Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Os Critérios de Noticiabilidade no Telejornalismo: Uma Reflexão a Partir da Tragédia de Santa Maria

DOI: http://dx.doi.org/10.18661/2318-857X/pauta.geral.v2n1p74-90

http://www.revistas2.uepg.br/index.php/pauta/index 

downloadpdf

Michele Negrini1 & Roberta Brandalise2

 

Resumo: Estudamos os critérios de noticiabilidade de morte em massa no telejornalismo, a partir da cobertura televisiva da tragédia de Santa Maria. Identificamos que em casos de morte em massa, a cobertura jornalística em televisão elege o que é notícia, bem como, constrói uma abordagem dos acontecimentos, a partir das oportunidades que tem para construir narrativas que atentam para os seguintes aspectos: expor as condições que levaram à morte; culpabilizar os responsáveis; mostrar a repercussão do ocorrido na vida social; atualizar a memória e resgatar a história com respeito a tragédias similares; acompanhar o desdobramento dos fatos por meio de suítes; acompanhar o estado de saúde dos sobreviventes e o velório e enterro dos mortos; retratar o luto dos familiares e amigos daqueles que se foram e contar a trajetória de vida daqueles que pereceram.

Palavras-chave: Telejornalismo. Critérios de noticiabilidade. Morte em massa.

 

Abstract: We studied the newsworthiness criteria of mass deaths in tele journalism, based on the TV coverage on Santa Maria’s tragedy. We identify that in cases of mass deaths, the TV coverage elects what is newsworthy, and it also builds a way to approach the facts, using the given opportunities to create narratives that follow the following aspects: expose the conditions that lead to the death; blame the responsibles; show the repercussion of what happened in the social life; refresh the living memory and bring back similar tragedies from the past; follow the deployment of the facts by updating the news; follow the health status of the survivors and the funeral of the death; present the affliction of the friends and family of those who are gone and also show the life path of those who died.

Key words: Citizen: tele journalism; newsworthiness criteria; mass deaths.

 

1 Jornalista; mestre em Comunicação e Informação; doutora em Comunicação; professora e pesquisadora da Universidade Federal de Pelotas, onde desenvolve a pesquisa “A identidade cultural de pelotense no programa Jornal do Almoço” (2013-2015). Coordenadora do curso de Jornalismo da UFPEL e da Agência de Jornalismo da Instituição (AgPel). Integrante do núcleo de pesquisadores do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Telejornalismo (GIPTele) com a temática sobre as coberturas de morte no telejornalismo.
2 Jornalista pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); mestre e doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora da Faculdade Casper Líbero.

 

Literatura Citada

ARIÈS, Philippe. História da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

BARBOSA, Marialva. A morte imaginada. In: GT Comunicação e Sociabilidade na XIII Compós. UMESP: São Paulo, 2004.

BRUM, Juliana. A hipótese do agenda setting: estudos e perspectivas. Disponível em: http://www.razonypalabra.org.mx/anteriores/n35/jbrum.html. Acesso em: 25 de novembro de 2003.

COUTINHO, Iluska. Telejornalismo e público. Sobre vínculos com o cidadão, convertido em audiência. In: PORCELLO, Flavio; VIZEU, Alfredo; COUTINHO, Iluska (org). O Brasil (é)ditado. Florianópolis: Insular, 2012.

EMERIM, Carlida; BRASIL, Antonio. Coberturas em telejornalismo. In: XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2011, Recife. Anais. Recife: Intercom, 2011.

HALL, Stuart; CHRITCHER, Chas; JEFFERSON, Tony; CLARKE, John; ROBERTS, Brian. A produção social da notícia: O mugging nos media. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega, 1993.

FAUSTO NETO, Antonio. Mortes em derrapagem. Rio de Janeiro: Rio Fundo Editora, 1991.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

KUNCZIK, Michael. Conceitos de jornalismo: Norte e Sul. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

MÉDOLA, Ana. Televisão digital brasileira e os novos processos de produção de conteúdos- os desafios para o comunicador. In: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, E-Compós, Brasília-DF, v. 12, n. 3, p. 1-12, 2009.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Teoria da notícia: as relações entre o real e o simbólico. In: MOUILLAUD, Maurice, PORTO, Sérgio Dayrell (org). O jornal: Da forma ao sentido. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

RODRIGUES, Adriano Duarte. O acontecimento. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega, 1993.

RODRIGUES, José Carlos. Tabu da morte. Edições Achiamé Ltda: Rio de Janeiro, 1983.

SILVA, Carlos Eduardo Lins. Muito além do jardim botânico: um estudo sobre a audiência do Jornal Nacional da Globo entre trabalhadores. São Paulo: Summus, 1985.

SIMMEL, George. A metafísica da morte. Trad. Simone Carneiro Maldonado. Política & Trabalho, ano 14, n. 14, João Pessoa, PPGS-UFPB. Setembro 1998, pp. 177-182.

SOUSA, L. S. C. S. Cobertura esportiva na televisão: critérios de noticiabilidade na interface entre Jornalismo e Entretenimento. In: 7º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, SBPJor, 2010. Disponível em: http://sbpjor.kamotini.kinghost.net/sbpjor/resumod.php?id=356

TRAQUINA, Nelson. As notícias. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega, 1993.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo. A tribo jornalística – uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular, 2005.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. São Paulo: Martins Fontes, 2003.