Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

“Programa Ensino Médio Inovador”: Desafios para a Formação Docente

DOI: http://dx.doi.org/10.18788/2237-1451/rle.v5n10p165-180

http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rle 

downloadpdf

Elione M. N. Diógenes1

 

Resumo: Discute o “Programa do Ensino Médio Inovador (PROEMI)” implantado pelo Ministério da Educação em 2009, a partir do ponto de vista do currículo e da docência. Por meio da contextualização histórica sobre a reforma do ensino médio no Brasil da década de 1990 percorre as principais transformações advindas. Explicita que a ação docente é o epicentro das alterações conceituais e operacionais das estratégias do MEC. O estudo deixou-se conduzir pela teoria crítica, cujo diálogo se dá com o pensamento de Horkheimer (1990) e as fontes de pesquisa foram: os “Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (1997 e 1999)”, os “Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio + (2002)”, as “Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (1998)” e o “Documento Orientador do Programa Ensino Médio Inovador (2009”. As conclusões apontam que o PROEMI: 1) reorienta-se a partir da Reforma do Ensino Médio, isto é, constitui-se enquanto versão “melhorada” do “Novo Ensino Médio: Educação Agora é Para a Vida” ordenado pela Resolução 03/98 do Conselho Nacional de Educação, 2) “nega” o saber docente tradicional e introduz mudanças vinculadas ao uso das novas tecnologias na ação pedagógica, e, 3) reinscreve o trabalho do professor no que diz respeito à formação. É necessário, pois, repensar a educação e o papel do docente nesse novo cenário curricular.

Palavras-chave: Ação Docente; Ensino Médio Inovador; Reforma do Ensino Médio, Novas Tecnologias.

 

Resumen: Discute el "Programa Inovador do Ensino Médio (PROEMI)" implantado por el Ministerio de la Educación en 2009, a partir del currículo y de la docencia. A través de la contextualización histórica sobre la reforma de la enseñanza media en Brasil en la década de 1990 recurre las primeras transformaciones advenidas. Explicita que la acción docente es el epicentro de las alteraciones conceptuales y operacionales de las estrategias del MEC. El estudio fue conducido por la teoría crítica, cuyo el diálogo se da con el pensamiento de Horkheimer (1990) y las fuentes de pesquisa fueron: los “Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (1997 e 1999)”, los “Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio + (2002)”, las “Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (1998)” y el “Documento Orientador do Programa Ensino Médio Inovador (2009)”. Las conclusiones apuntan que el PROEMI: 1) se reorienta a partir de la Reforma de la Enseñanza Media, o sea, se constituye mientras versión “mejorada” del “Novo Ensino Médio: Educação Agora é Para a Vida”, ordenado pela Resolución 03/98 del Consejo Nacional de la Educación, 2) “niega” el saber docente tradicional e introduce cambios vinculados al trabajo del profesor al que se refiere a la formación. Es necesario, pues, repensar la educación y el papel del docente en ese nuevo escenario curricular.

Palabras-clave: Acción docente. Enseñanza Media Innovadora. Reforma de la Enseñanza Media. Nuevas Tecnologías.

 

1 Universidade Federal de Alagoas

 

Literatura Citada

BRASIL. Presidência da República, Câmara da Reforma do Estado, Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado, Brasília, 1995.

BRASIL. Senado Federal. Constituição da Republica Federativa do Brasil – 1988. Brasília, 1988.

BRASIL. Câmara da Educação Básica – CEB. Conselho nacional de Educação – CNE. Resolução nº 3, de 26 de junho de 1998. Brasília, 1998a.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Mapeamento das Mudanças na Estrutura Organizacional dos Sistemas de Ensino. Brasília, 1998b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria do Ensino Médio e Tecnológico. Proposta Metodológica de Macroplanejamento Educacional para o Ensino Médio. Brasília, 1998c.

BRASIL. Ministério da Educação. Desenvolvimento da educação no Brasil. Brasília: MEC, 1998d.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional N° 5.692, de 11 de agosto de 1971. Brasília, 1971

BRASIL. Lei Nº 7.044, de 18 de outubro de 1982. Brasília, 1982.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 1996.

BRASIL. Lei N. 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, na forma prevista no art. 60, § 7º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, e dá outras providências.

BRASIL. Lei No 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências.

BRASIL. Decreto N.º 2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º do art.36 e os arts. 39 a 42 da Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: bases legais/ Ministério da Educação. Brasília, 1999a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Projeto de Educação Básica para o Nordeste – MEC/BIRD. Programa de Pesquisa e Operacionalização de Políticas Educacionais. Educação, escola e comunidade. Sofia Lerche Vieira et. al. Brasília, 1999b. (Série Estudos; n. 9).

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. O perfil do aluno brasileiro – um estudo a partir dos dados do SAEB 97. Brasília, 1999c.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Informações Educacionais Estado do Ceará. Brasília, 1999d.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Situação da Reforma do Ensino Médio – Estado do Ceará – Seminário Novo Ensino Médio Educação Agora é para a Vida. Brasília, 1999e.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria – Executiva. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Educação Brasileira: Políticas e Resultados. Brasília, 1999f.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Programa de Melhoria e Expansão do Ensino Médio – PROMED. Brasília, [s.d.].

BRASIL. Relatório Síntese de Divulgação dos Resultados. SAEB 2001. Brasília, 2002a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, 2002b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília, 2002c.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2002d.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: MEC, SEMTEC, 2002e.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006b. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 1).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, 2006c. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 2).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília, 2006d. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 3).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referenciais para formação de professores. Brasília: MEC, 1999. mimeo.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Subsídios para uma proposta de Atenção Integral à Criança e suas dimensões peda-gógicas. Brasília: MEC, 1994. Artigo 3 - A formação dos pro-fissionais da educação.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Ensino Superior. Educação superior e educação básica. Brasília: MEC, 1988.

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PROGRAMA ENSINO MÉDIO INOVADOR. Secretaria da Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Coordenação do Ensino Médio. Brasília, 2009.

DEJOURS, Chistophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 7a edição. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GAUTHIER, Clermont (et. al). Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Tradução Francisco Pereira. Ijui: Ed. UNIJUÍ, 1998. (Coleção Fronteiras da Educação).

JACOBSEN, Jens Peter. Niels Lyhne. Rio de Janeiro: Cosac e Naif, 2000.

KAFKA, Franz. A metamorfose. Tradução Clavin Carruthers. São Paulo: Nova Cultural Ltda, 2002.

KRAWCZYK, Nora Rut. Reflexão sobre alguns desafios do Ensino Médio no Brasil Hoje. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas. Impresso), v. 41, p. 754-771, 2011.

KUENZER, Acacia Zeneida. Ensino Médio e profissional: as políticas do Estado neoliberal. São Paulo: Cortez, 1997.

KUENZER, Acacia Zeneida. Ensino médio agora é para vida: entre o pretendido, o dito e o feito. São Paulo, Educação & Sociedade, ano XXI, nº 70, Abril/2000, pp. 15-39.

MARTINS, Angela Maria. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: avaliação de documento. In: Cadernos de Pesquisa, São Paulo, nº 109, março, 2000. pp. 67-87.

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. 2a edição. Petrópolis: Vozes, 2002.

ZIBAS, Dagmar M. L.. “Refundar o ensino médio? Alguns antecedentes e atuais desdobramentos das políticas dos anos de 1990.” Educ. Soc. [online]. 2005, vol.26, n.92, pp. 1067-1086.