Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Propriedades Físicas e Mecânicas da Madeira de Parkia gigantocarpa Ducke

DOI: http://dx.doi.org/10.12953/2177-6830.v03n02a09

http://www.ufpel.tche.br/revistas/index.php/cienciadamadeira/index 

downloadpdf

Mariele C. de Miranda1, Patrícia A. R. Castelo2, Dirceu L. C. de Miranda2 & Eliazel V. Rondon3

 

Resumo : O objetivo deste trabalho foi determinar algumas propriedades físicas e mecânicas da madeira de Parkia gigantocarpa Ducke e avaliar seu potencial tecnológico para definição de usos desta espécie. Utilizaram-se três árvores de 14 anos, provenientes de um plantio experimental, das quais foram produzidos toretes em comprimentos equivalentes à base da árvore, 25, 50, 75 e 100% da altura comercial. Em cada uma das alturas relativas à altura comercial foi coletado um disco para determinação da massa específica básica. Determinaram-se também a anisotropia de contração, de acordo com a norma COPANT 462 (1972), e algumas propriedades mecânicas, de acordo com a norma ASTM D 143 (1995). Para isso foi utilizado o primeiro torete de cada árvore, de 2 metros de comprimento. Os dados foram analisados através da estatística descritiva e da comparação dos resultados obtidos com estudos semelhantes encontrados na literatura. A madeira de Parkia gigantocarpa é leve, com massa específica média de 0,48 g.cm-3, possibilitando seu uso na laminação. De acordo com os resultados mecânicos, essa espécie é considerada imprópria para fins estruturais e, devido à alta contração da madeira, também não é recomendada para fabricação de móveis maciços, portas, janelas e instrumentos musicais.

Palavras-chave : Parkia gigantocarpa, massa específica, anisotropia de contração, propriedades mecânicas

 

Abstract: The objective of this study was to determine some physical and mechanical properties of the wood from Parkia gigantocarpa Ducke and assess its technological potential in order to establish the uses of that species. Three 14-year-old trees from an experimental planting were used, from which short logs in lengths equivalent to the base of the three, 25, 50, 75 and 100% of the commercial height were produced. In each of such heights a disc was collected to establish the basic specific mass. The anisotropic shrinkage, according to COPANT 462 (1972), and some mechanical properties, according to ASTM D 143 (1995), were also determined. In order to do that, the first two-meter-long log of each tree was used. The data were analyzed using descriptive statistics as well as the comparison of the results obtained with similar studies found in related literature. The wood from Parkia gigantocarpa is light, with an average density of 0,48 g.cm-3, enabling its use in lamination. According to the mechanical results, this species is considered unsuitable for structural purposes and due to high shrinkage of the wood it is also not recommended for solid wood furniture manufacturing, doors, windows and musical instruments.

Key words : Parkia gigantocarpa, density, anisotropic shrinkage, mechanical properties

 

1 Mestranda do Programa de Pós Graduação em Ciências Florestais e Ambientais, Faculdade de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT. E-mail: marielecm@gmail.com
2 Professor do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT, Campus Sinop. E-mail: patyrigatto@gmail.com; mirandaufpr@yahoo.com.br
3 Engenheiro Florestal da EMPAER, Sinop, Mato Grosso. E-mail: rondonev@hotmail.com

 

Literatura Citada

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS (ASTM). ASTM D 143-94: Standard test methods for small clear specimens of timber. Philadelphia, 1995.

BARRICHELO, L. E. G.; BRITO, J. O. Variação longitudinal e radial da madeira de Eucalyptus grandis. In: CONGRESSO ANUAL DA ABCP, 1984, São Paulo. Anais... São Paulo, 1984. p.403-409.

CARVALHO, A. Madeiras Portuguesas - Estrutura Anatômica, Propriedades, Utilizações. vol.I. Lisboa: Instituto Florestal, 1996. 340p.

CHIES, D. Influência do espaçamento sobre a qualidade e o rendimento da madeira serrada de Pinus taeda L. 2005, 123f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

COLLI, A. Caracterização da madeira de paricá (Schizolobium amazonicum) Huber ex. Ducke e propriedades de chapas de partículas aglomeradas com diferentes porções de fibras de coco (Cocos nucifera L.). 2007, 64f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, 2007.

COMISIÓN PANAMERICANA DE NORMAS TÉCNICAS (COPANT). COPANT 462: Método de determinación de la contracción. Buenos Aires, 1972.

GOMES, J. M; CARVALHO, J. O. P.; SILVA, M. G.; NOBRE, D. N. V.; TAFFAREL, M.; FERREIRA, J. E. R.; SANTOS, R. N. J. Sobrevivência de espécies arbóreas plantadas em clareiras causadas pela colheita de madeira em uma floresta de terra firme no município de Paragominas na Amazônia brasileira. Acta Amazônica, Manaus, v.40, n.1, p. 171-178, 2010.

GOMES, J. J.; TOLEDO FILHO, R. D.; NASCIMENTO, J. W. B.; SILVA, V. R.; NÓBREGA, M. V. Características tecnológicas da Prosopis juliflora (Sw.) DC. e alternativas para uso racional. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.11, n.5, p.537-542, 2007.

HASELEIN, C. R.; LOPES, M. C.; SANTINI, E. J.; LONGHI, S. J.; ROSSO, S.; FERNANDES, D. L. G.; MENEZES, L. F. Características tecnológicas da madeira de árvores matrizes de Eucalyptus grandis. Ciência Florestal, v.14, n.2, p. 145-155, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA). Madeiras Brasileiras. Disponível em <http://www.ibama.gov.br/lpf/madeira/caracteristicas.php?ID=570&caracteristica=301>. Acesso em: 20 jul. de 2011.

LOGSDON, N. B.; FINGER, Z.; ROSA, L. M. Caracterização da madeira de Vochysia guianensis Aubl. Engenharia Civil, n.29, p. 57-69, 2007.

MORESCHI, J. C. Propriedades tecnológicas da madeira. Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

OLIVEIRA, J. T. S.; SILVA, J. C. Variação radial da retratibilidade e densidade básica da madeira de Eucalyptus saligna Sm. Revista Árvore, v.27, n.3, p. 381-385, 2003.

PAULA, J. E.; ALVES, J. L. H. Madeiras nativas: anatomia, dendrologia, dendrometria, produção e uso. Brasília (DF): Fundação Mokiti Okada – MOA, 1997. 543p.

PINHEIRO, K. A. O.; CARVALHO, J. O. P.; QUANZ, B.; FRANCEZ, L. M. B.; SCHWARTZ, G. Fitossociologia de uma área de preservação permanente no leste da Amazônia: indicação de espécies para recuperação de áreas alteradas. Floresta, v.37, n.2, p.175-187, 2007.

RONDON, E. V. Estudo de biomassa de Tectona grandis L.F. sob diferentes espaçamentos no estado de Mato Grosso. Revista Árvore, v.30, n.3, p. 337-341, 2006.

TONINI, H.; JUNIOR, M. M. C. O.; SCHWENGBER, D. Crescimento de espécies nativas da Amazônia submetidas ao plantio no Estado de Roraima. Ciência Florestal, v.18, n.2, p. 151-158, 2008.

VIDAL, E.; VIANA, V. M.; BATISTA, J. L. F. Crescimento de floresta tropical 3 anos após colheita de madeira com e sem manejo florestal na Amazônia oriental. Scientia Forestalis, n.61, p. 133-143, 2002.

Citado Por

Faustino, C. de L.; Wadt, L. de O. Resistência Mecânica do Pericarpo de Frutos de Bertholletia excelsa Bonpl. (Lecythidaceae). Revista Ciência da Madeira, v.5, n.1, p.25-33, 2014. doi

Artigos Relacionados

Dados da Publicação

Publicado em: 
Revista Ciência da Madeira

Paginação: 
55-65

ISSN: 
2177-6830

Digital Object Identifier: 
10.12953/2177-6830.v03n02a09

Fascículo (volume/número/ano): 
3 / 2 / 2012

Editor: 
Universidade Federal de Pelotas