Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Independência Funcional de Idosos em Regime de Assistência Domiciliar

DOI: http://dx.doi.org/10.18606/2318-1419/amazonia.sci.health.v3n3p10-16

http://ojs.unirg.edu.br/index.php/2/ 

downloadpdf

Alyane S. Correia1, Kássia A. O. de Carvalho2, Adriana A. B. Rezende3, Elizângela S. R. Rodrigues4 & Eduardo F. de Miranda5

 

Resumo: Introdução: A capacidade funcional do idoso tem um comprometimento progressivo, causando limitações na realização das atividades cotidianas, o que afeta diretamente a independência e autonomia. Objetivo: Avaliar a independência funcional de idosos em regime de assistência domiciliar. Materiais e Métodos: Estudo do tipo exploratório, descritivo e transversal realizado por meio da aplicação de questionário de Medida da Independência Funcional (MIF) em alguns idosos em regime de assistência domiciliar no período de Setembro a Outubro de 2014, após aprovação do comitê de ética, sob o número 772.977/2014. Resultados: Foram avaliados 49 idosos com média de idade de 79,9 (±9,43) anos, sendo 71,4% do sexo feminino. Ao ser avaliado a independência funcional 14,4% foram identificados com independência, 34,6% com dependência modificada (assistência até 25%), 42,8% com dependência modificada (assistência de até 50% na tarefa) e 8,2% com dependência completa. Considerações Finais: A maioria dos idosos apresentaram dependência modificada e necessita de auxilio para realização das AVD’S em até 50%.

Palavras-chave: Fisioterapia. Assistência domiciliar. Idoso

 

Abstract: Introduction: The functional capacity of the elderly has a progressive impairment, causing limitations in performing daily activities, which directly affect the independence and autonomy. Objective: To evaluate the functional independence of the elderly in home care regime. Methods: Study of exploratory, descriptive and cross-sectional accomplished through the application of the Functional Independence Measure in some elderly home care system in the period from September to October 2014, after approval by the ethics committee, under the number 772.977/2014. Results: A total of 49 elderly people with average age of 79.9 (± 9.43) years, and 71.4% were female. The assessment of functional independence 14.4% were identified independently, 34.6% with modified dependence (assistance up to 25%), 42.8% with modified dependence (assistance up to 50% on task) and 8.2% with complete dependence. Final Thoughts: Most elderly had modified dependence and need assistance to carry out the AVDs up to 50%.

Key words: Physical Therapy Specialty. Home nursing. Elderly.

 

1 Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário UnirG. Gurupi-TO, Brasil. Email: alyanecorreia@hotmail.com
2 Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário UnirG. Gurupi-TO, Brasil. Email: fisiok@hotmail.com
3 Fisioterapeuta Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela Universidade Castelo Branco/RJ. Docente Adjunta do Centro Universitário UnirG. Gurupi(TO). Email: drikas.arruda@gmail.com
4 Fisioterapeuta. Mestre em Fisioterapia Cardiorrespiratória/UNITRI-MG. Profª. Adjunto II do Centro Universitário UnirG. Gurupi (TO), Brasil. E-mail: elizangelaunirg@yahoo.com.br
5 Educador Físico. Mestre em Educação Física pela Universidade Castelo Branco (RJ). Professor Adjunto I do Curso de Educação Física do Centro Universitário UnirG. Gurupi (TO). Programa de Pós-graduação Stricto Sensu pela Enfermagem e Biociências (PPgEnfBio) da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).Email: eduardounirg@gmail.com

 

Literatura Citada

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica.Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Organização mundial da saúde (OMS). La Organización Mundial de La Salud Lanza una nueva iniciativa para afrontar lãs necesidades sanitárias que plantea el rápido envejecimiento de La poblacion. 2010. Disponivel em: http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2004/pr60/es/index.htm. Acesso em: 17 de abril de 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Básica: Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Inouye K, Pedrazzani ES, Pavarin SCL. Octogenários e cuidadores: perfil sócio-demográfico e correlação da variável qualidade de vida. Texto Contexto Enferm. 2008;17(2):350-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000200018

Benedetti TRB, Borges LJ, Petroski EL, Gonçalves LHT. Atividade física e estado de saúde mental de idosos. Rev Saúde.2008;42(2):302-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008005000007

Lima-costa MF, Barreto MS. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiol Serv Saúde. 2003;12(4):189-201. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742003000400003

Chaimowicz F. A saúde dos idosos brasileiros às vésperas do século XXI: problemas, projeções e alternativas. Rev Saúde Públ.1997;31(2): 184-200. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000200014

Renno ACM. Efeitos de um programa de atividade física na função pulmonar, no grau de cifose torácica e na qualidade de vida de mulheres com osteoporose. 2013. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos; 2003.

Martins JJ, Silva RM, Nascimento ERP, Coelho FL, Schweitzer G, Silva RDM, Erdmann AL. Idosos com necessidades de cuidado domiciliar. Rev enferm UERJ. 2008;16(3):319-25.

Gordilho A, Sérgio J, Silvestre J, Ramos LR, Freire MPA, Espindola N et.al. Desafios a serem enfrentados no terceiro milênio pelo setor saúde na atenção integral ao idoso. Rio de Janeiro: Universidade Aberta da Terceira Idade: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2000.

Sayeg MA. Envelhecimento bem sucedido e o autocuidado: algumas reflexões. Rev Bras Geriatr Gerontol. 1998;2(3):96-8.

Neri AL. Palavras-chave em gerontologia. Campinas: Alínea; 2001

Diogo MJD, Paschoal SMP, Cintra FA. Avaliação global do idoso. In: Duarte YAO, Diogo MJD. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo (SP): Atheneu; 2000.

Figueiredo MLF, Luz MHBA, Brito CMSB, Sousa SNS, Silva DRS. Diagnósticos de enfermagem do idoso acamado no domicílio. Rev Bras Enferm.2008 jul-ago; 61(4):464-9

Riberto M, Miyazaki MH, Donaldo F. Reprodutibilidade da versão brasileira da medida de independência funcional. Rev Act Fisiátr.2001;8(1):45-52. http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20010002

Barcelos EM, Madureira MDS, Ribeiro MTF. Saúde do idoso. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed; 2013.

Santos ZMSA, Frota MA, Cruz DM, Holanda SDO. Adesão do cliente hipertenso ao tratamento: análise com abordagem interdisciplinar. Texto Contexto Enferm. 2005 Jul-Set;14(3):332-40.

Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam mais os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública. 2007 mar; 23(3):565-74. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015

Pinheiro RS, Viacava F, Travassos C, Brito AS. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Cienc Saude Colet.2002;7(4):687-707. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000400007

Chaimowicz F. Epidemiologia e o Envelhecimento no Brasil. In: Freitas E et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006.

Paz AA, Santos BRL. Eidt OR. Vulnerabilidade e envelhecimento no contexto da saúde. Acta Paul Enferm. 2006 Jul-Ago;19(3):338-42.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios no Brasil. Rio de Janeiro; 2002.

Lessa I. Epidemiologia das doenças crônicas não-trasmissiveis. São Paulo: Editora Hucitec/Rio de Janeiro: ABRASCO; 1998.

Wolff JL, Starfield B, Anderson G. Prevalence, expenditures and complications of multiple chronic conditions in the elderly. Arch Intern Med. 2002 Nov;162(20):2269-76. http://dx.doi.org/10.1001/archinte.162.20.2269

Py MO. Doenças cerebrovasculares In: Freitas EV, PY L, Neri AL, Cançado FAX, Gorzoni M, Rocha SM. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.

Cordeiro RC, Dias RC, Dias JMD, Perracini M, Ramos LR. Concordância entre observadores de um protocolo de avaliação fisioterapêutica em idosas institucionalizadas. Rev Fisioter Univ.2002 Jul-Dez;9(2):69-77.

Araújo MOPH, Ceolim MF. Avaliação do grau de independência de idosos residentes em instituições de longa permanência. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(3):378-85. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000300006

Barbosa MLJ. A situação dos idosos no Vale do Paraíba: análise nas cidades de Taubaté e Guaratinguetá [tese]. São Paulo: Programa Interunidades, Escola de Enfermagem, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 1990.

Diogo MJD’E. Avaliação funcional de idosos com amputação de membros inferiores. Rev Lat Am Enferm. 2003;11(1):59-65. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692003000100009

Barbosa MLJ. A situação dos idosos no Vale do Paraíba: análise nas cidades de Taubaté e Guaratinguetá [tese]. São Paulo: Programa Interunidades, Escola de Enfermagem, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 1990.

Citado por

Sem citações recebidas.