Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Prontidão para a Prática de Atividade Física em Estudantes Participantes de Um Torneio Universitário

DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v21n1p132-138

http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/index 

downloadpdf

Priscila R. N. R. Lopes1, Osvaldo C. Moreira1, Renata A. R. de Oliveira1 & João C. B. Marins1

 

Resumo: Com o objetivo de verificar a prontidão para a prática de atividade física regular (AFR) em estudantes universitários participantes de uma competição recreativa de futebol, foram avaliados 719 estudantes, com idade média de 21,24 ± 2,27 anos, através do PAR-Q. Destes, 603 indivíduos eram homens, com idade média de 21,25 ± 2,36 anos (17-36 anos), e 116 eram mulheres, com idade média de 21,23 ± 1,77 anos (17-26 anos). Como estatística, utilizou-se a análise descritiva dos dados, razão de  prevalência (RP) de respostas afirmativas ao PAR-Q e razão de chances (OR) entre os gêneros. Dentre ossujeitos avaliados, 40 apresentaram falta de prontidão para AFR, representando um valor relativo a 5,56%, o que pode ser considerada como satisfatória, tendo em vista a faixa etária e o estrato populacional avaliado. Destes, 39 (5,42%) apresentaram uma resposta positiva e 1 (0,14%) duas respostas positivas. Nenhum caso de três respostas afirmativas foi encontrado no presente estudo. A OR indicou que as mulheres têm 5,43 chances (IC= 2,68 – 10,98; p=0,02) a mais de apresentar falta de prontidão para AFR, em relação aos homens, bem como uma maior prevalência. Apesar de relativamente baixo o percentual correspondente à população com falta de prontidão para a AFR, requer atenção, uma vez que, o estímulo físico aplicado nesses indivíduos com falta de prontidão, associado a outros fatores, podem desencadear condições orgânicas de limite físico com conseqüência no estado de saúde dos mesmos. Desta forma, aconselha-se o planejamento e o estabelecimento de uma política preventiva a ser empregada nos torneios, minimizando o risco de manifestações cardiovasculares induzidas pelo esforço físico decorrente de práticas esportivas competitivas.

Palavras-chave: Exercício; Saúde; Avaliação.

 

Abstract: In order to check the readiness for regular physical activity (RPA) for students participants in a recreational soccer competition, 719 students were evaluated, mean age 21,24 ± 2,27 years, through PAR-Q. Of these, 603 subjects were male, mean age 21,25 ± 2,36 years (17-36 years), and 116 were women, mean age 21,23 ± 1,77 years (17-26 years). As used for statistical analysis was descriptive data, prevalence ratio (RP) of affirmative responses to the PAR-Q and odds radio (OR) between genders. Among the subjects, 40 had unwillingness to RPA, representing a relative value to 5,56%, which can be regarded as satisfactory in view of the age group population and the stratum evaluated. Of these, 39 (5,42%) had a positive answer and 1 (0,14%) two positive responses. No case of three positive answers was found in this study. The OR indicated that women have odds 5,43 (CI=2,68 to 10,98; p=0,02) for more than unwillingness to submit RPA, in relation to men as well as a higher prevalence. Despite the relatively low percentage corresponding to the population with lack of readiness for the RPA, requires attention, since the physical stimulus applied in these individuals with lack of readiness, combined with other factors, can trigger physical boundary conditions with organic result in health condition thereof. Thus, is recommend planning and the establishment of a preventive policy to used in tournaments, minimizing the risk of cardiovascular events induced by physical exertion due to competitive sports.

Key words: Exercise; Health; Evaluation.

 

1 Universidade Federal de Viçosa

 

Literatura Citada

Department Of Health And Human Services. Physical activity guidelines advisory committee report. Washington, DC: U.S.; 2008.

Organização Pan-Americana da Saúde. Doenças crônico-degenerativas e obesidade: estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. Brasília; 2003.

Carvalho T, et al. Posição oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: atividade física e saúde. Rev Bras Med Esporte 1996;2(4):79-81.

Marins J, Giannichi R. Avaliação e prescrição de atividade física: guia prático. Rio de Janeiro: Shape; 2003.

Queiroga MR. Testes e medidas para avaliação da aptidão física relacionada à saúde em adultos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.

Haskell WL, et al. Physical Activity and Public Health: Updated Recommendation for Adults From the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Circulation 2007;116:1081-93. https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.107.185649

Chisholm DM, Collis ML, Kulak LL, Davenport W, Gruber N. Physical activity readiness. Br Col Med J 1975;17:375-78.

Shephard RJ. Par-Q, Canadian Home Fitness Test and screening alternatives. Sports Medicine 1988;5(3):185- 95. https://doi.org/10.2165/00007256-198805030-00005

Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. Diretriz da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Morte súbita no exercício e no esporte. Rev Bras Med Esporte 2005;11(supl.1):S1-S8.

Bille K, et al. Sudden cardiac death in athletes: the Lausanne Recommendations. Eur J Cardiovasc Prev Rehabil 2006;13(6):859-75. https://doi.org/10.1097/01.hjr.0000238397.50341.4a

Luz LGO, Maranhão Neto GA, Farinatti PTV. Validade do Questionário de Prontidão para a Atividade Física (PAR-Q) em Idosos. Rev Bras de Cineantropom Desempenho Hum 2007;9(4):366-71.

Nunes JOM, Barros JF. Fatores de risco associados à prevalência de sedentarismo em trabalhadores da indústria e da Universidade de Brasília. Lecturas Educación Física y Deportes 2004;10(68).

Shephard RJ. The canadian home fitness test update. Sports Medicin 1991;11(1): 358. https://doi.org/10.2165/00007256-199111060-00002

Moreira OC, Teodoro BG, Oliveira CEP, Brito ISS, Moura BP, Marins JCB. Aptidão para atividade física regular em estudantes de educação física da Universidade Federal de Viçosa. HU Revista 2010;36(1):55-9.

Moreira OC, Benfica DT, Meloni PHS, Brito ISS, Marins JCB. Prontidão para atividade física em professores e técnicos administrativos do CCA da UFV.

Moreira OC, Oliveira CEP, Garcia FLN, Makkai LFC, Marins JCB. Prontidão para atividade física regular em professores e técnicos administrativos do CCE da UFV. Coleção Pesquisa em Educação Física 2007b;6(1):465-70.

Moura BP, Moreira OC, Meloni PHS, Oliveira CEP, Marins JCB. Prontidão para atividade física em praticantes de exercícios aeróbicos no campus da Universidade Federal de Viçosa- MG Lecturas Educación Física y Deportes 2008;13(122).

Corrado D, Migliore F, Basso C, Thiene G. Exercise and the Risk of Sudden Cardiac Death. Herz 2006;31(6):553-58. https://doi.org/10.1007/s00059-006-2885-8

Madureira AS, Fonseca AS, Maia MFM. Estilo de vida e atividade física habitual de professores de Educação Física. Rev Bras de Cineantropom Desempenho Hum 2003;5(1):54-62.

Pereira JC, Devéns MC, Moreira OC, Marins JCB. Prevalência de prontidão para a atividade física regular em atletas universitários. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício 2012;6(32):141-48.

Sociedade Brasileira de Hipertensão. VI Diretrizes Brasileiras De Hipertensão Arterial. Arq Brasil Cardiol 2010;95(1),supl.1:1-51.

Brasil, Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2009: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/vigitel2009_220610.pdf. Acessado em: 02 de maio de 2011.