Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Prova no Direito e na Ciência: Uma Comparação1

DOI: http://dx.doi.org/10.18835/1806-6771/juridica.uniandrade.n20v1p229-236

http://www.uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/juridica/index 

downloadpdf

Maria F. Carneiro2

 

Resumo: Neste artigo traça-se uma comparação entre a prova realizada no campo da ciência e do Direito, verificando as principais características de cada uma e as razões das suas diferenças. Analisa-se o conceito filosófico de prova, na ciência e no Direito, concluindo-se que a principal razão da diferença entre eles pode ser uma questão lógica, embora todos busquem a verdade.

Palavras-chave: Prova – Direito – Ciência – Filosofia – Lógica – Verdade.

 

Abstract: In this article we outline a comparison between proof in the field of science and Law, verifying the main features of each one and the reasons of their differences. We analyze the philosophical concept of proof, in science as well as in Law, concluding that the main reason of the difference between them can be a logic question, although all of them search for truth.

Key words: Proof – Law – Science – Philosophy – Logic – Truth.

 

1 Agradecimentos ao amigo, interlocutor e Mestre em Direito Processual Civil Laércio A. Becker pelas sugestões, ideias, críticas, ensinamentos e indicações bibliográficas, neste em vários outros trabalhos.
2 Doutora em Direito pela UFPR, Pós-doutora em Filosofia pela Universidade de Lisboa, Membro do Centro de Letras do Paraná, da Italian Society for Law and Literature, Editorial Board Member of the International Journal for Law, Language & Discourse e do Scientific & Academic Publishing.

 

Literatura Citada

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. (Trad. de Alfredo Bosi), 2ª ed., São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ARENHART, Sérgio Cruz. A tutela inibitória da vida privada. (In: Coleção temas atuais de direito processual civil, v. 2), São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2000.

ARISTÓTELES. Retórica. I, 2, 1357 b 5 .

BIRNFELD, Marco Antonio. Escreva Direito: Prova e Evidência Têm Definições Diferentes. In: http://www.conjur.com.br/2004-jun-11/prova_evidencia_definicoes_diferentes . Acesso em: 04.11.2011.

BLACKBURN, Simon. Dicionário Oxford de Filosofia. (Trad. de Desidério Murcho et al),Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

BRASIL. Código de Processo Penal. São Paulo: Saraiva, 2009.

DE PLÁCIDO E SILVA. Vocabulário Jurídico. 4ª. ed., Vol. III, Rio de Janeiro: Forense, 1975.

DESCARTES, René. Discurso do Método. (Trad. De Elza Moreira Marcelina), Brasília: UNB, 1985.

KUHN, Thomas S. A Estrutura das Revoluções Científicas. (Trad. de Beatriz Vianna e Nelson Boeira), 4ª. ed., São Paulo: Perspectiva, 1996.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de Filosofia. 3ª. ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1996.

MALATESTA, Nicola Framarino Dei. A Lógica das Provas em Matéria Criminal. http://bdjur.stj.jus.br/xmlui/bitstream/handle/2011/26788/A_logica_provas_materia.pdf?sequence=1. Acesso em: 27/11/2011.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sergio Cruz. Prova. 2ª. ed., São Paulo: RT, 2011.

PRIGOGYNE, Ilya. O Fim das Certezas. (Trad. de Roberto Leal Ferreira), São Paulo: Editora UNESP, 1996.

TERRÉ, Dominique. Les derives de l’argumentation scientifique. Paris: Presses Universitaires de France, 1988.

WILSON, Edward. Consilience- the Unity of Knowledge. New York: Vintage Books, 1998.

WOLFRAM, Sybil. Philosophical Logic – An Introduction. London/New York/Oxford: Routledge, 1994.