Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Compensação dos Gestores, a Sustentabilidade Empresarial e a Performance das Empresas Brasileiras

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/1679-5350/rau.v13n2p186-212

http://www.raunimep.com.br/ojs/index.php/regen/index

downloadpdf

Thayse M. Guimarães1 & Fernanda M. Peixoto2

 

Resumo: Os temas governança corporativa e sustentabilidade empresarial são analisados, especialmente, em relação à performance das organizações. Espera-se que a maior preocupação com a gestão transparente das empresas, com seus conselhos de administração e com os demais stakeholders, bem como o maior envolvimento das organizações com o ambiente, com a economia e com a sociedade, possibilitem às empresas maior eficiência econômica, confiança aos investidores, melhorias na imagem, captação vantajosa de recursos financeiros e vantagem competitiva. Pela análise da literatura a respeito destes dois temas, não se pode inferir que o fato da empresa apresentar boa performance seja garantia de maiores compensações a seus gestores e vice-versa. Ademais, não há um consenso a respeito dos investimentos em sustentabilidade, pois há casos em que as organizações que não fazem parte do ISE apresentam melhores indicadores de performance financeira. Desse modo, este trabalho tem por objetivo identificar a influência da compensação dos gestores e da sustentabilidade empresarial na performance das empresas brasileiras não financeiras da BM&FBovespa de 2009 a 2013. A investigação envolveu este período, visto que, por meio da instrução da CVM 480 de 2009, as empresas de capital aberto foram obrigadas a apresentar informações detalhadas sobre a remuneração dos administradores. A respeito da metodologia, esta pesquisa classifica-se como descritiva, quantitativa e de levantamento. Foram utilizados dados secundários de 236 empresas, considerando-se fontes como: (i) Formulário de Referência da CVM e Relatório 20-F da SEC para obtenção das variáveis de compensação dos gestores; (ii) Carteiras do ISE da BM&FBovespa para identificação das empresas listadas ou não no ISE; (iii) Carteiras do IGC da BM&FBovespa para identificação das empresas listadas no Novo Mercado; e (iv) Economática para obtenção das variáveis de desempenho, valor e de controle. Em relação às variáveis, além da remuneração fixa concedida aos executivos, foram construídos três índices, por meio da técnica de análise dos componentes principais, os quais refletem a qualidade da remuneração dos gestores. A sustentabilidade empresarial foi observada pela participação ou não no ISE da BM&FBovespa. Já a performance organizacional foi avaliada conforme indicadores de desempenho contábil, medido pelo retorno do ativo, e de valor de mercado, apurado pelo market-to-book e pelo Q de Tobin. Para realizar a análise das relações propostas, utilizou-se o software Stata 11 e trabalhou-se com modelos de regressão com dados em painel. Pelos resultados obtidos, é possível inferir que as organizações, que concedem melhores compensações a seus gestores, tendem a possuir melhores indicadores de desempenho contábil e maior valor de mercado, mas não foi observada relação estatisticamente significativa com o indicador de sustentabilidade empresarial.

Palavras-chave: Compensação dos Gestores. Sustentabilidade Empresarial. Desempenho Contábil. Valor de Mercado. Organizações.

 

Abstract: The corporate governance and sustainability subjects are analyzed, especially, in relation to the organizations’ performance. It is expected that the concern with companies’ transparent management, their boards and other stakeholders, as well as the greater involvement of organizations with the environment, the economy and society, allow companies greater economic efficiency, confidence to investors, improvements in image, advantageous fundraising and competitive advantage. From the literature about these topics, it is not possible to infer that company which has good performance will offer higher managers’ compensation, conversely. Moreover, there is no consensus about sustainability investments, because there are cases where organizations which are not listed on ISE show better financial performance indicators. In this way, this study aims to identify the influence of managers’ compensation and corporate sustainability in the performance of non-financial brazilian companies of BM&FBovespa from 2009 to 2013. This period is justified, because, since the CVM Instruction 480 2009, public companies were required to submit detailed information about the executives’ compensation. Regarding the methodology, this research is descriptive, quantitative and survey. Secondary data of 236 companies were used, considering sources such as: (i) CVM Reference Form and Form 20-F SEC to obtain executives’ compensation variables; (ii) ISE Portfolios of the BM&FBovespa to identify the companies listed or not in the ISE; (iii) IGC Portfolios of the BM&FBovespa to identify the companies listed on the New Market; and (iv) Economática to obtain the performance, value and control variables. About the variables, in addition to the fixed executives’ compensation, three indexes were constructed by means of principal component analysis technique, which reflect the quality of the executives’ compensation. The corporate sustainability was observed by companies listed or not in ISE of BM&FBovespa. The organizational performance was analyzed according to accounting performance indicators, measured by asset return, and market value was determined by market-to-book and the Tobin's Q indexes. To perform the analysis of the proposed relations, it was used Stata 11 software and regression models with panel data. It was possible to infer that companies which provide better executives’ compensations tend to have better accounting performance and higher market value. However, there was no statistically significant relationship with ISE.

Key words: Executives’ Compensation. Corporate Sustainability. Accounting Performance. Market Value. Organizations.

 

1 UFU. Email: thaysemg.adm@gmail.com
2 UFU. Email: fmacielpeixoto@gmail.com

 

Literatura Citada

ALVES, D. L. Sustentabilidade: estado da arte e um estudo de evento sobre o índice de sustentabilidade empresarial. 2008. 143f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Gestão e Negócios, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2008.

BALAFAS, N.; FLORACKIS, C. CEO compensation and future shareholder returns: Evidence from the London Stock Exchange. Journal of Empirical Finance, v. 27, p. 97–115, jun. 2013. Disponível em: <http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0927539813000789>. Acesso em 7 mar. 2014.

BARONTINI, R.; BOZZI, S. Executive compensation and ownership structure : Empirical evidence for Italian listed companies. Disponível em: <http://www.efmaefm.org/0EFMAMEETINGS/EFMAANNUALMEETINGS/2008-athens/Bozzi.pdf>. Acesso em 07 mar. 2014.

BEATO, R. S.; SOUZA, M. T. S.; PARISOTTO, I. R. S. Rentabilidade dos índices de sustentabilidade empresarial em bolsas de valores: um estudo sobre o ISE/Bovespa. Revista de Administração e Inovação - RAI, v. 6, n. 3, p. 108-127, 2009.

BEUREN, I. M.; BECK, F.; SILVA, J. O. Remuneração variável dos empregados versus aspectos organizacionais das maiores sociedades anônimas do Brasil. Revista Economia & Gestão da PUC Minas, v. 12, n. 29, 2012.

BM&FBOVESPA. Livro do ISE. Disponível em: <http://www.isebvmf.com.br>. Acesso em 7 mar. 2014.

CAMARGOS, M.; HELAL, D. Remuneração executiva, desempenho econômico-financeiro ea estrutura de Governança Corporativa de empresas brasileiras. In: XXXI Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ENANPAD), Rio de Janeiro, 2007.

CARVALHAL DA SILVA, A. L.; CHIEN, A. C. YI. Remuneração Executiva, Valor e Desempenho das Empresas Brasileiras Listadas. Revista Brasileira de Finanças (Online), v. 11, n. 4, p. 481-502, 2013.

CARVALHAL, A.; TAVARES, E. Does social responsability enhance firm value and return brazil?. Corporate Ownership & Control, v. 10, n. 2, p. 253–258, 2013.

CONYON, M.; HE, L. Executive compensation and corporate governance in China. Journal of Corporate Finance, 2011. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0929119911000472>. Acesso em 07 mar. 2014.

CORREIA, L. F. Um Índice de Governança para Empresas no Brasil. 2008. 274 f. Tese (Doutorado em Administração) - Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD-FACEUFMG), Belo Horizonte, 2008.

CORREIA, L. F.; AMARAL, F. H.; LOUVET, PASCAL. Remuneração, Composição do Conselho de Administração e Estrutura de Propriedade: Evidências Empíricas do Mercado Acionário Brasileiro. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 7, n. 1, p.2-37, 2014.

DALMACIO, F. Z.; REZENDE, A. J.; SLOMSKI, V. Análise setorial das medidas de performance utilizadas nos contratos de remuneração dos gestores. Revista Universo Contábil, v. 5, n. 3, 2009.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. Makron Books, 2001.

FARIAS, K. T. R. Mecanismos de controle do reporting financeiro das companhias abertas do Brasil. 2012. 192 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Departamento de Contabilidade e Atuária da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FUNCHAL, J. A.; TERRA, P. R. S. Remuneração de Executivos, Desempenho Econômico e Governança Corporativa: um Estudo Empírico em Empresas Latino-Americanas. In: XXX Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ENANPAD), Salvador, 2006.

GARCIA, A. S.; ORSATO, R. J. Índices de sustentabilidade empresarial: porque participar ? In: XXXVII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ENANPAD), Rio de Janeiro, 2013.

GREENE, W. H. Econometric Analysis. New Jersey: Pearson Education, Prentice Hall, 2002.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria Básica. 5ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2011.

HENDERSON, H. Mercado Ético: A Força do Novo Paradigma Empresarial. SP, Cultrix, 2007. p. 182.

ISE, Índice de Sustentabilidade Empresarial. Disponível em: http://www.isebvmf.com.br/> Acesso em 07 de Março de 2014.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and capital structure. Journal of Financial Economics. v. 3, n. 4, p. 305-360, 1976.

KAPLAN, S. Executive compensation and corporate governance in the US: perceptions, facts and challenges. National Bureau of Economic Research. 2012. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=2134208>. Acesso em 07 mar. 2014.

KAPLAN, S.; RAUH, J. Wall Street and Main Street: What contributes to the rise in the highest incomes? NBER Working Paper, 2009. Disponível em: <http://www.nber.org/papers/w13270>. Acesso em 07 mar. 2014.

KRAUTER, E. Remuneração de Executivos e Desempenho Financeiro: Um Estudo com Empresas Brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 7, n. 3, p. 259-273, 2013.

LAMEIRA, V. J.; NESS JR., W, L.; QUELHAS, O, L, G.; PEREIRA, R, G. Sustainability, Value, Performance and Risk in the Brazilian Capital Markets. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, v. 15, n. 46, p. 76-90, 2013.

MACHADO, M. R.; MACHADO, M. A. V.; CORRAR, L. J. Desempenho do índice de sustentabilidade empresarial (ISE) da Bolsa de Valores de São Paulo. Revista Universo Contábil, v. 5, n. 2, p. 24-38, 2009.

MURPHY, K. J. Executive Compensation. 1998. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=163914>. Acesso em 07 mar. 2014.

NAGAR, A. L.; BASU, S. R. Weighting sócio-economic indicators of human development: a latente variable approach. In: ULLAH et al. (org.). Handbook of applied econometrics and statistical inference. New York: Marcel Dekker, 2002. Cap. 29.

NUNES, J. G.; TEIXEIRA, A. J. C.; NOSSA, V.; GALDI, F. C. Análise das variáveis que influenciam a adesão de empresas ao índice BM&FBovespa de sustentabilidade empresarial. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 7, n. 4, 2010.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVOLOPMENT. OECD Principles of Corporate Governance. Paris: OECD, 2004.

PEIXOTO, F. M. Governança corporativa, desempenho, valor e risco: estudo das mudanças em momentos de crise. 2012. 216 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2012.

PEROBELLI, F.; LOPES, B. DE S.; SILVEIRA, A. D. M. Planos de opções de compra de ações e o valor das companhias brasileiras. Revista Brasileira de Finanças, v. 10, n. 1, p. 105–147, 2012.

PINTO, M. B; LEAL, R. P. C. Ownership Concentration, Top Management and Board Compensation. RAC – Revista de Administração Contemporânea, v. 17, n. 3, p. 304-324, 2013.

ROSSI JR., J, L. What is the Value of Corporate Social Responsibility? An Answer from the Brazilian Sustainability Index. Disponível em http://ssrn.com/abstract=1338114. Acesso em 07 mar.2014.

SAMPAIO, M. N. L. Governança Corporativa e Remuneração de Executivos no Brasil. 2009. 33 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Instituto COPPEAD de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

SILVA, P. C. C. Transparência de Remuneração de Executivos e Governança Corporativa no Brasil. 2010. 32 f. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) – Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2010.

SILVEIRA, A. D. M. Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. 2004. 250 f. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), São Paulo, 2004.

SONZA, I. B. Eficiência em estruturas de propriedade concentradas e compensação de executivos: novas evidências para o Brasil. 2012. 326f. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, RS), Escola de Administração, Rio Grande do Sul-RS, 2012.

SUHERMAN; RAHMAWATI, W.; BUCHDADI, A. D. Firm Performance, Corporate Governance, and Executive Compensation in Financial Firms: Evidence from Indonesia. n. 1, p. 1–10, 2011. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=1805532>.

VICTOR, F.; TERRA, P. Determinantes do nível de evidenciação da remuneração por meio de opções de ações no Brasil. In: XXXIII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ENANPAD), São Paulo, 2009.

VITAL, J. T.; CAVALCANTI, M. M.; DALLO, S.; MORITZ, G. O.; COSTA, A. M. A influência da participação no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) no Desempenho Financeiro das empresas. Revista de Ciências da Administração, v. 11, n. 24, p. 11-40, 2009.

WONG, S. C. Y. Uses and Limits of Conventional Corporate Governance Instruments: Analysis and Guidance for Reform (Integrated version). Private Sector Opinion, Global Corporate Governance Forum. 2009. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=1409370>. Acesso em 07 mar. 2014.

WOOLDRIDGE, J. M. Econometric Analysis of Cross Section and Panel Data. London: MIT Press, 2002.