Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Perfil Epidemiológico da Hanseníase no Município de Gurupi, Tocantins, Brasil, entre 2003 e 2013

DOI: http://dx.doi.org/10.18605/2175-7275/cereus.v7n2p43-58

http://ojs.unirg.edu.br/index.php/1/index 

downloadpdf

Marcos G. da Silva1, Winglerson dos S. Cordeiro2, Amanda P. da Costa3 & Érica E. L. Gontijo4

 

Resumo: Introdução: A Hanseníase trata-se de uma doença infectocontagiosa, causada pelo Mycobacterium leprae e manifesta-se por meio de lesões neuro-dermatológicas. Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico da hanseníase no município de Gurupi no Estado de Tocantins entre 2003 e 2013. Metodologia: Foi feita análise retrospectiva das fichas de atendimento de pacientes com hanseníase na policlínica municipal de Gurupi, Tocantins, Brasil. A variável dependente analisada foi a baciloscopia positiva e as variáveis independentes foram: faixa etária, estado civil, ocupação, origem, sexo, tempo de surgimento das lesões até procurar tratamento, se tem casos na família, se apresentou reações adversas a poliquimioterapia, qual o tipo de reação adversa, tipo de paciente, forma clínica, tempo de tratamento e esquema terapêutico usado. Os dados foram tabulados no programa Epi-Info 3.3.2 sendo aplicada estatística descritiva. Resultados: Foram analisados dados 1324 pacientes. Foi observado um pico na incidência em 2004 com 381/100.000 habitantes e uma redução gradual até 93/100.000 habitantes em 2013. A maior parte tinham entre 31 e 40 anos, eram do sexo masculino, com profissão do lar, estudantes ou lavradores, a maior parte dos pacientes demoraram entre 7 e 12 meses para procurar tratamento, mais de 80% tinham casos na família, 30% apresentaram reações do tipo 2, a maior parte eram paucibacilares, a forma clínica mais encontrada foi a tuberculoide, a maior parte se tratou por um período de 7 a 12 meses e os medicamentos usados foram, Rinfapsina, dapsona e clofazimina. Conclusão: A incidência da hanseníase no município esta reduzindo de forma gradual na última década.

Palavras-chave: Hanseníase, Poliquimioterapia, Perfil epidemiológico

 

Abstract: Hanseniasis or Hansen disease is seen as an infectious and contaminating disease caused by Mycobacterium Leprae which manifests through dermal and neurologic lesions. Objective: To describe the epidemiologic profile of hanseniasis in the municipality of Gurupi-Tocantins state in the period 2003 – 2013. Methods: A retrospective analysis of consultation charts of all patients presenting the disease was carried out at the municipal clinic in Gurupi, Tocantins, Brazil. The dependent variable we analyzed was a positive presence of the bacillus and the independent variables were: age range, civil status, occupation, origin, genre, duration of the lesions up to the time seeking treatment, presence of cases in the family, if adverse reactions were present when using poly chemical therapy, what was the type of adverse reaction, mode of clinical treatment, treatment time and therapeutic approach used. Data were entered in the program Epi-Info 3.3.2 and descriptive statistics was obtained. Results: Data from 1324 patients were analyzed. Peak incidence of the disease was observed in 2004 with a frequency of 381/100.000 inhabitants and a gradual reduction to 93/100.000 inhabitants was observed in 2013. Most affected patients were in the age range between 31 and 40 years old, they were mostly males, working at home, students or peasants, it took about 7-12 months for those affected to seek treatment, more than 80% cases were reported in the family, 30% demonstrated type 2 lesions, most of these lesions were slow bacillus and the most common form of the disease was the tuberculoid one. Most people was treated for a period of 7-12 months and most common medications used were Rinfasin, Dapsone, and Clifozamin. Conclusion: Incidence of Hansen disease in the Gurupi municipality is being gradually reduced in the last decade.

Key words: Hansen Disease, Poly Chemotherapy, Epidemiological Profile

 

1 Doutor em Medicina Tropical e Saúde Pública. Professor Adjunto de parasitologia do Centro Universitário UNIRG em Gurupi, Tocantins. Av. Rio de Janeiro entre ruas 9 e 10, Centro, Gurupi - TO, Laboratório de Parasitologia, Fone: (63) 8126-9197. E mail para correspondência: gontijobio@yahoo.com.br
2 Graduado em Medicina pela Fundação UNIRG - Gurupi-TO. Médico-Clínico Geral da Pró-Rim de Gurupi.
3 Acadêmica do curso de Medicina do Centro Universitário UNIRG em Gurupi, Tocantins.
4 Doutoranda em Ciências da Saude pela Faculdade de Medicina-UFG. Professora Adjunta do Centro Universitário UNIRG em Gurupi, Tocantins.

 

Literatura Citada

ARAÚJO, M. Hanseníase no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical2, v. 36, n. 1, p. 373–382, 2003.

BASSANEZE, B.; GONÇALVES, A.; PADOVANI, C. R. Características do processo de diagnóstico de hanseníase no atendimento primário e secundário. Diagnóstico e Tratamento, v. 19, n. 19, p. 61–67, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília. , 2006a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Informação e Informática do SUS. DATASUS. Informações de Saúde: Epidemiológicas e Morbidades. , 2006b.

BRASIL. Sistema nacional de vigilância em saúde : relatório de Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde Relatório de Situação. Secretaria de Vigilância em Saúde. – 4. ed. – Brasília. , 2009. Brasilia.

BRASIL. Sistema nacional de vigilância em saúde : relatório de situação : Tocantins / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – 5. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. Brasilia.

BRITO, K. K. G.; ARAÚJO, D. A. L.; UCHÔA, R. E. M. N.; et al. Epidemiologia da hanseníase em um estado do nordeste brasileiro. Revista de enfermagem, v. 8, n. 8, p. 2686–2693, 2014.

COOMBS, R.; GELL, P. The classification of allergic reactions underlying disease in clinical aspects of immunology. Davis, Philadelphia. 1963.

CRESPO, M. J. I.; GONÇALVES, A.; PADOVANI, C. R. Hanseníase: pauci e multibacilares estão sendo diferentes? Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e do Hospital das Clínicas da FMRP, v. 47, n. 1, p. 43–50, 2014.

DUARTE-CUNHA, M.; SOUZA-SANTOS, R.; MATOS, H. J. DE; OLIVEIRA, M. L. W. DE. Aspectos epidemiológicos da hanseníase: uma abordagem espacial. Cad. Saúde Pública, v. 28, n. 6, p. 1143–1155, 2012.

FOSS, N. T. EPISÓDIOS REACIONAIS NA HANSENÍASE. Medicina, v. 36, p. 453–459, 2003.

HELENE, L.; SALUM, M. A reprodução social da hanseníase: um estudo do perfil de doentes com hanseníase no Município de São Paulo. Caderno de Saúde Pública2, v. 18, n. 1, p. 101–113, 2002.

LAUTNER, M. A. F. A. Percepções sobre aspectos clínicos e epidemiológicos da hanseníase: utilização de inquérito domiciliar em uma área endêmica de Minas Gerais, 2014. Universidade Federal de Minas Gerais.

MIRANZI, S. DE S. C.; PEREIRA, L. H. DE M.; NUNES, A. A. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro , no período de 2000 a 2006. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 1, p. 62–67, 2009.

MOREIRA, A. J.; NAVES, J. M.; FERNANDES, L. F. R. M.; CASTRO, S. S. DE; WALSH, I. A. P. DE. Ação educativa sobre hanseníase na população usuária das unidades básicas de saúde de Uberaba-MG. Saúde em Debate, v. 38, n. 101, p. 234–243, 2014. Disponível em: <http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/0103-1104.20140021>. Acesso em: 29/03/2015.

OPAS. Análise da situação da Importação e Distribuição dos blisters de PQT / MDT Procedimentos , dificuldades e recomendações. Unidade Técnica de Doenças Transmissíveis e não Transmissíveis da OPAS/OMS no Brasil, 2010.

OPROMOLLA, P.; DALBEN, I.; CARDIM, M. Análise geoestatística de casos de hanseníase. Rev Saúde Pública, v. 40, n. 1, p. 907–913, 2006.

ROMÃO, E. R.; MAZZONI, A. M. Perfil epidemiológico da hanseníase no município de Guarulhos , SP. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 3, n. 1, p. 22–27, 2013.

SANTOS, A. S. DOS; CASTRO, D. S. DE; FALQUETO, A. Fatores de risco para transmissão da Hanseníase. Revista Brasileira De Enfermagem, v. 61, n. esp, p. 738–743, 2008.

WHO. Estratégia global aprimorada para redução adicional da carga da hanseníase: 2011-2015 : diretrizes operacionais (atualizadas). / Organização Mundial da Saúde. Brasília : Organização Pan-Americana. Unidade Técnica de Informação em Saúde, Gestão do Conhecimento e Comunicação da OPAS/OMS – Representação do Brasil, v. 1a edição, p. 69, 2010a.

WHO. Global leprosy situation, 2010. Weekly epidemiological record / Health Section of the Secretariat of the League of Nations, 2010b.