Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Uso da Modelagem EES para Monitoramento dos Parâmetros de Efluentes Não Domésticos

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/2359-5302/ptr.v1n1p40-63

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/ptr/index 

downloadpdf

André T. Souza1, Vinicius F. Severino2, Lucas P. P. Faria3 & Elizabeth R. B. Ibrahim4

 

Resumo: O lançamento de efluentes, oriundos de fontes antrópicas, é deliberado das residências (esgoto doméstico) ou de processos produtivos (esgoto não doméstico), e podem ou não, receber tratamento para minimizar possíveis impactos nos cursos d´água. O tratamento do esgoto, que é um dos principais processos para o lançamento do esgoto no curso d’água, tem a finalidade de conseguir remover, a maior quantidade de poluentes possíveis. No monitoramento de efluentes, que é uma importante ferramenta de gestão ambiental, são apresentados valores dos parâmetros de uma amostra de efluente recolhida, o que pode também em alguns casos, caracterizar descartes deliberados em vários pontos da rede coletora de esgotos e sem a condição de identificar os agentes poluidores devido à mistura com o esgoto doméstico na rede coletora. Os efluentes que possuem parâmetros fora dos padrões estabelecidos pelas normas vigentes podem prejudicar o tratamento na estação de tratamento de esgoto e também causar prejuízos ao corpo d’água receptor. Desta forma o presente trabalho tem a finalidade de apresentar uma metodologia que possa fazer a análise da geração de efluentes industriais, mapeando a rede existente, coletora de efluentes e através do Programa Engineering Equation Solver (EES), monitorar os parâmetros e vazões nos coletores de uma área, criando um banco de dados com indicadores dos possíveis agentes poluidores.

Palavras-chave: Parâmetro. Efluente. Coletores. Mapeamento. EES.

 

Abstract: The release of effluents originating from anthropogenic sources, is deliberate residences (sewage) or processes (not domestic sewage), and may or may not receive treatment to minimize potential impacts on watercourses. Treatment of sewage, which is one of the major steps before launching the sewage into the water course, aims to be able to remove the most of the greater amount of pollutants. By monitoring effluent, which is an important environmental management tool will be presented parameter values in the sample of sewage. Possibly happen irregular discharges, which are thrown into the sewage collection system with irregular pattern, not possible to identify the pollutants due to mixing with the sewage domestic. The parameters outside of the standards established by current regulations may hinder treatment in sewage treatment bilge and also cause damage to the water body receptor. This way this work is intended to perform a technical analysis of an area that has industrial effluents, map the existing wastewater collection network, and through the Program Engineering Equation Solver (EES), monitored flow of the collectors of the analyzed area, raising indicators to identify potential polluters.

Key words: Parameter. Wastewater. Collectors. Mapping. ESS.

 

1 Graduando em Engenharia Ambiental e Sanitária, Centro Universitário Izabela Hendrix (CEUNI), tedfulgore@hotmail.com
2 Graduando em Engenharia Ambiental e Sanitária, Centro Universitário Izabela Hendrix (CEUNI), severino_vinicius@gmail.com
3 Doutor em Engenharia Mecânica., docente do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, Centro Universitário Izabela Hendrix (CEUNI), lucas.faria@izabelahendrix.edu.br
4 Doutora em Engenharia Florestal, coordenadora e docente do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, Centro Universitário Izabela Hendrix (CEUNI), elizabeth.ibrahim@izabelahendrix.edu.br

 

Literatura Citada

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. IEC 60529: Graus de proteção fornecida pelos invólucros (Código IP). Rio de Janeiro, 2005. 3 p.

BRASIL. Política Nacional Lei das Águas 9.433, 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989,

BRASIL. Lei Federal nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 9.984, de 17 de Julho de 2000. Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de Águas - ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e dá outras providências.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução CONAMA 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, Brasília, 2005.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução CONAMA n°403, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n°c357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução CONAMA n° 454, de 01 de novembro de 2012. Estabelece as diretrizes gerais e os procedimentos referenciais para o gerenciamento do material a ser dragado em águas sob jurisdição nacional.

ARSAE-MG. Resolução Normativa N°003, de 07 de outubro de 2010. Estabelece as condições gerais da prestação de serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário. Belo Horizonte, 2010a.

ARSAE-MG. Resolução ARSAE MG 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 – Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais – COPASA MG. Belo Horizonte, 2012a.

ARSAE-MG. Norma Técnica T.187/4, de 24 de Janeiro de 2012. Estabelece condições e critérios para o lançamento de efluentes líquidos não domésticos – END’s, no sistema de esgotamento sanitário da COPASA. Belo Horizonte, 2012a.

ANTÔNIO, Marco 2006 – Apostila de Programação de Microcontroladores PIC Usando Linguagem C. Vitoria, ES – Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo – CEFET – Ministério da Educação

ARAUJO, Roberto, 2011 – Esgoto Sanitário – Coleta, Transporte, Tratamento e reúso agrícola – 2ª Edição – Editora Blucher – FATEC SP – 2011

BERNHARDSEN, Tor. Geographic Information Systems: Anintroduction. 3nd ed. New York: John Wiley & Sons nc, New York 1999.

BRANCO, Samuel Murgel, 1986. Hidrobiologia aplicada à engenharia sanitária, São Paulo, 3 ed., CETESB/ASCETESB, 616p.

BURROUGH, P. A. Principal Software Geographic Information Systems for Landres Sources Assessment. New York : Oxford University Press:, 1986.

CARMOUZE, J. P., 1994. O Metabolismo dos ecossistemas aquáticos: fundamentos teóricos, métodos de estudo e análises químicas. São Paulo - Editora Edgard Blücher – FAPESP. 253p.

CASTRO, Alaor de Almeida, 2007 - Manual de Saneamento e Proteção Ambiental para os Municípios - Volume II. - DESA - 1997, 221p. ISBN: 85.8266.02.3.

CHERNICARO, Carlos Augusto de Lemos – Príncipios do tratamento biológico de Águas Residuárias, Volume I – 2ª Edição Revisada – Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental – DESA – UFMG –2003.

CUNHA, Cynara de Lourdes da Nóbrega - Avaliação da Poluição Por Esgoto Sanitário na Baía de Sepetiba Usando Modelagem Ambiental – XXVIII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental – Cancún – Mexico – 27 a 31 de Outubro de 2002.

DIAS, Genebaldo Freitas, 1991 – Educação Ambiental – Principios e Praticas – 9° edição – Editora Gaia LTDA

EMBRAPA - Fundamentos de Sistemas de Informações Geográficas; José Iguelmar Miranda, 2005.

ESTEVES, F. ª, 1988. Fundamentos de limnologia, Rio de Janeiro, - Editora Interciência Ltda – FINEP. 574p

F-CHART SOFTWARE, 2005. Engineering Equation Solver (EES): Commercial and Professional Versions. Madison, EUA, 297p

HELLER, L. & CASTRO, J.E. (2008) Política pública de saneamento: apontamentos teóricoconceituais. EngSanitAmbient, v. 12, n. 3, p. 284-295.

KUROSE, James F., 2008. Redes de Computadores e a Internet: Uma Abordagem Top-Down. São Paulo – 4 ª Reimpressão - Editora Pearson Education

LAUDON, Kenneth C., 1998. Sistemas de Informação com internet, Rio de Janeiro - 4 ª Edição – Editora LTC

MATTAR NETO, J.; KRÜGER, C.M.; DZIEDZIC, M. Análise de indicadores ambientais no reservatório do Passaúna. Engenharia Sanitária & Ambient., v .14, n. 2, p. 205-214, 2009.

MIRANDA, José Iguelmar, 2010 – Fundamentos do Sistema de Informações Geográficas – 2 ª Edição Revista e Atualizada – Embrapa Informação Tecnológica – Brasília - DF

NETTO, Azevedo, 1998 – Manual de Hidráulica - 8ª Edição – Editora Edgar Blucher LTDA.

NUNES, José Alves – Tratamento Químico Físico das Águas Residuárias – Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental – DESA – UFMG

NUVOLARI, Ariovaldo, 2011 – Esgoto Sanitário – Coleta, Transporte, Tratamento e reúso agrícola – 2ª Edição – Editora Blucher – FATEC SP – 2011

PHILIPPI, Arlindo Jr – Saneamento, Saúde e Ambiente – Fundamentos para um desenvolvimento Sustentável – Coleção Ambiental – Eidtora Manole – 1ª Edição – 2005

PRECEND – Cartilha Programa de Recebimento e Controle de Efluentes Não Domésticos. Belo Horizonte, 2005. 12p.

PRESSMAN, Roger S. Software Engineering: a Practitioner's Approach. 6. ed. McGraw-Hill, 2005. 51-53 p.

ROBINSON, A. H.. Elements of Cartography (6th. ed.). New York: John Wiley & Sons, Inc., 1995.

SÁNCHES, Luis Enrique, 2008 – Avaliação de Impactos Ambientais – Conceitos e Métodos - 1ª Edição – Editora Oficina de Textos.

SILBERSCHATZ, Abraham Avil, 2006. Sistema de Banco de Dados. Revisão Técnica - 5ªEdição – Elsevier Editora Ltda.

TIMMIS, Harold, 2011 – Technology in Action: The Process of Arduino Engineering, New York, EUA, Editor Springer Verlag NY

VON SPERLING, Marcos – Príncipios do tratamento biológico de Águas Residuárias, Volume I – 2ª Edição Revisada – Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental – DESA – UFMG – 2003.