Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Jornal Nacional e a Aprovação das Leis Seca e Carolina Dieckmann

DOI: http://dx.doi.org/10.18661/2318-857X/pauta.geral.v2n1p91-109

http://www.revistas2.uepg.br/index.php/pauta/index 

downloadpdf

João Somma Neto1 & Renata Caleffi2

 

Resumo: Este artigo visa, por meio de considerações conceituais e revisão bibliográfica, apresentar a relação entre Estado e telejornalismo e, posteriormente, a partir de pesquisa quantitativa, demonstrar como o Jornal Nacional e o Congresso Nacional trocaram saliência para a criação e aprovação das leis 12.737/2012 (Lei Carolina Dieckmann) e Lei 12.760/2012 (Lei Seca). O objetivo é proporcionar reflexão sobre as relações políticas e de poder entre o telejornalismo e Estado no Brasil, promovendo cotejo com as teorias jurídicas, que atribuem à televisão um papel fundamental na aprovação de políticas públicas nacionais.

Palavras-chave: Comunicação. Política. Telejornalismo.

 

Abstract: So many events marked the history of Brazilian television news and, among these, is its relationship with the State and the Government of Brazil. This article seeks, through conceptual considerations and literature review, present the historical context of the relationship between state and television and later through quantitative research, demonstrate how the Jornal Nacional and the Congresso Nacional salience exchanged for creating and passing laws 12,737 / 2012 (Law Carolina Dieckmann) and Law 12,760 / 2012 (Law of Alchoolic). The objetive is to provide a discussion on the relationship between political power and the state television news and in Brazil, promoting a confrontation with the legal theories that confirm to television a key role in the adoption of national policies.

Key words: Communication. Politic. Tele journalism.

 

1 Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo e doutor em Jornalismo pela Universidade de São Paulo. Professor associado do Curso de Comunicação Social - habilitação Jornalismo da Universidade Federal do Paraná. Professor do Programa de Posgraduação em Comunicação da UFPR.
2 Doutoranda em Políticas Públicas no Programa de Pós Graduação em Políticas Públicas da UFPR. Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Paraná. Possui especialização em Letras - Interfaces entre os Estudos Linguísticos e Literários pela Universidade Estadual do Centro-Oeste.

 

Literatura Citada

ARENDT, Hannah. Política: ato, discurso e liberdade. Introdução na política in A promessa política. Rio de Janeiro, 2005.

CAPPARELLI, Sergio; LIMA, Venício A. de. Comunicação e televisão: Desafios da pós globalização. PUC-SP 2004.

CETIC.br. Centro de Estudos sobre as tecnologias da informação e da comunicação.2011. Disponível em http://cetic.br/usuarios/tic/2011-total-brasil.

COBB, Roger; ROSS, Marc Howard. Agenda Building as a comparative political process. The American Political Science Review. 1976.

BRASIL. CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA. Ed. Senado Federal Brasileiro, 1988.

FAXINA, Elson. Do mercado a cidadania: Os desafios da transformação dos sujeitos discursivos, das institucionalidades e das narrativas jornalísticas na TV pública brasileira. Rio Grande do Sul, 2012. Disponível em <http://biblioteca.asav.org.br/vinculos/tede/ElsonFaxina.pdf>. Acesso em março de 2014.

IBOPE, Instituto Brasileiro de Opinião e Estatísticas. Disponível em http://www.ibope.com.br.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico brasileiro, 2011. Disponível em http://www.ibge.gov.br.

KINGDON, John W. Agendas, alternatives and public policies. Pearson, 2003.

KUCINSKI, Bernardo; LIMA, Venício. Diálogos da perplexidade: reflexões críticas sobre a mídia. São Paulo, 2009.

KUCINSKI, Bernardo, A Síndrome da Antena Parabólica:ética no jornalismo brasileiro.SP. Ed. Fundação Perseu Abramo, 1998.

LIMA, Venício A. de. A responsabilidade social da mídia. 2009. Disponível em < http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/a_responsabilidade_social_da_midia>

LIMA, Venício A. de. O silêncio como forma de censura. 2011. Disponível em < http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/o_silencio_como_forma_de_censura>

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações. UFRJ, Rio de Janeiro, 2009.

MASCARENHAS, Oacir Silva. A influência da mídia na produção legislativa penal brasileira. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 83, dez 2010. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8727&revista_caderno=3.

MCCOMBS,Maxwell. A teoria da agenda. A mídia e a opinião Pública. Petrópolis, RJ, Editora Vozes, 2009.

REZENDE, Guilherme J. de. Telejornalismo no Brasil: um perfil editorial. SP. Summus, 2000.

SICA, Leonardo. Lei Carolina Dieckmann: aspectos penais. 2013. Disponível em http://www.cartaforense.com.br/conteudo/artigos/lei-carolinadieckmann--aspectos-penais/11242.

TELECO BRASIL. O Desempenho do Setor de Telecomunicações no Brasil – Séries Temporais, preparado pelo Teleco para a Telebrasil. 2011. Disponível em < http://www.teleco.com.br/estatis.asp>

VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska. 60 anos de telejornalismo no Brasil: História, análise e crítica. Florianópolis, 2010.