Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Perfil dos Fatores de Risco Cardiovascular em Pacientes Hipertensos

DOI: http://dx.doi.org/10.18605/2175-7275/cereus.v7n2p88-104

http://ojs.unirg.edu.br/index.php/1/index 

downloadpdf

Elizângela S. R. Rodrigues1, Adriana A. B. Rezende2, Rodrigo de F. Moreira3, Juliano C. Souza4 & Ralysson O. Pereira5

 

Resumo: Introdução: Sabe-se que a hipertensão arterial sistêmica é uma doença causadora de prejuízos na saúde individual e coletiva, por isso, conhecer os fatores de risco associados à sua ocorrência pode contribuir para evitar a doença ou ainda direcionar um plano terapêutico mais eficaz quando seu diagnóstico estiver confirmado, a fim de se evitar complicações. Objetivo: Verificar quais fatores de risco cardiovascular ocorrem em pacientes hipertensos. Material e Método: Foi desenvolvido um estudo transversal, retrospectivo, realizado por meio de investigação de prontuários de pacientes hipertensos submetidos à reabilitação cardíaca na Clínica Escola de Fisioterapia do Centro Universitário UnirG, na cidade de Gurupi-TO. Foram coletados os dados referentes à idade, sexo e presença de fatores de risco cardiovascular declarados pelos pacientes (alcoolismo, diabetes mellitus, estresse, obesidade, sedentarismo e tabagismo). Resultados: Foram avaliados 38 prontuários, sendo 63% do sexo feminino e 37% masculino, com média etária de 68±12 anos. Foram detectados mais fatores de risco cardiovascular e maior prevalência dos mesmos em mulheres (obesidade 100%; diabetes mellitus II 67%; sedentarismo 60%; tabagismo 60%,), quando comparado aos homens (sedentarismo 40%; tabagismo 40%; diabetes mellitus 33%). Detectou-se associação entre hipertensão e sedentarismo (p=0,000) e entre hipertensão e tabagismo (p=0,01). Em homens, ser hipertenso foi relacionado a ser sedentário (p=0,01), e em mulheres ser hipertenso foi significantemente ligado a ser sedentário (p=0,001) e tabagista (p=0,006), isoladamente. Conclusão: Concluiu-se que, no grupo investigado, pode-se definir como perfil de fatores de risco cardiovascular a ocorrência concomitante de sedentarismo e tabagismo em hipertensos.

Palavras-chave: Hipertensão. Estilo de vida sedentário. Hábito de fumar.

 

Abstract: It is known that systemic arterial hypertension is a disease which causes many sign and symptoms and other disturbances in individual and public health. For this reason, to know about risk factors associated to its frequency may contribute greatly to prevent the disease and design more effective therapeutic strategies when its diagnosis has been established so as to prevent complications. Objective: To evaluate which cardiovascular risk factors are prevalent in hypertensive patients. Material and Methods: A retrospective cross-sectional study was carried out, based on data collection from hypertensive patient´s charts referred to cardiac rehabilitation in the Physical Therapy Clinic and School UNIRG University Center in the city of Gurupi-TO, Brazil. Data related to age, sex, presence of cardiovascular risk factors, reported by patients including alcohol consumption, diabetes, stress, obesity, sedentary life and smoking, were collected. Results: 38 charts, 63% in females and 37% in males, were evaluated and mean age was about 68 years. A higher frequency of cardiovascular risk factors and greater frequency were observed in females (Obesity=100%, diabetes II=67%, sedentary life=60%, smoking=60% as compared to the same factors in males: sedentary life=40%, smoking=40%, diabetes=30%. We found an association between hypertension and sedentary life (p=0.000), hypertension and smoking (p=0.01). Regarding males, to be hypertensive was correlated with a sedentary life (p=0.01) and in females, to be hypertensive was correlated with sedentary life (p=0.001) and with smoking (p=0.006). Conclusion: It was concluded that concomitant significant events correlated with hypertension were sedentary life and smoking in hypertensive individuals.

Key words: Hypertension. Sedentary life style. Smoking Habit.

 

1 Fisioterapeuta. Mestre em Fisioterapia Cardiorrespiratória/UNITRI-MG. Profª. Adjunto II do Centro Universitário UNIRG. Gurupi (TO), Brasil. Endereço para correspondência: elizangelaunirg@yahoo.com.br
2 Fisioterapeuta. Mestre em Ciência da Motricidade Humana/Universidade Castelo Branco/RJ. Profª Adjunto do Centro Universitário UNIRG. Gurupi (TO), Brasil.
3 Biólogo. Especialista em Botânica/UFLA-MG. Autônomo. Gurupi (TO), Brasil.
4 Fisioterapeuta Especialista em Traumato Ortopedia pelo IEES (Instituto de Excelência em Educação e Saúde). Palmas (TO), Brasil.
5 Fisioterapeuta Especialista em Terapia Intensiva Adulto com Ênfase na Funcionalidade. Instituto Inspirar. Gurupi (TO), Brasil.

 

Literatura Citada

ALVES, M. P. A.; REIS, N. M.; REZENDE, A. A. B.; RODRIGUES, E. S. R.; ALVES, G. P. L. A. G.; MOREIRA, R. F. Fatores de risco cardiovascular em crianças e adolescentes de uma escola da rede pública do município de Gurupi-TO. Revista Amazônia Science & Health, v. 2, n. 4, Out/Dez., 2014, p. 2-8.

AMERICAN ASSOCIATION OF CARDIOVASCULAR AND PULMONARY REHABILITION - AACVPR. Compêndio de programas de reabilitação cardíaca. São Paulo: Roca, 2007.

ÁREA DE TREINO. Fases de um programa de reabilitação cardiovascular. 2009. Disponível em: < http://www.areadetreino.com.br/?p=895>. Acesso em: 24 março 2010.

BARBOSA, A. A.; ROIESKI, I. M.; RODRIGUES, E. S. R.; LIMA, G. P. A. G.; HERRERA, S. D. S. C. Prevalence of cardiovascular risk factors among hypertensive military police officers. J Nurs UFPE on line, v. 5, n. 10, dez., 2011, p. 2374-82.

BIOÉTICA: NORMAS DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS: RES. CNS 196/96. Brasília: Conselho Federal de Medicina, v. 4, n. 2, 1996. 27 p. Suplemento.

FOSS, M. L.; KETEYIAN, S. J. Fox: Bases fisiológicas do exercício e do esporte. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Kogaan, 2000.

FRUTOS, A. L. F.; FERRARI, D.; BEHNE, G. R.; SANTOS, L. de C.; SILVA, P. H. L.; FRARE, J. C.; LOTH, E. A. Estudo comparativo da pressão arterial após terapia na água e solo de idosos atendidos na clíníca de fisiterapia da universidade estadual do oeste do Paraná no ano de 2009. V Congresso Paranaense de Fisioterapia de 29 setembro a 1 de outubro 2009.

GHORAYEB, N.; BARROS NETO, T. L. O exercício: preparação fisiológica, avaliação médica. Aspectos especiais e preventivos. São Paulo: Atheneu, 1999, 496 p.

MCARDLE, W. D.; KATCH, F. I.; KATCH, V. L. Fisiologia do Exercício, energia, nutrição e desempenho humano. São Paulo: Manole, 2003.

MOCHEL, E. G.; ANDRADE, C. F.; ALMEIDA, D. S.; TOBIAS, A. F.; CABRAL, R. C.; COSSETTI, R. D. Avaliação do tratamento e controle da hipertensão arterial sistêmica em pacientes da rede pública em São Luis (MA). Revista Baiana de Saúde Pública, v. 31, n. 1, jan./jun., 2007, p. 90-101.

NOBRE, F.; SERRANO, J. R. C. V. Tratado de cardiologia SOCESP In: NOBRE, F.; COELHO, E. B.; MION JÚNIOR, D. Monitorização ambulatorial da pressão arterial de 24 horas (MAPA). Barueri-SP: Manole, 2005, p. 279-295.

NOBREGA, A. C. L.; CASTRO, R. R. T.; SOUZA, A. C. Estresse mental e hipertensão arterial sistêmica. Rev. Bras. Hipertens, v. 14, n. 2, 2007, p. 94-97.

OZELAME, S. S.; SILVA, M. S. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em adolescentes obesos de três distritos sanitários de Goiânia. Pensar prát (Impr)., v. 12, n. 1, Jan-Abr., 2009, p. 1-12.

PORTO, C. C. Doenças do coração: prevenção e tratamento. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

REGENGA, M. M. Fisioterapia em Cardiologia: Da U.T.I. à Reabilitação. São Paulo: Roca, 2000. 292 p.

RODRIGUES, E. S. R.; CHEIK, N. C.; MAYER, A. F. Nível de atividade física e tabagismo em universitários. Rev. Saúde Pública [online]., v. 42, n. 4, 2008, p. 672-8.

RODRIGUES, E. S. R.; CASTRO, K. A. B.; REZENDE, A. A. B.; HERRERA, S. D. S. C.; PEREIRA, A. M.; TAKADA, J. A. P. Fatores de risco cardiovascular em pacientes com acidente vascular cerebral. Revista Amazônia Science & Health, v. 1, n. 2, 2013, p. 21-28.

RODRIGUES, E. S. R.; MOREIRA, R. F.; REZENDE, A. A. B.; COSTA, L. D. Sedentarismo e tabagismo em pacientes com doenças cardiovasculares, respiratórias e ortopédicas. Rev enferm UFPE on line., v. 8, n, 3, mar., 2014, p. 591-9.

ROSA, E. C.; PLAVNIK, F. L.; TAVARES, A. Hipertensão arterial sistêmica. Rev. Bras. Med., v. 63, n. 1/2, jan/fev, 2006, p. 5-12.

SCHMITT, A. C. B.; CARDOSO, M. R. A.; ALDRIGHI, J. M. Tendências da mortalidade em mulheres brasileiras no climatério. Rev Bras Crescimento Desenvol Hum, v. 18, n. 1, 2008, p. 11-15.

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Pesquisa aponta o perfil dos pacientes hipertensos. 2009. Disponível em: <http://www.saude.sp.gov.br/content/shenelisle.mmp>. Acesso em: 03 novembro 2010.

SILVA, L. M.; LACERDA, J. F. A.; ARAÚJO, E. C.; CAVALCANTI, A. M. T. S. Prevalence of smoking among health professionals. J Nurs UFPE on line, v. 2, n. 1, Jan/Mar., 2008, p. 118-27.

SOUZA, W. A. Avaliação da adesão ao tratamento e dos resultados clinicos e humanisticos na investigação da hipertensão arterial resistente. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas, 2008.

V DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL. 2006. Disponível em: < http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2006/VDiretriz-HA.pdf>. Acesso em: 27 março 2010.

VII JNC - The Seventh Report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure. Complete Report USA, 2004.

WILMORE, J. H.; COSTILL, D. L. Fisiologia do esporte e do exercício. 2 ed. São Paulo: Manole, 2001.

WORLD MEDICAL ASSOCIATION. Declaration of Helsinki. Ethical Principles for Medical Research Involving Human Subjects. 59th WMA General Assembly, Seoul, October, 2008.