Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Caracterização das Categorias de Atividade Física e Associação com Variáveis Antropométricas de Funcionários Universitários

DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v21n2p89-97

http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/index 

downloadpdf

Aline F. B. Bernardo1, Anne K. F. da Silva1, Layane L. Napoleão1, Camila D. Nalini1, Renata C. Rossi1, Carlos M. Pastre1 & Luiz C. M. Vanderlei1

 

Resumo: Os efeitos da atividade física (AF) representam uma proteção para o sistema cardiovascular e podem estar associadas às medidas antropométricas. Assim, o objetivo do estudo foi caracterizar as categorias de AF de funcionários de uma Universidade e comparar e associar com as variáveis antropométricas. Avaliou-se 311 funcionários divididos em três grupos: docente (n = 136), técnicoadministrativo (tec/adm) (n = 110) e operacional (n = 65). Os mesmos foram visitados no próprio local de trabalho e coletou-se o peso, a altura e a circunferência abdominal. As categorias de AF foram avaliadas pelo inventário de Baecke aplicado em forma de entrevista. A comparação das categorias de AF e das variáveis antropométricas entre os grupos de funcionários foi realizada por meio de análise de variância (ANOVA ONE-WAY) seguida da aplicação do teste de Tukey para dados com distribuição normal ou teste de Kruskal-Wallys seguido da aplicação do teste de Dunn para dados com distribuição não normal. Para análise da chance dos grupos ativo e sedentário apresentarem obesidade e risco cardiovascular foi utilizado o teste de Odds Ratio com intervalo de confiança de 95%. Os resultados mostram que o grupo docente apresentou menores escores para AF ocupacional (2,20 ± 0,44; p = 0,0042) e de locomoção (2,10 ± 0,54; p = 0,0761), enquanto o grupo tec/adm para AF total (6,35 ± 1,58; p = 0,0012) e operacional para AF de tempo livre (2,03 ± 0,95; p = 0,0111). Encontraram-se maiores valores antropométricos para o grupo operacional (índice massa corporal: p = 0,0045; circunferência abdominal: p = 0,0111) e não houve associação entre os níveis de AF e as variáveis antropométricas (p > 0,05). Assim, conclui-se que existe diferença entre categorias de AF e variáveis antropométricas dos grupos estudados. Não houve associação significante entre as variáveis, porém os sedentários apresentaram mais chance de serem obesos e terem risco cardiovascular aumentado.

Palavras-chave: Sedentarismo; Antropometria; Atividade Física; Fatores de Risco.

 

Abstract: The effects of physical activity (PA) represent a protection for the cardiovascular system and may be associated with anthropometric measurements. The aim of this study was to characterize the categories of PA of employees from a university and compare and associate these categories with  anthropometric variables. We evaluated 311 employees and divided them into three groups: teachers (n =136), technical / administrative (tce / adm) (n = 110) and operational group (n = 65). They were visited in the workplace and collected the weight, height and waist circumference. The categories of PA were assessed by inventory Baecke applied as an interview. The comparison of categories of PA with anthropometric variables between employee’s groups was performed by variance’s analysis (ANOVA ONE-WAY) followed by the Tukey test for normally distributed data or Kruskal-Wallys followed the Dunn test for non-normally distributed data. To analyze the chance of active and sedentary groups to present obesity and cardiovascular risk the test odds ratio was used with a confidence interval of 95%. The results showed that the teachers group had lower scores for occupational PA (2.20 ± 0.44, p = 0.0042) and transport (2.10 ± 0.54, p = 0.0761), while the tec / adm group had total physical activity (6.35 ± 1.58, p = 0.0012) and operational PA free time (2.03 ± 0.95, p = 0.0111). It were observed higher values of anthropometric variables for operational group (body mass index: p = 0.0045; abdominal circumference: p = 0.0111) and there was no association between PA levels and anthropometric variables (p> 0.05). Therefore, in conclusion there are differences between categories of PA and anthropometric variables for the studied groups. There was no significant association between the anthropometric variables, but sedentary people had more chance to being obese and having increased cardiovascular risk.

Key words: Lifestyle; Anthropometry; Motor Activity; Risk Factors.

 

1 UNESP

 

Literatura Citada

Siqueira FCV, Nahas MV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E. Atividade física em profissionais de saúde do Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2009; 25(9):1917-28. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000900006

Pozena R, Cunha NFS. Projeto "construindo um futuro saudável através daprática da atividade física diária". Saúde e sociedade. 2009; 18(1):52-6. https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000500009

Dumith SC. Physical activity in Brazil: a systematic review. Cad Saúde Pública. 2009; 25(3):415-26. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009001500007

Silva RS, Silva I, Silva RA, Souza L, Tomasi E. Atividade física e qualidade de vida. Ciên Saúde Colet. 2010; 15(1):115-20. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000100017

Jakicic JM, Otto AD. Physical activity considerations for the treatment and prevention of obesity. Am J Clin Nutr. 2005;82:226–9.

Martinez MC, Latorre MRDO. Saúde e capacidade para o trabalho de eletricitários do Estado de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva. 2008; 13(3):1061-73. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000300029

Kaleta D, Makowiec-Dabrowska T, Jegier A. Occupational and leisure-time energy expenditure and body mass index. Int J Occup Med Environ Health. 2007; 20(1):9-16. https://doi.org/10.2478/v10001-007-0009-1

Teixeira CVL, Donatti TS, Caninici AP. Perfil de risco de doenças cardiovasculares em idosas praticantes de diferentes modalidades de exercícios fisícos. Revista Movimenta. 2009; 2(1):17-22.

Nelson ME, Rejeski WJ, Blair SN, Duncan PW, Judge JO, King AC, et al. Physical activity and public health in older adults: recommendation from the american college of sports medicine and the american heart association. Circulation. 2007; 116:1094-105. https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.107.185650

Fonseca MJM, Faerstein E, Chor D, Lopes CS, Andreozzi VL. Associações entre escolaridade, renda e Índice de Massa Corporal em funcionários de uma universidade no Rio de Janeiro, Brasil: Estudo Pró-Saúde. Cad. Saúde Pública. 2006; 22(11):2359-67. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006001100010

Sofi F, Capalbo A, Marcucci R, Gori AM, Fedi S, Macchi C et al. Leisure time but not occupational physical activity significantly affects cardiovascular risk factors in an adult population. Eur J Clin Invest. 2007; 37:947–53. https://doi.org/10.1111/j.1365-2362.2007.01884.x

Wang Y, Tuomilehto J, Jousilahti P, Antikainen R, Mähönen M, Katzmarzyk PT et al. Occupational, Commuting, and Leisure-Time Physical Activity in Relation to Heart Failure Among Finnish Men and Women. J Am Coll Cardiol. 2010;56(14):1140-8. https://doi.org/10.1016/j.jacc.2010.05.035

Baecke JA, Burema J, Frijters JE. A short questionnaire for the measurement of habitual physical activity in epidemiological studies. Am J Clin Nutr. 1982;36:936-42.

Fernandes RA, Christofaro DGD, Casonato J, Rosa CSC, Costa FF, Júnior IFF, et al. Leisure time behaviors: Prevalence,correlates and associations with overweight in Brazilian adults. A cross-sectional analysis. Rev Med Chil. 2010;138(1):29-35. https://doi.org/10.4067/S0034-98872010000100004

Guedes DP, Lopes CC, Guedes JERP, Stanganelli LC. Reprodutibilidade e validade do questionário Baecke para avaliação da atividade física habitual em adolescentes. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto. 2006;6(3):265-74. https://doi.org/10.5628/rpcd.06.03.265

Florindo AA, Latorre MRDO. Validação e reprodutibilidade do questionário de Baecke de avaliação da atividade física habitual em homens adultos. Rev Bras Med Esporte. 2003;9(3):121-8.

Farinatti PTV. Apresentação de uma Versão em Português do Compêndio de Atividades Físicas: uma contribuição aos pesquisadores e profissionais em Fisiologia do Exercício. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício 2003; 3: 177-208.

Associação brasileira para o estudo da obesidade e da síndrome Metabólica. III Diretrizes Brasileiras de Obesidade. 2009/2010.

Sena JEA, Pontes LM, Ferreira UMG, Silva JM. Composição corporal e sua relação com o nível de atividade física de taxistas e carteiros de João Pessoa - PB. Fit Perf J. 2008; 7(1):20-5.

Del Duca GF, Oliveira ESA, Sousa TF, Silva KS, Nahas MV. Inatividade física no lazer em trabalhadores da indústria do Rio Grande do Sul, Brasil. Motriz. 2011;17(1):180-8.

Petroski EL, Oliveira MM. Atividade física de lazer e estágios de mudança de comportamento em professores universitários. Rev Port Cien Desp. 2008; 8(2):209–18. https://doi.org/10.5628/rpcd.08.02.209

Knuth AG, Malta DC, Dumith SC, Pereira CA, Neto OLM, Temporão JG et al. Prática de atividade física e sedentarismo em brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) – 2008. Ciência & Saúde Coletiva. 2011;16(9):3697-705. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000007

Csizmadi I, Geraldine Lo Siou, Friedenreich CM, Owen N, Robson PJ. Hours spent and energy expended in physical activity domains: Results from The Tomorrow. Project cohort in Alberta, Canada. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity. 2011. doi: 10.1186/1479-5868-8-110. http://www.ijbnpa.org/content/8/1/110 https://doi.org/10.1186/1479-5868-8-110

Yang Y, Roux AVD, Bingham R. Variability and seasonality of active transportation in USA: evidence from the 2001 NHTS. BioMed Central. 2011;8(96):1-9. https://doi.org/10.1186/1479-5868-8-96

Matos MFDM, Silva NAS, Pimenta AJM, Cunha AJLA. Prevalência dos Fatores de Risco para Doença Cardiovascular em Funcionários do Centro de Pesquisas da Petrobras. Arq Bras Cardiol.2004;82(1):1-4. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2004000100001

Lunz W, Molina MDCB, Rodrigues SL, Gonçalvez CP, Baldo MP, Viana EC et al. Impacto da atividade física sobre o risco cardiovascular na população adulta de Vitória-ES. Rev. Bras. Ci. e Mov. 2010; 18(3):64-73.

Silva SG, Silva MC, Nahas MV, Viana SL. Fatores associados à inatividade física no lazer e principais barreiras na percepção de trabalhadores da indústria do Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(2):249-59. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000200006

Barberio A, McLaren L. Occupational Physical Activity and Body Mass Index (BMI) Among Canadian Adults: Does Physical Activity at Work Help to Explain the Socio-economic Patterning of Body Weight? Can J Public Health. 2011; 102(3):169-73.

Fontes ACD, Vianna RPT. Prevalência e fatores associados ao baixo nível de atividade física entre estudantes universitários de uma universidade pública da região Nordeste-Brasil. Rev Bras Epidemiol 2009; 12(1): 20-9. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2009000100003

Gutiérrez-Fisac JL, Guallar-Castillón P, Díez-Gañán L, García EL, Banegas JRB, Artalejo FR. Work-Related Physical Activity Is Not Associated with Body Mass Index and Obesity. Obesity Research. 2002; 10(4):270-6. https://doi.org/10.1038/oby.2002.37