Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Trabalho Jornalístico e Convergência Digital no Brasil: Um Mapeamento de Novas Funções e Atividades

DOI: http://dx.doi.org/10.18661/2318-857X/pauta.geral.v2n1p15-37

http://www.revistas2.uepg.br/index.php/pauta/index 

downloadpdf

Jacques Mick1

 

Resumo: O artigo reflete sobre transformações na profissão de jornalista no Brasil com o surgimento de novas funções e atividades, derivadas tanto de mudanças estruturais no jornalismo quanto da arregimentação de saberes típicos dos trabalhadores do setor por empresas ou organizações não midiáticas. A análise toma como ponto de partida 465 respostas à pesquisa “Perfil profissional do jornalismo brasileiro”, realizada em 2012, 288 com descrições de novas funções e 177, de novas atividades. Argumenta-se que tais descrições designam competências recentemente demandadas dos jornalistas em três áreas: o planejamento de mídias; a produção de conteúdos e o desenvolvimento de novas linguagens; a gestão de equipes. Além disso, o acréscimo de novas atividades intensifica a exigência dos empregadores quanto a profissionais “multitarefa”. Por fim, argumenta-se que, ao dotar continuadamente o mercado de trabalho de novos profissionais com ensino superior completo, a expansão da oferta de cursos de Jornalismo no país favorece a ação de empregadores cujas estratégias comportam saberes típicos da profissão, tanto naquelas em que o jornalismo é uma atividade-fim, como naquelas em que é uma atividade-meio.

Palavras-chave: Jornalismo. Mídias sociais.  Convergência digital.

 

Abstract: The article reflects on changes in the journalistic profession in Brazil after the emergence of new functions and tasks, derived both from structural changes in journalism as from the recruitment of journalists by companies or not media organizations. The analysis takes as its starting point 465 responses from journalists to the survey "Professional profile of Brazilian journalism", held in 2012: 288 responses with descriptions of new functions and 177, of new tasks. Such descriptions designate recently demanded skills of journalists in three areas: media planning; content production and development of new languages; teams management. Furthermore, the addition of new activities intensifies the demand of employers for "multitasking" professionals. By continually providing the labor market of young professionals with higher education, the expansion of the supply of journalism courses in Brazil favors the action of employers whose strategies involve journalists´ typical knowledge, both those in which journalism is a core activity, such as those in which is not.

Key words: Journalism. Social media. Digital convergence

 

1 Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina – Brasil. Artigo produzido durante estágio de pós-doutoramento no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O tema integra o escopo do projeto “Journalistic role performance around the globe – Etapa Brasil”, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Versão preliminar foi apresentada no XII Congresso Luso-Afro-Brasileiro, em Lisboa, em fevereiro de 2015, no grupo de trabalho “Culturas juvenis, novas ocupações e percursos de inserção profissional: percursos escolares, precariedades laborais e culturas digitais”. Email: jacques.mick@ufsc.br.

 

Literatura Citada

ADGHIRNI, Z. L. (2004), Hibridação e gêneros midiáticos: a informação jornalística mediada pelas instituições de comunicação. ícone. Programa de Pós-Graduação em Comunicação/UFPE, 7, p. 140-152.

ADGHIRNI, Z. L.. (2012), Mudanças estruturais no jornalismo: travessia de uma zona de turbulência. In: PEREIRA, F. H. et al.. Jornalismo e sociedade: teorias e metodologias. Florianópolis: Insular, p. 61-80.

BOLTANSKI, L. (1982), Les cadres. La formation d'un groupe social. Paris, Minuit.

CHARRON, J.; BONVILLE, J. (2004), Le journalisme et le marché: de la concurrence à l'hyperconcurrence. In: BRIN, C.; CHARRON, J.; BONVILLE, J. (Org.). Nature et transformations du journalisme. Théorie et recherches empiriques. Quebec: Les Presses de L'Université de Laval, p. 273-316.

FIDALGO, J. (2004), Jornalistas: um perfil socioprofissional em mudança. Comunicação e Sociedade, 5, p. 63-74.

FIDALGO, J. (2009). O jornalista em construção. Porto: Porto Editora.

FIGARO, R. (Org.). (2013), As mudanças no mundo do trabalho do jornalista. São Paulo: Atlas.

FONSECA, V. P. S.; KUHN, W. (2009), Jornalista contemporâneo: apontamentos para discutir a identidade profissional. Intexto, 2 (21), p. 57-69.

FONSECA, V. P. S. (2008a), Questões sobre a identidade do jornalista contemporâneo. Estudos em Jornalismo e Mídia, V (2), pp. 129-140.

FONSECA, V. P. S. (2008b). Indústria de notícias. Capitalismo e novas tecnologias no jornalismo contemporâneo. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

GARCIA, J. L.; SILVA, P. A.. (2009), Elementos de composição socioprofissional e de segmentação. In: GARCIA, J. L. (Org.). Estudos sobre os jornalistas portugueses. Metamorfoses e encruzilhadas no limiar do século XXI. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2009.

GARCIA, J. L. (2009a), Introdução ao estudo dos jornalistas portugueses. Os jornalistas e as contradições do capitalismo jornalístico no limiar do século XXI. In: GARCIA, J. L. (Org.). Estudos sobre os jornalistas portugueses. Metamorfoses e encruzilhadas no limiar do século XXI. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2009a.

GARCIA, J. L. (2009b), Principais tendências de profissionalização dos jornalistas no período pós-transição democrática. In: GARCIA, J. L. (Org.). Estudos sobre os jornalistas portugueses. Metamorfoses e encruzilhadas no limiar do século XXI. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, p. 63-92.

GRAÇA, S. M. (2009), Os problemas-chave de ingresso no jornalismo. In: GARCIA, J. L. (Org.). Estudos sobre os jornalistas portugueses. Metamorfoses e encruzilhadas no limiar do século XXI. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, p. 133-168.

GRAÇA, S. M. (2007), Os jornalistas portugueses: dos problemas da inserção aos novos dilemas profissionais. Coimbra: Minerva.

MICK, J. (2013a), Detalhamento metodológico da pesquisa “Perfil profissional do jornalismo brasileiro”. Florianópolis: TMT/UFSC. Disponível em: http://perfildojornalista.ufsc.br. [Consultado em 14-2-2013].

MICK, J. (2013b), Unidade possível? A identidade profissional dos jornalistas brasileiros, distribuídos entre mídia e assessorias. II MEJOR – Colóquio Internacional Mudanças Estruturais do Jornalismo. Anais. Natal (RN).

MICK, J. (2013c). . A precarização e o trabalho dos jornalistas brasileiros. In: 11o. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo - SBPJor, 2013. Brasília: SBPJor, 2013. v. 1. p. 168-169.

MICK, J.; LIMA, S. (2013), Perfil do jornalista brasileiro. Características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Insular.

MIZUKAMI, P.; REIA, Jh.; VARON, J.. Mapeamento da mídia digital no Brasil. Rio de Janeiro: Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getulio Vargas, Centro de Tecnologia e Sociedade, 2014.

MÜLLER, C. A. (2012), A crise estrutural dos jornais e o surgimento das mídias digitais. Impactos sobre a produção jornalística. In: PEREIRA, Fábio Henrique et al.. Jornalismo e sociedade: teorias e metodologias. Florianópolis: Insular, p. 145-166.

PACHECO, L. (2012), Jovens jornalistas: entre sonho e desesperança. In: MATOS, J. N.; DOMINGOS, N. Novos proletários: a precariedade entre a “classe média” em Portugal. Lisboa: Edições 70, p. 109-122.

PEREIRA, F. H.; ADGHIRNI, Z. L. (2011), O jornalismo em tempo de mudanças estruturais. Intexto, 1 (24). Porto Alegre: UFRGS, p. 38-57.

PEREIRA, F. H. et al.. (2012), Jornalismo e sociedade: teorias e metodologias. Florianópolis: Insular.

RUELLAN, D. (1992), Le professionnalisme du flou. Réseaux, 10 (51),, p. 25-37. Disponível em: http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/reso_07517971_1992_num_10_51_1922. [Consultado em 26-11-2014].

RUELLAN, D. (2007), Flou, invención y ordinario del periodismo. Comunicacion y Sociedad (Mexique), 8, p. 113-129.

RINGOOT, R.; RUELLAN, D. (2007), Journalism as a permanent and collective invention. Brazilian Journalism Research, 3 (2), p. 67-76.

TRAQUINA, N. (2004), Teorias do jornalismo – Porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular.

TRAQUINA, N. (2005), Teorias do jornalismo – A tribo jornalística – uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular.