Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Princípio Responsabilidade Enquanto Fundamento Conceitual para a Educação Ambiental

DOI: http://dx.doi.org/10.18766/2446-6549/interespaco.v1n1p77-92

http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/interespaco 

downloadpdf

Francisco V. Lima1

 

Resumo: O artigo reflete a partir do “Princípio Responsabilidade” de Hans Jonas visando extrair do mesmo uma fundamentação válida para uma educação ambiental que esteja para além dos espaços formais educacionais. Dado o poder ora adquirido pelo homem sob a forma de tecnociência, o qual se encontra hoje em franca expansão e que não possui controle algum sobre si senão a sua manutenção, o indivíduo viu-se conduzido a um vácuo ético inaudito. Compete-nos, portanto, repensar os fundamentos éticos hodiernos tendo como aporte a consideração máxima de valorização da vida em sua essência, vida esta que extravasa a dimensão do humano e que se configura como condição para a existência desse último. É, pois, uma tal vida o espaço de manifestação do ser que, para continuar a existir exige-nos um dever imperioso, o que faz com que esta vida (nas suas mais diversas manifestações) seja tida enquanto um bem em si.

Palavras-chave: Educação Ambiental; Princípio Responsabilidade; Poder tecnológico.

 

Abstract: This article reflects upon the „Responsibility Principle‟, by Hans Jonas, aiming at eliciting grounding validity for an environmental education that lies beyond the formal educational field. Given the power once acquired by man, shaped as techno-science, which is under intensive growth and holds no control upon itself, except for its maintenance, individuals have been led to an unheard ethical vacuum. It is our responsibility to rethink today‟s ethical fundamentals keeping into account their major contribution to the appreciation of life in its core, wherein life goes beyond human dimension and sets itself up as a condition to the existence of the human. Therefore, there is so much life in the expression of the being that, in order to survive, it demands from us an imperative obligation, and that makes life (in its most diverse expressions) very valuable in itself.

Key words: Environmental Education; Responsibility Principle; Technological Power.

 

1 Mestre em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Ética e Epistemologia da Universidade Federal do Piauí – UFPI. Professor Assistente de Filosofia da Universidade Federal do Maranhão – UFMA/Campus de Grajaú. fidescaritas@hotmail.com

 

Literatura Citada

BACON, Francis: Novum organon ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza. São Paulo: Nova Cultural, 2005. (Coleção os pensadores).

CHARDIN, Teilhard de. O fenômeno humano. São Paulo: Cultrix, 2006.

DESCARTES, René. Discurso do método; Meditações; Objeções e respostas; As paixões da alma; Cartas. São Paulo: Abril cultural, 2000. (Coleção os pensadores).

FONSÊCA, Flaviano Oliveira. Hans Jonas: (bio)ética e crítica à tecnologia. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2007.

JONAS, Hans. O princípio vida: fundamentos para uma biologia filosófica. Petrópolis: Vozes, 2004.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUC-Rio, 2006.

JONAS, Hans. Matéria, espírito e criação: dados cosmológicos e conjecturas cosmogônicas. Petrópolis: Vozes, 2010. (Col. Textos filosóficos).

JONAS, Hans. Ética, medicina e técnica. Lisboa: Editora Veja – Passagens, 1994.

JONAS, Hans. A emergência do paradigma ecológico. Petrópolis: Vozes, 1999.

RICOUER, Paul. Leituras 2: a região dos filósofos. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

SANTOS, Robson dos; OLIVEIRA, Jelson; ZANCANARO, Lourenço (coord.). Ética para a civilização tecnológica: em diálogo com Hans Jonas. São Paulo: Centro Universitário São Camilo, 2011.

WOLIN, Richard. Los hijos de Heidegger: Hannah Arendt, Karl Löwith, Hans Jonas y Herbert Marcuse. Madrid: Cátedra, 2003.