Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Sujeito e Pentecostalismo

DOI: http://dx.doi.org/10.18328/2179-0019/plura.v6n1p117-143

http://www.abhr.org.br/plura/ojs/index.php/plura/index 

downloadpdf

Saulo Baptista1

 

Resumo: Este artigo apresenta, de forma sucinta, a categoria sujeito em Hinkelammert para fundamentar uma análise do pentecostalismo como movimento que pode ou não possibilitar a emergência do sujeito em meio às contradições de uma formação social capitalista. É feita a construção de um tipo ideal weberiano para destacar características do pentecostalismo que permitam a análise mencionada. O desenvolvimento do artigo se baseia na premissa de que uma aproximação entre essa ideia de sujeito e a descrição de experiências que o indivíduo vivencia no pentecostalismo permite identificar se existe ou não este afloramento do sujeito, e se a lógica institucional reprime essas manifestações, a ponto de inviabilizar sua emersão. Observa-se, adicionalmente, que o pentecostalismo tende a apresentar sinais de ruptura e continuidade na relação que mantém com a cultura brasileira estabelecida.

Palavras-chave: Sujeito. Pentecostalismo. Homem burguês. Capitalismo.

 

Abstract: This article presents, succinctly, the category subject in Hinkelammert, to support an analysis of Pentecostalism as a movement that may or may not enable the emergence of the subject amid the contradictions of a capitalist social formation. The construction is made of an weberian ideal-type to highlight features of Pentecostalism which allow the analysis mentioned. The development of the article is based on the premise that a rapprochement between the idea of subject and description of experiences that the individual experiences in Pentecostalism identifies whether or not this outcropping of the subject, and if institutional logic represses these manifestations, about to derail their emergence. There is, additionally, that Pentecostalism tends to show signs of rupture and continuity in the relationship it maintains with the Brazilian culture established.

Key words: Subject. Pentecostalism. Man bourgeois. Capitalism.

 

1 Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo e professor adjunto na graduação e mestrado em Ciências da Religião da Universidade do Estado do Pará. E-mail: saulo.baptista@gmail.com.

 

Literatura Citada

ANTONIAZZI, Alberto (et alli). Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

BÍBLIA SAGRADA. Tradução de João Ferreira de Almeida. Brasília: Sociedade Bíblica do Brasil, 1969. Edição revista e atualizada no Brasil.

BOBSIN, Oneide. A via da compaixão entre babel e pentecostes: desafios e propostas missionárias a partir da presença das igrejas pentecostais na realidade urbana. In: VV.AA. Desafios e propostas missionárias na realidade brasileira. São Leopoldo: CECA, 1997.

BOUDON, Raymond; BOURRICAUD, François. Dicionário crítico de Sociologia. Tradução de Maria Letícia Guedes Alcoforado e Durval Ártico. São Paulo: Ática, 1993.

COHN, Gabriel (org.). Weber. São Paulo: Ática, 1991. (Coleção Grandes Cientistas Sociais, nº 13).

CUNHA, Euclides da. Os sertões. São Paulo: Cultrix, 1973.

D’ÉPINAY, Christian Lalive. O refúgio das massas: estudo sociológico do protestantismo chileno. Tradução de Waldo A. César. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

DROOGERS, André. Visiones paradojicas sobre uma religion paradojica. Modelos explicativos del crecimiento del pentecostalismo en Brasil y Chile. In: BOUDEWIJNSE, Bárbara; DROOGERS, André; KAMSTEEG, Frans (editores). Algo más que opio: una lectura antropológica del pentecostalismo latinoamericano y caribeño. San José: DEI, 1991, p. 17-42.

DURKHEIM, Émile. Formas elementares da vida religiosa. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1996.

GOMES, Wilson. Nem anjos, nem demônios: o estanho caso das novas seitas populares no Brasil da crise. In: ANTONIAZZI, Alberto (et alli). Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do Pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Trad. Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003a.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Trad. de Flávio B. Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003b. (2003 v.I & 2003 v.II).

HABERMAS, Jürgen. Entre naturalismo e religião: estudos filosóficos. Trad. Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2007.

HABERMAS, Jürgen. O futuro da natureza humana. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

HINKELAMMERT, Franz. Crítica à razão utópica. São Paulo: Paulinas, 1988.

MARIZ, Cecília Loreto. Libertação e ética: uma análise do discurso de pentecostais que se recuperaram do alcoolismo. In: ANTONIAZZI, Alberto (et alli). Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

MARX, Karl. Teses sobre Feuerbach. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Obras escolhidas: volume 3. São Paulo: Alfa-Ômega, sd.

MELO NETO, João Cabral. Morte e Vida Severina e outros poemas para vozes. 4ª edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

PEIXOTO, Rodrigo. O envolvimento das Assembléias de Deus na política: as circunstâncias da região sul do Pará. Humanitas, Belém, v. 14, n. 1/2, jan./dez., 1998.

PETROVIC, Gajo. Alienação. In: BOTTOMORE, Tom (ed.). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988, p. 6-9.

PRIOR OLMOS, Angel. Alienação. In: MORENO VILLA, Mariano (dir.). Dicionário de pensamento contemporâneo. São Paulo: Paulus, 2000, p. 17-22.

SUNG, Jung Mo. Sujeito e sociedades complexas: para repensar os horizontes utópicos. Petrópolis: Vozes, 2002.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 2000.

WEBER, Max. A “objetividade” do conhecimento nas Ciências Sociais. In: Cohn, Gabriel. Weber. (Grandes cientistas sociais). São Paulo: Ática, 1991.

WEBER, Max. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

WILLEMS, Emilio. Followers of the new faith: culture change and the rise of Protestantism in Brazil and Chile. Nashville, Tenessee: Vanderbilt University Press, 1967.