Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Florística e Ecologia de Samambaias e Licófitas como Indicadores de Conservação Ambiental

DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v4n4p40-44

http://periodicos.unifap.br/index.php/biota/index 

downloadpdf

Camila de C. Travassos1, Mario A. G. Jardim2 & Sebastião Maciel3

 

Resumo: O objetivo da pesquisa foi caracterizar a diversidade florística e os padrões ecológicos de samambaias e licófitas do Parque Ecológico Gunnar Vingren como elementos indicadores a conservação ambiental. Foi analisada a composição florística e os padrões ecológicos pela forma de vida, tipo de substrato e habitat. Foram registradas 12 famílias, 22 gêneros e 28 espécies, sendo Palhinhaea cernua (L.) Franco & Vasc., a única representante das licófitas. Pteridaceae, Dryopteridaceae e Polypodiaceae apresentaram o maior número de espécies e Thelypteris Schmidel, Elaphoglossum Schott ex J. Sm, Didymoglossum Desv. e Microgramma C. Presl com mais espécies. A forma de vida epífita foi dominante em 46,5% das espécies; o tipo de substrato mais comum foi o corticícola com 46,5% e a floresta de várzea registrou 32% do total das espécies. A composição de espécies exclusivas em determinado habitat contribuiu como indicativo do grau de conservação e perturbação no ambiente, portanto, necessários para o planejamento ambiental do Parque.

Palavras-chave: epífitas, parque urbano, ecossistemas amazônicos.

 

Abstract: The objective of the research was to characterize the floristic diversity and ecological patterns of ferns and lycophytes Ecological Park Gunnar Vingren as elements bookmarks environmental conservation. Floristic composition and ecological standards for the way of life, type of substrate and habitat was analyzed. 12 families, 22 genera and 28 species being Palhinhaea cernua (L.) Franco & Vasc were recorded. The only representative of the lycophytes. Pteridaceae, Dryopteridaceae and Polypodiaceae had the highest number of species and Thelypteris Schmidel, Elaphoglossum Schott ex J. Sm, Didymoglossum Desv. and Microgramma C. Presl and more species. The form of epiphytic life was dominant in 46.5% of the species; the most common type of substrate corticícola with 46.5% and floodplain forest with 32% of total species. The unique composition of species in a given habitat contributes to indicate the level of disturbance in conservation and environment, so necessary for environmental planning of the Park.

Key words: epiphytes, urban park, amazonian ecosystems.

 

1 Graduada em Ciências Biológicas, Universidade Federal do Pará. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Biológicas (concentração Botânica Tropical), Museu Paraense Emílio Goeldi/Universidade Federal Rural da Amazônia. E-mail: travassoscamila@hotmail.com
2 Graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal Rural da Amazônia. Doutorado em Ciências Biológicas, Universidade Federal do Amapá. Pesquisador Titular, Museu Paraense Emílio Goeldi (Coordenação de Botânica). E-mail: jardim@museu-goeldi.br
3 Graduado em Ciências Biológicas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. Mestre em Botânica, Universidade Federal Rural da Amazônia/Museu Paraense Emílio Goeldi. E-mail: macielbio@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

BRADE, A. C. 2003. O gênero Elaphoglossum (Pteridophyta) no Brasil. Apresentação póstuma do texto inédito. Disponível em: http://www.saude.unisinos.br/pteridos. Acesso em: 14 jun. 2006.

BOLDRIN, A. H. L. & PRADO, J. Pteridófitas terrestres e rupícolas do Forte dos Andradas, Guarujá, São Paulo, Brasil. Boletim Botânico da Universidade de São Paulo, v.25, n.1,p.1-69, 2007.

COSTA, J. M.; SOUZA, M. G. C.; PIETROBOM, M. R. Levantamento florístico das pteridófitas (Licophyta e Monilophyta) do Parque Ambiental de Belém (Belém, Pará, Brasil). Biologia Neotropical, v.3, n.1, p.4-12, 2006.

COSTA, J. M.; PIETROBOM, M. R. Pteridófitas (Lycophyta e Monilophyta) da Ilha de Mosqueiro, município de Belém, estado do Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Naturais, v.2, n.3, p.45-55, 2007.

COSTA, J. M.; PIETROBOM, M. R. Samambaias e licófitas do Parque Ecológico do Gunma, município de Santa Bárbara do Pará, estado do Pará, Brasil. Rodriguésia, v.61, n.2,p.223-232,2010.

EBIHARA, A; DUBUISSON, J.; IWATSUKI, K.; HENNEQUIN, S.; ITO, M.A taxonomic revision of Hymenophillaceae. Blumea, v.51, n.2,p.221280, 2006.

FERREIRA, L. S. L.; COSTA, J. M.; PIETROBOM, M. R. As pteridófitas. In: JARDIM. M. A. G. (Org.). Diversidade biológica das áreas de proteção ambiental Ilhas do Combu e Algodoal-Maiandeua, Pará, Brasil. MPEG/MCT/CNPq, Belém, p. 13-40, 2009.

FERREIRA, L. V.; PAROLIN, P.; MUÑOZ, S. M.; CHAVES, P. P. O efeito da fragmentação e isolamento florestal das áreas verdes da Região Metropolitana de Belém. Pesquisas, Botânica, n.63,p.357-367, 2012.

FREITAS, C. A. A.; PRADO, J. Lista anotada das pteridófitas de florestas inundáveis do alto Rio Negro, Município de Santa Isabel do Rio Negro, AM, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v.19, n.2,p.399-406, 2005.

GENTRY, A. H.; DODSON, C. H. Diversity and Biogeography of Neotropical vascular epiphytes. Missouri Botanical Garden, v.74, n.2,p.205-236, 1987.

KRAMER, K. U.; GREEN, P. S. The families and genera of vascular plants: I Pteridophytes and Gymnosperms. New York: SpringerVerlag, 17-46p., 1990.

LELLINGER, D. B. A modern multilingual glossary for taxonomic pteridology. American Fern Society: Pteridologia 3A, 1. ed. Washington: American Fern Society, Inc., 1-263 p., 2002.

LEÃO, N.; ALENCAR, C.; VERÍSSIMO, A. Belém Sustentável 2007. Belém: IMAZOM - Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, 140 p., 2008.

LOBADA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. D. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, v.1, n.1, p.125-139, 2005.

MACIEL, S.; SOUZA, M. G. C.; PIETROBOM, M. R. Licófitas e monilófitas do Bosque Rodrigues Alves Jardim Botânico da Amazônia, município de Belém, estado do Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Naturais, v.2, n.2, p.69-83, 2007.

MADISON, M. Vascular epiphytes: their systematic occurrence and salient features. Selbyana, v.2, n.1,p.1-13, 1977.

MORAN, R. C. Monograph of the Neotropical fern genus Polybotrya (Dryopteridaceae). Illinois Natural History Survey Bulletin, v.34, n.1, p.1-137, 1987.

MORAN, R. C.; SMITH, A. R. Phytogeographic relationships between neotropical and African-Madagascar pteridophytes. Brittonia, v.53, n.2, p.304-351, 2001.

PARRIS, B. S. Circum-Antarctic continental distribution patterns in pteridophyte species. Brittonia, v.53, n.2, p.270-283, 2001.

PEREIRA, A. F. N.; BARROS, I. C. L.; SANTIAGO, A. C. P.; SILVA, I. I. A. Florística e distribuição geográfica das samambaias e licófitas da Reserva Ecológica de Gurjaú, Pernambuco, Brasil. Rodriguésia, v.62, n.1,p.1-10, 2011.

PIRES, J. M. Tipos de vegetação da Amazônia. O museu Goeldi no ano do sequicentenário: publicações avulsas, v.20, p.179202, 1973.

RODRIGUES, S. T.; ALMEIDA, S. S.; ANDRADE, L. H. C.; BARROS, I. C. & VAN DEN BERG, M. E. Composição florística e abundância de pteridófitas em três ambientes da bacia do rio Guamá, Belém, Pará, Brasil, Acta amazonica, v.34, n.1,p.35-42, 2004.

SCHMITT, J. L.; FLECK, R.; BURMEISTER, L. E; RUBIO, M. A. K. Diversidade e formas biológicas de pteridófitas da Floresta Nacional de Canela, Rio Grande do Sul: contribuições para o plano de manejo. Pesquisas, Botânica, n.57,p.275-288, 2006.

SEMMA – Secretária Municipal do Meio Ambiente. Disponível em: http://www.belem.pa.gov.br/app/c2ms/v/?id=10&conteudo=2715. Acesso: 03 jun. 2013.

SENNA, R. M.; WAECHTER, J. L. Pteridófitas de uma floresta com araucária. 1. Formas biológicas e padrão de distribuição geográfica. Hieringia, v.48, n.1,p.41-58, 1997.

SHARPE, J. M.; MEHLTRETER, K.; WALKER, L. R. Ecological importance of ferns.In: MEHLTRETER, K.; WALKER, L. R.; SHARPE, J. M. Fern Ecology. 1. ed. New York: Cambridge University press.1-17p., 2010.

SMITH, A. R. Revision of the Neotropical fern genus Cyclodium. American Fern Journal, v.76, n.2,p.56-98, 1986.

SMITH, A. R. Thelypteridaceae. In: KRAMER, K.U.; GREEN, P. S. (eds.). The families and genera of vascular plants, v.1. Pteridophytes and Gymnosperms. Springer Verlag. Berlin, v. 1, 263-272p., 1990.

SMITH, A. R.; PRYER, K. M.; SCHUETTPELZ, E.; KORALL, P.; SCHNEIDER, H.; WOLF, P. G. A classification for extant ferns. Taxon, v.55, n.3, p.705-731, 2006.

SMITH A.R.; PRYER, K.M.; SCHUETTPELZ, E.; KORALL, P.; SCHNEIDER, H. & WOLF, P.G. Fern Classification. In: The Biology and Evolution of Ferns and Lycophytes. Cambridge, Cambridge University Press. 417-467p., 2008.

TRYON, R. M.; TRYON, A. F. Ferns and allied plantas: with special reference to Tropical America. 1. ed. New York: SpringerVerlag, 1-857p., 1982. http://dx.doi.org/10.1007/978-1-4613-8162-4

TRYON, R. M.; TRYON, A. F.; KRAMMER, K. U. Pteridaceae. In: KRAMMER, K. U. & GREEN, P. S. The families and genera of vascular plants: I Pteridophytes and Gymnosperms. Vol. 1. New York: Springer – Verlag, 252-253p., 1990.

WINDISCH, P. G. Pteridófitas da região Norte-ocidental do Estado de São Paulo: Guia para estudo e excursões. 2. ed. São José do Rio Preto: UNESP, 37-41p., 1992.

W3 TROPICOS – MISSOURI BOTANICAL GARDEN. Disponível em: http://www.tropicos.org/. Acesso em: 03 jun. 2013.

ZUQUIM, G.; COSTA, F. R. C.; PRADO, J.; TUOMISTO, H. Guia de samambaias e licófitas do Rebio Uatumã: Amazônia Central. Manaus: Attema, design editorial, 194-195p., 2008.