Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Percepção de Profissionais da Saúde Sobre a Assistência Domiciliária ao Idoso

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0969/pi.v18n18p11-29

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/PINFOR/index 

downloadpdf

Olinda T. Rugene1 & Eligiane P. P. Onofre2

 

Resumo: A atenção à saúde no domicílio insere-se como uma tecnologia de cuidados que tem sido incorporada às novas demandas da população. O presente estudo procurou conhecer a percepção de profissionais da saúde sobre a assistência domiciliar ao idoso. Trata-se de uma investigação qualitativa, descritiva, na qual foram entrevistados 18 profissionais da área da saúde de um instituto de geriatria e gerontologia de São Paulo (SP), Brasil, instituição pública que atende, em nível ambulatorial especializado, pacientes a partir dos 60 anos de idade. Os resultados evidenciaram a assistência domiciliária ao idoso como um serviço diferenciado em saúde que favorece as ações de acordo com as necessidades específicas dos idosos e que representa uma prática enriquecedora para os profissionais. As relações entre o cuidador, familiares e pacientes e os problemas socioeconômicos dos atendidos foram apontados pelos entrevistados como principais dificuldades nesse tipo de atendimento.

Palavras-chave: serviço de assistência domiciliária; paciente domiciliar; idoso; equipe de assistência ao paciente.

 

Abstract: Home health care is a care technology that has been incorporated to the new demands of the population. The present study sought to find out the “health professionals’ perception of home care for the elderly”. This qualitative, descriptive research interviewed 18 health professionals of a Geriatric and Gerontology Institute of São Paulo (SP), Brazil, a public specialized institution that assists outpatients over 60 years old. The results revealed that home care for the elderly is a differentiated health service that favors actions according to the specific needs of the elderly and enriches the professionals’ practice. The relationship between the caregiver, family, and patients and socioeconomic problems were cited by respondents as the main difficulties in this type of care.

Key words: home care services; homebound persons; elderly; patient care team.

 

1 Psicóloga no Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia (Jem). Especialista em psicoterapia psicodinâmica e psicoterapia breve pelo Ippesp. Mestranda em Psicologia da Saúde pela Universidade Metodista de São Paulo. Email: olindatr@ig.com.br
2 Psicóloga clínica - Programa de Aprimoramento Profissional em Gerontologia.

 

Literatura Citada

ANVISA – AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 11, de 26 de janeiro de 2006. Dispõe sobre o regulamento Técnico de funcionamento de Serviços que prestam Atenção Domiciliar. Brasília: Diário Oficial da União, 30 jan. 2006. Seção 1, p. 1-2 (Suplemento). Disponível em: http://www.uberlandia.mg.gov.br/uploads/cms_b_arquivos/10701.pdf Acesso em: 20 ago. 2013.

AMARAL, N. N. et al. Assistência domiciliar à saúde (home health care): sua história e sua relevância para o sistema de saúde atual. Revista de Neurociências, v. 9, n. 3, p. 111-17, 2001. Disponível em: <http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2001/RN%2009%2003/Pages%20frfr%20RN%2009%2003-5.pdf>. Acesso em: 21 set. 2013.

BAPTISTA, A. S. D; RODRIGUES, M. F. S.; BAPTISTA, M. N. Assistência domiciliar e atuação do psicólogo. In: BAPTISTA, M. N.; DIAS, R. R. (Orgs.). Psicologia hospitalar: teoria, aplicações e casos clínicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogar, 2010. p. 27-44.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.416, de 23 de março de 1998. Estabelece os requisitos para credenciamento de hospitais e os critérios para a realização de internação domiciliar no SUS. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 mar. 1998, Seção 1, Pág. 106. Disponível em: <http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/PORTARIA_2416.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei nº 10.424, de 15 de abril de 2002. Acrescenta capítulo e artigo à Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento de serviços correspondentes e dá outras providências, regulamentando a assistência domiciliar no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 abr. 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10424.htm>. Acesso em: 16 ago. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição. Manual de assistência domiciliar na atenção primária à saúde. Porto Alegre: Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, 2003a.

BRASIL. Lei n.º 10.741, de 1.º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 out. 2003b. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em: 16 ago. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. (Série Normas e Manuais Técnicos – Cadernos de Atenção Básica, n. 19).

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.820, de 13 de agosto de 2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde, e inclui a atenção domiciliar como garantia dos direitos dos usuários. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 ago. 2009. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1820_13_08_2009.html>. Acesso em: 13 ago. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.527, de 27 de outubro de 2011. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 out. 2011, seção 1, p. 208. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2527_27_10_2011.html>. Acesso em: 13 ago. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de atenção domiciliar. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

CAMPOS, C. J. G. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 57, n. 5, p. 611-4, 2004. https://doi.org/10.1590/S0034-71672004000500019

CHIBA, T.; YAMAGUCHI, A. M.; HIGA-TANIGUCHI, K. T. Assistência domiciliar In: JACOB FILHO, W.; GORZONI, L. M. (Orgs.). Geriatria e gerontologia: o que todos devem saber. São Paulo: Roca, 2008. p. 221-233.

DUARTE, Y. A. O.; DIOGO, M. J. D. Atendimento domiciliário: um enfoque gerontológico. In: DUARTE, Y. A. O; DIOGO, M. J. D. (Orgs.). Atendimento Domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, 2000. p. 3-17.

GAVIÃO, A. C. D. Aspectos psicológicos e o contexto domiciliar. In: DUARTE, Y. A. O; DIOGO, M. J. D. (Orgs.). Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, 2000. p. 173-180.

GALVÁN, G. B. Equipes de saúde: o desafio da integração disciplinar. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, v. 10, n. 2, p. 53-61, 2007.

GIACOMOZZI, C. M.; LACERDA M. R. A prática da assistência domiciliar dos profissionais da estratégia de saúde da família. Texto & Contexto – Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 4, p. 645-653, 2006.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese dos indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv62715.pdf>. Acesso em: 2 set 2013. (Série Estudos e Pesquisas Informações Demográficas e Socioeconômicas, n. 29).

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População brasileira deve chegar ao máximo (228,4 milhões) em 2042. IBGE. Sala de Imprensa. 29 . ago. 2013. Disponível em: <http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=2455>. Acesso em: 2 set. 2013.

LACERDA, M. R. et al. Atenção à saúde no domicílio: modalidades que fundamentam sua prática. Saúde e Sociedade, v. 15, n. 2, p. 88-95, mai.-ago. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v15n2/09.pdf>. Acesso em: 11 jun. 2013.

LAHAN, C. F. Peculiaridades do atendimento psicológico em domicílio e o trabalho em equipe. Psicologia Hospitalar, São Paulo, v. 2, n. 2, dez. 2004. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-74092004000200010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 20 jan. 2014.

LEME, L. E. G. A interprofissionalidade e o contexto familiar. In: DUARTE, Y. A. O; DIOGO, M. J. D. (Orgs.). Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, 2000. p. 117-143.

LEME L. E. G.; DIAS, M. H. M. S. Serviços de assistência domiciliária: objetivos, organização e resultados. In: PAPALÉO NETTO, M. (Org.). Tratado de gerontologia. 2 . ed. São Paulo: Atheneu, 2007. p. 683-694.

NOGUEIRA-MARTINS, M. C. F. Humanização das relações assistenciais: a formação do profissional de saúde. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

REHEM, T. C. M. S. B.; TRAD, L. A. B. Assistência domiciliar em saúde: subsídios para um projeto de atenção básica brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, n. 10 (sup), 231-242, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v10s0/a24v10s0.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2013.

SAKATA, K. N. et al. Concepções da equipe saúde da família sobre as visitas domiciliares. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 60, n. 6, p. 659-664, nov.-dez. 2007. https://doi.org/10.1590/S0034-71672007000600008

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

THUMÉ E. et al. Assistência domiciliar a idosos: fatores associados, características do acesso e do cuidado. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 6, p. 11021111 , dez. 2010. https://doi.org/10.1590/s0034-89102010005000038

TIEPPO, A. Assistência domiciliária no setor suplementar. In: PAPALÉO NETTO, M. (Org.). Tratado de gerontologia. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2007. p. 695-700.