Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Revolução e Decadência na Literatura Portuguesa do Século XIX1

DOI: http://dx.doi.org/10.18304/1984-6614/scripta.alumni.n13p47-58

http://www.uniandrade.br/revista-scripta-alumni.php 

downloadpdf

Bianca R. Mattia2 & Jair Zandoná3

  

Resumo: No cenário da literatura portuguesa do século XIX, Antero de Quental e Eça de Queirós, símbolos da Geração de 70, idealizaram [re]construir Portugal e deram vida à revolução. Se Quental marca o espírito pedagógico-revolucionário pretendido pelo movimento, Queirós apresenta-nos sua crítica à sociedade portuguesa – relato da decadência na vida moderna. As Conferências marcaram a vida portuguesa, de modo que o ideal revolucionário permanecesse como inerente à sociedade moderna. A chamada Geração de 70 vestiu-se da modernidade “contraditória em si mesma” (COMPAGNON, 2010). Assim, articulam-se os termos [r]evolução, binômio caro às análises de Antoine Compagnon, e decadência, visto como sinônimo de moderno, em seu entrelaçamento ambíguo, como as contradições da vida moderna, ao contexto artístico-literário português desse período.

Palavras-chave: Antero de Quental. Conferências do Casino. Decadência. Eça de Queirós. Literatura Portuguesa.

 

Abstract: In the scenario of Portuguese literature of the nineteenth century, Antero de Quental and Eça de Queirós, symbols of 70’s Generation, idealized to [re]build Portugal and gave life to the revolution. If Quental marks the pedagogical and revolutionary spirit intended by the movement, Queirós presents to us his criticism of Portuguese society – the decadence report in modern life. The Conferences marked the Portuguese life, so it the revolutionary ideal remain as inherent to modern society. The so-called 70’s Generation dressed of the modernity "self-contradictory" (COMPAGNON, 2010). Thus, the terms [r]evolution, binomial widely used in the analysis of Antoine Compagnon, and decadence, seen as synonymous with modern in its ambiguous meaning, as the contradictions of modern life, are articulated with the artistic and literary context of the period Portuguese.

Key words: Antero de Quental. Casino Conferences. Decadency. Eça de Queirós. Portuguese Literature.

 

1 Artigo recebido em 22 de abril de 2015 e aceito em 9 de julho de 2015. Texto orientado pelo Prof. Dr. Jair Zandoná (UFSC).
2 Graduanda do Curso de Letras da UFSC. E-mail: biancamattia@gmail.com
3 Doutor em Literatura pela UFSC. Professor de Literatura da UFSC e editor da revista Anuário de Literatura (PPGL/UFSC). E-mail: jzandona@gmail.com

 

Literatura Citada

BERARDINELLI, C. Fernando Pessoa: outra vez te revejo... Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 2004.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

COMPAGNON, A. Os cinco paradoxos da modernidade. 2. ed. Tradução de Cleonice P. Mourão, Consuelo F. Santiago e Eunice D. Galéry. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

FRANCHETTI, P. Estudos de literatura brasileira e portuguesa. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2007.

LOURENÇO, E. O labirinto da saudade: psicanálise mítica do destino português. 3. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1988.

MACHADO, Á. A geração de setenta: uma revolução cultural e literária, v. 4. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa - Divisão de Publicações, 1986. (Coleção Biblioteca breve).

MOISÉS, M. Presença da literatura portuguesa: romantismo – realismo, v. 3. 4. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1974.

PERRONE-MOISÉS, L. Fernando Pessoa: aquém do eu, além do outro. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

PIRES, A. M. A ideia de decadência na geração de 70. 2. ed. Lisboa: Veja, 1992. (Coleção Outras obras).

QUEIRÓS, E. de. Os Maias: episódios da vida romântica. São Paulo: Nova Alexandria Ltda., 2000.

QUENTAL, A. de. Conferências democráticas. Causas da decadência dos povos peninsulares nos últimos três séculos: discurso pronunciado na noite de 27 de maio, na sala do Casino Lisbonense por Anthero do Quental. Porto: Typographia Commercial, 1871.

RIBEIRO, M. A. História crítica da literatura portuguesa, v. 4. Lisboa; São Paulo: Verbo, 2000.

ZANDONÁ, J. De Orpheu ao Hades: itinerário bio/gráfico em Mário de Sá-Carneiro. Florianópolis, 2008. 126 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-graduação em Literatura.