178-195, Jun. 2014. http://dx.doi.org/10.5902/198346596519

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901995000200008

GODOY, A. S.Refl etindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 3, n. 2, p. 81-89, maio./ago. 2005.

GORCZEVSKI, C. A necessária revisão do conceito de cidadania [recurso eletrônico]: movimentos sociais e novos protagonistas na esfera pública democrática. Santa Cruz do Sul, SC: EDUNISC, 2011.

GOUVEIA, F. ONGs enfrentam desafi os e ocupam espaço da ação pública. Ciência e Cultura, 2007, v. 59, n. 2, pp. 6-8. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v59n2/a03v59n2.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2013.

GUEDES, R. de C. (2000). Responsabilidade social e cidadania empresarial: conceitos estratégicos para as empresas face à globalização. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). São Paulo: PUC/SP, 2000. 170p. Disponível em: <http://www.lasociedadcivil.org/docs/ciberteca/cassia_guedes.pdf> . Acesso em: 17 jun. 2013.

IBGE (2012). As fundações privadas e as associações sem fins lucrativos no Brasil. Rio de Janeiro.

MAGALHÃES, Ó. A. V. et al. (Re) defi nindo a sustentabilidade no complexo contexto da gestão social: refl exões a partir de duas práticas sociais. Cadernos Ebape. BR, v. 4, n. 2, jun.2006.

MATHIS, A. de A.; MATHIS, A. Responsabilidade Social Corporativa e Direitos Humanos: discursos e realidades. Revista Katálysis, v. 15, n. 1, p. 131-140, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-49802012000100013

MONTAÑO, C. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

OLIVEIRA, L. R., et al. Sustentabilidade: da evolução dos conceitos à implementação como estratégia nas organizações. Produção, Niterói, v. 22, n. 1, p. 70-82, jan./fev.2012 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65132011005000062

PIMENTA, H. C. D.; GOUVINHAS, R. P. A produção mais limpa como ferramenta da sustentabilidade empresarial: um estudo no estado do Rio Grande do Norte. Produção, v. 22, n. 3, p. 462-476, maio/ago. 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132012005000043>. Acesso em: 17 jun. 2013.

RODRIGUES, A. et al. É correto pensar a sustentabilidade em nível local? Uma análise metodológica de um estudo de caso em uma Área de Proteção Ambiental no litoral sul do Brasil. Revista Ambiente e Sociedade, Campinas, v. 5, n. 2, 2003.

RUSCHEINSKY, A. No confl ito das interpretações: o enredo da Sustentabilidade. Revista eletrônica Mestrado Educação Ambiental, v. 10, jan./jun.2003

SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel: Fundação do Desenvolvimento Administrativo, 1993.

Sachs, I. (2007). Rumo à socioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez.

Salamon, L. M. Defining the nonprofi t sector: the United States. Baltimore. 1996. Disponível em: <http://adm-cf.com/jhu/pdfs/CNP_Working_Papers/CNP_WP18.pdf> . Acesso em: 25 jun. 2013.

SERPA, D. A. F.; FOURNEAU, L. F. Responsabilidade social corporativa: uma investigação sobre a percepção do consumidor. Revista de Administração Contemporânea, v. 11, n. 3, p. 83-103, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552007000300005

Silva, D. A.; Ribeiro, H. Certifi cação ambiental empresarial e sustentabilidade: desafi os da comunicação. Saúde e Sociedade, v.14, n.1, p. 52-67, jan./abr, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902005000100007

SILVA, G. C. S. da; MEDEIROS, D. D. Metodologia de checkland aplicada à implementação da produção mais limpa em serviços. Revista Gestão & Produção, v. 13, n. 3, p 411-422, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-530x2006000300005

SILVEIRA, M. L. G. da; PFITSCHER, E. D. Sustentabilidade ambiental analisada da parte de uma empresa do setor elétrico. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, v. 5, n.1, p. 163-189, jan./ abr., 2012

STAKE, R. E. Case studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 2000.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VEIGA, J.E. O âmago da sustentabilidade. Estudos Avançados. 28 (82), 2014. Verde Vida. Conheça o Verde Vida. Disponível em: <http://www.verdevida.org.br/br/pagina.php?menu=conheca>. Acesso em: 15 ago. 2013.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

VERGARA, S. C.; BRANCO, P. D.. Empresa humanizada: a organização necessária e possível. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 2, p. 20-30, 2001. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902001000200003

VILA NOVA, S. .Introdução à sociologia. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

Citado por

Sem citações recebidas.