Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Política Institucional de Inclusão Educacional: Um Processo a se Constituir

DOI: http://dx.doi.org/10.15599/0104-4834/cogeime.v24n46p77-91

https://www.redemetodista.edu.br/revistas/revistas-cogeime/index.php/COGEIME/index 

downloadpdf

Sandra R. C. de Souza1 & Carla C. D. Búrigo2

 

Resumo: Este artigo objetiva compreender o desenvolvimento da política institucional para a inclusão educacional de estudantes com transtorno específico de aprendizagem (TeA). É fruto de pesquisa realizada na universidade Federal de santa Catarina (uFsC) e caracteriza-se como estudo de caso. A pesquisa identificou que a política institucional de inclusão está em processo de desenvolvimento, mas ainda não trouxe resultados efetivos aos estudantes com TeA e que os gestores entrevistados sentem-se inseguros pela falta de formação e de apoio institucional. Contraditoriamente, são implantadas ações para o acesso dos estudantes aos cursos de graduação, mas não se desenvolvem ações para o acesso ao conhecimento acadêmico. Propomos ações relacionadas à formação e à gestão que fortaleçam o processo de desenvolvimento da política institucional de inclusão educacional.

Palavras-chave: universidade pública; política institucional de inclusão educacional; transtornos específicos de aprendizagem.

 

Abstract: This paper aims at understanding the development of an institutional policy for the educational inclusion of students with specific Learning Disorders (sLD) and it’s the result of a case-study research conducted at the Federal university of santa Catarina (uFsC). The research identified that the institutional inclusion policy is under development but has not brought effective results for students with sLD yet. It also found that the interviewed managers feel insecure due to the lack of training and institutional support. Paradoxically, actions for the  student’s access to undergraduate courses are implemented, but not those targeted to enable the access to academic knowledge. We propose training and management actions to strengthen the process of developing an institutional policy for educational inclusion.

Key words: public university; institutional policy for educational inclusion; specific learning disorders.

 

1 Graduada em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Administração Universitária pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atualmente é pedagoga em educação especial da Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: sandra.carrieri@hotmail.com.
2 Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestra em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, pedagoga da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professora convidada do Programa de Pós-Graduação em Administração Universitária (PPGAU/UFSC) e pesquisadora do Instituto de Pesquisas e Estudos em Administração Universitária (INPEAU/UFSC). E-mail: carla.burigo@ufsc.br.

 

Literatura Citada

ASSOCIAÇÃO Brasileira de Dislexia - ABD. Definição da dislexia. 2003. Disponível em: <http://www.dislexia.org.br/index.php/o-que-e-dislexia>. Acesso em: 4 abr. 2013.

ARRUDA, M. A. TDAH no Brasil: o que a Folha de SP não mostrou. Aprender Criança, 2011. Disponível em: <http://www.aprendercrianca.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=291:tdah-no-brasil-o-que-a-folha- de-sp-nao-mostrou&catid=1:timas&Itemid=147>. Acesso em: 15 mar. 2013.

BIANCHETTI, L.; CORREIA, J. A. In/exclusão no trabalho e na educação: aspectos mitológicos, históricos e conceituais. Campinas: Papirus, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de fevereiro de 2001a. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Especial na Educação Básica. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf‎> Acesso em: 10 jan. 2013.

BRASIL. Parecer nº 17, de 3 de julho de 2001b. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/index.php?option=content&task=view&id=120> . Acesso em: 10 jan. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC/Seesp, 2007a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2013.

BRASIL. Censo Escolar 2007: caderno de instrução. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 2007b. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/925483/Caderno-de-Instrucoes-para-Censo-Escolar-1204?page=12> . Acesso em: 20 fev. 2013

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Documento orientador Programa Incluir. Acessibilidade na educação superior. 2013. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=495> . Acesso em: 8 jan. 2013.

BUENO, J. G. S. A educação especial nas universidades brasileiras. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2002.

BÚRIGO, C. C. D. O trabalho acadêmico do professor universitário no processo de desenvolvimento do espaço público na universidade federal: um estudo de caso na Universidade Federal de Santa Catarina e na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 24, p. 5-15, set.-dez. 2003.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2000. Tabulação avançada: resultados preliminares da amostra. 2002. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/08052002tabulacao.shtm>. Acesso em 25 jul. 2012.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010: escolaridade e rendimento aumentam e cai mortalidade infantil. 2012. Disponível em: < http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=2125>. Acesso em: 25 jul. 2012.

MAGALHÃES, R. de C. Ensino superior no Brasil e inclusão de pessoas com deficiência. In: VALDÉS, M. T. M. (Org.). Inclusão de pessoas com deficiência no ensino superior no Brasil: caminhos e desafios. Fortaleza: EDUECE 2006.

MATISKEI, A. C. R. M. Políticas públicas de inclusão educacional: desafios e perspectivas. Educar, Curitiba, n. 23, 2004. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/educar/article/view/2159>. Acesso em: 18 nov. 2013.

MARTINS, J. de S. Exclusão social e a nova desigualdade. São Paulo: Paulus, 1997.

MEZADRI, L. dos S. Intervenções psicopedagógicas em alunos disléxicos na aprendizagem da língua inglesa. In: WAJNSZTEJN, A. C.; WAJNSZTEJNA, R. Dificuldades escolares: um desafio superável. 2 . ed. São Paulo: Ártemis, 2009.

MOREIRA, L. C. In(ex)clusão na universidade: o aluno com necessidades educacionais especiais em questão. Revista Educação, n. 25, 2005. Disponível em: < http://coralx.ufsm.br/revce/ceesp/2005/01/a3.htm>. Acesso em: 23 jul. 2012.

MOREIRA, L. C. Acesso e permanência de pessoas com necessidades especiais no Ensino Superior. Ponto de Vista - Revista de Educação e Processos Inclusivos, Florianópolis, n. 10, 2008.

MOREIRA, L. C. Dossiê: educação inclusiva: das políticas às práticas educacionais. Educação em Revista, Curitiba, n. 41, jul.-set. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602011000300002&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 23 jul. 2012.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. A história não contada dos distúrbios de aprendizagem. Cadernos Cedes, Campinas, n. 28, p. 31-48, 1992.

PATTO, M. H. S. Políticas atuais de inclusão escolar: reflexão a partir de um recorte conceitual. In: BUENO, J. G. S. B.; MENDES, G. M. L.; SANTOS, R. A. dos. (Orgs.). Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara: J. M., 2008.

RODRIGUES, D. Dez ideias (mal) feitas sobre a educação inclusiva. In: RODRIGUES, D. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006.

SOUZA, S. R. C. Política institucional de inclusão educacional: desafios e possibilidades na Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração Universitária em) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

THOMA, A. da S. A inclusão no ensino superior: ninguém foi preparado para trabalhar com esses alunos (…) Isso exige certamente uma Política Especial… 2006. Disponível em: < http://29reuniao.anped.org.br/trabalhos/trabalho/GT152552--Int.pdf >. Acesso em: 11 jun. 2013.

UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Plano de Desenvolvimento Institucional 2010-2014. 2009. Disponível em: <http://pdi.paginas.ufsc.br>. Acesso em: 1 abr. 2013.

UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Portaria nº 1752/GR/2012. 31 out. 2012a. Disponível em: <http://notes.ufsc.br/aplic/portaria.nsf>. Acesso em: 19 dez. 2012.

UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Coordenadoria de Avaliação e Apoio Pedagógico – CAAP. 2012b. Disponível em: <http://prograd.ufsc.br/?s=CAAP&x=11&y=12> . Acesso em: 1 set. 2013.

UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Portaria nº 1522/GR/2013. 8 ago. 2013a. Disponível em: <http://notes.ufsc.br/aplic/portaria.nsf>. Acesso em: 1 set. 2013.

UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Relatório de Pró-Reitoria de Ensino de Graduação. UFSC. Departamento de Administração Escolar. Florianópolis. Documento Interno. 2013b.

UNICEF BRASIL – Fundo das Nações Unidas para a Infância. Educação no Brasil melhora, mas desigualdades ainda criam barreiras. 2009. Disponível em: <http://www.unicef.org/brazil/pt/media_14931.htm> Acesso em: 22 abr. 2013.