Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Trabalho em Equipe: Uma Análise a Partir dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família da Microrregião de Saúde de Passos/Piumhi, MG

DOI: http://dx.doi.org/10.18605/2175-7275/cereus.v7n2p151-169

http://ojs.unirg.edu.br/index.php/1/index 

downloadpdf

José R. Freire Filho1, Aldaísa C. Forster2, Carinne Magnago3, Maria do C. G. G. C. Bava4 & Noeli P. P. Rivas5

 

Resumo: Objetivo: Identificar a percepção dos profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) sobre o trabalho em equipe, as dificuldades e facilidades enfrentadas no serviço e as estratégias de preparo para o trabalho em equipe nos processos de formação. Método: Estudo exploratório, qualitativo, com 21 profissionais componentes de equipes NASF da Microrregião de Saúde de Passos/Piumhi, MG. A coleta de dados foi efetivada por grupos focais realizados em fevereiro de 2014, por meio de roteiro com questões norteadoras. Os dados pertinentes à caracterização da amostra foram tratados por estatística descritiva e os depoimentos por análise de conteúdo temática. Resultados: Emergiram quatro categorias de análise: O trabalho em equipe: conceitos e significações; Interfaces do trabalho em equipe: forças propulsoras e limitantes; Processos acadêmicos de formação em saúde: preparação para o trabalho em equipe? Processos de formação em serviço para o trabalho em equipe. Os sujeitos do estudo evocaram conceitos para o trabalho em equipe convergentes aos pressupostos teóricos. Não ficaram evidenciadas estratégias de preparo para o trabalho em equipe nas experiências decorrentes dos processos de formação acadêmicos, já que se estruturam num modelo pedagógico que fragmenta o cuidado. No que tange aos processos de formação em serviço, estes não foram reconhecidos como existentes, de modo que a capacitação profissional decorre da interlocução entre os sujeitos, sobretudo durantes as discussões de casos clínicos. Conclusão: A prática colaborativa e integrada favorece a mudança do modelo de atenção à saúde, no entanto, ainda há grandes desafios para o desenvolvimento do trabalho em equipe.

Palavras-chave: Educação Interprofissional. Trabalho em equipe. Núcleo de Apoio à Saúde da Família.

 

Abstract: Goal: To identify the professional perception of the Health Family Support Nucleus (NASF) about a team work, difficulties and facilities faced in the service and strategies to prepare workers to work as a team in the formation process. Methods: This was an qualitative exploratory study with 21 professionals as part of the working team (NASF) in the Micro Region Health of Passos/Piumhi, MG. Data were collected by local groups carried out in February 2014, using a developed scheme to gather information. Data and characterization of the sample were analyzed using descriptive statistics and reports were analyzed using thematic content. Results: Four analysis categories were apparent. Working as a team: concepts and significants; working interfaces in the team: propulsive and limiting forces; Academic processes in health formation: preparation to work as a team? and formation processes in service to work as a team. Subjects in the study enunciated concepts in order to work as a team according with the theoretical basis. Preparation strategies to work as a team were not apparent in the study in the experiences associated with the processes of academic formation, since they are structured in a pedagogic model that causes fragmentation. Regarding formation processes at work, such processes were not recognized, and thus, professional capability is the result of the change of experience among workers, more specifically during discussion of clinical cases. Conclusion: Collaborative and integrated practice favor the change to a model emphasizing health, however, there are still many challenges in order to develop the work as a team.

Key words: Inter Professional Education. Team Work. Family Health Support Nucleus.

 

1 Mestre em Saúde pelo Programa de Saúde na Comunidade do departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.
2 Pós-Doutora em Medicina Preventiva. Professora associada do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.
3 Doutoranda em Saúde Coletiva e Pesquisadora do Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
4 Doutora em Enfermagem. Professora do departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.
5 Doutora em Psicologia. Professora da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; Endereço para correspondência: noerivas@ffclrp.usp.br

 

Literatura Citada

AGUILAR-DA-SILVA, Rinaldo Henrique; SCAPIN, Luciana Teixeira; BATISTA, Nildo Alves. Avaliação da Formação Interprofissional no Ensino Superior em Saúde: aspectos da Colaboração e do trabalho em equipe. Avaliação (online). Campinas, v. 16, n. 6, mar. 2011, p. 165-182. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/aval/v16n1/v16n1a09.pdf> Acesso em: 09 mar. 2014

AMÂNCIO FILHO, Antenor. Dilemas e desafios da formação profissional em saúde. Interface, Comunicação, Saúde e Educação. Botucatu, v. 8, n. 15, mar/ago, 2004, p. 375-380. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/icse/v8n15/a19v8n15.pdf> Acesso em: 04 jun. 2014

BATISTA, Nildo Alves. Educação Interprofissional em Saúde: concepções e Práticas. Fórum Nacional de Educação das Profissões na Área da Saúde. Caderno FNEPAS. Rio de Janeiro, v. 2, jan. 2012, p. 25-28. Disponível em: <http://fnepas.org.br/artigos_caderno/v2/educacao_interprofissional.pdf> Acesso em: 05 fev. 2014.

BISPO-JÚNIOR, José Patrício. Fisioterapia e Saúde Coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 15, supl. 1, jun. 2010, p. 1627-1636. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700074

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2010. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html> Acesso em: 01 jun. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 jan. 2008, Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 out. 2011.

COSTA, Lívia Sales da; ALCÂNTARA Lília de Medeiros; ALVES, Rayanne Santos et al. A prática do fonoaudiólogo nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em municípios paraibanos. CoDAs (online). São Paulo, v. 25, n. 4, 2013, p. 381-387. http://dx.doi.org/10.1590/S2317-17822013000400014

COSTA, Mariana de Souza; FILGUEIRAS Marcelo de Carvalho; RIBEIRO, Mara Dayanne Alves et al. Percepção dos fisioterapeutas sobre sua implantação e atuação nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF na cidade de Parnaíba – Piauí. In: XXI Seminário de Iniciação Científica, IV Seminário em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Universidade Federal de Piauí. 24-26 de outubro de 2012. Disponível em: <http://www.ufpi.br/21sic/Documentos/RESUMOS/Modalidade/Vida/Carlos%20Eduardo.pdf> Acesso em: 29 de maio de 2014.

IERVOLINO, Solange Abrocesi; PELICIONI, Maria Cecilia Focesi. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Revista Escola de Enfermagem da USP. São Paulo, v. 35, n. 2, jun. 2001, p. 115-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342001000200004

FORMIGA, Nicéia Fernandes Barbosa; RIBEIRO, Kátia Suely Queiroz Silva. Inserção do Fisioterapeuta na Atenção Básica: uma Analogia entre Experiências Acadêmicas e a Proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Paraíba, v. 16, n. 2, 2012, p. 113-122. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/10639/7300> Acesso em: 02 jun. 2014

GRANDO, Maristel Kasper; DALL’AGNOL, Clarice Maria. Desafios do processo grupal em reuniões de equipe da Estratégia Saúde da Família. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, jul-set. 2010, p. 504-510. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452010000300011

MACHADO, Maria Helena; OLIVEIRA, Eliane dos Santos; MOYSES, Neuza Maria Nogueira. Tendências do mercado de trabalho em saúde no Brasil. In: PIERANTONI, Celia Regina; DAL POZ, Mário Roberto; FRANÇA, Tania (org). O trabalho em saúde: abordagens quantitativas e qualitativas. Rio de Janeiro: CEPESC:IMS/UERJ: ObservaRH; 2011. p. 103-16.

MENDES, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Brasília: OPAS, 2011.

NASCIMENTO, Débora Dupas Gonçalves do; OLIVEIRA, Maria Amélia de Campos. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O Mundo da Saúde. São Paulo, v. 34, n. 1, 2010, p. 92-96. Disponível em: <http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/74/12_revisao_reflexoes.pdf> Acesso em: 2 out. 2013

PEDUZZI, Marina. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Revista de Saúde Pública [online]. São Paulo, v. 35, n. 1, 2001, p. 103-109. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102001000100016.

RODRIGUEZ, Letícia San Martín; D’Amour Danielle; FERRADA-VIDELA, Marcela. La colaboración entre lós profesionales de la salud. Revista ROL de Enfermería. Espanha, v. 26, n. 6, 2006, p. 425-30.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. Redes de Profissões de Saúde Enfermagem e Obstetrícia Recursos Humanos para a Saúde. Genebra: OMS; 2010. Disponível em: <http://www.fnepas.org.br/oms_traduzido_2010.pdf> Acesso em: 29 mai. 2014.

VIANA, Ana Luiza D’Ávila; DAL POZ, Mário Roberto. A Reforma do Sistema de Saúde no Brasil e o Programa de Saúde da Família. Physis, v. 12, supl., 2005, p. 255-64.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Scaling up health workforce production: a concept paper towards the implementation of Word Health Assembly resolution WHA 59.23. Geneva: World Health Organization, 2006. Disponível em: <http://www.who.int/hrh/documents/scalingup_concept_paper.pdf>. Acesso em: 5 out. 2012.