Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Educação Ambiental e Formação de Professores no PARFOR da Universidade do Estado do Pará

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v22n2ep191-216

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Lucicléia P. Silva1, Lívia M. Oliveira2, Erasmo B. Souza Filho1 & Carlos H. Saito2

 

Resumo: Discussões e práticas de Educação Ambiental (EA), especificamente quanto a questões socioambientais, no campo da formação inicial de professores, em grande parte, têm sido direcionadas a estudos a respeito de concepções acerca da relação  humano-ambiente, carecendo de fundamentação teórica e metodológica para compreensão dessa temática e desenvolvimento de ações, tanto em espaços formais como não formais. Neste artigo, apresenta-se a análise da aprendizagem relacionada ao tema conflitos socioambientais dos graduandos, mediada pela aplicação do material didático PROBIO-Educação Ambiental (PROBIO-EA), realizada durante a disciplina Estágio Supervisionado I: vivências em espaços não formais, ofertada para uma turma de graduandos em Biologia cursando o 5º módulo (semestre), no âmbito do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica – PARFOR em execução na Universidade do Estado do Pará. A questão fundamental neste trabalho é: A partir do uso do material didático PROBIO-EA, ocorre  efetivamente a reoperacionalização de conceitos e exemplos no conhecimento prévio dos graduandos? O procedimento metodológico envolveu a aplicação de um questionário para sondagem do conhecimento prévio dos graduandos em relação a conflitos socioambientais e à pedagogia dialógico-problematizadora; discussão, planejamento e aplicação em praça pública do material didático junto à comunidade do município de Castanhal, onde está localizado um dos campi da universidade; feedback com um segundo questionário para avaliar a aprendizagem ocorrida após realização da prática. A partir dos dados obtidos, procedeu-se a análise de conteúdo de todo o processo de construção de conhecimentos, cujos resultados são apresentados no presente artigo.

Palavras-chave: Educação Ambiental; Paulo Freire; Conflitos socioambientais; Formação de professores; Praças públicas; Conservação da biodiversidade.

 

Abstract: Discussions and practices in Environmental Education (EE), but specifically about environmental issues in the field of initial teacher education have been directed largely to studies on conceptions of the human-environment relationship, lacking theoretica and methodological foundation for understanding this thematic and development activities, both formal and non-formal spaces. The present study brings the analysis of the knowledge construction process, about the above issues, during the Supervised Traineeship discipline: some experiences in non-formal spaces, offered to graduating class in biology attending the 5th module (semester), under the National Plan for Training of Basic Education Teachers – PARFOR running in the Pará State University, mediated by dialogical problem-pedagog from the use of teaching materials PROBIO- Environmental Education (PROBIO-EA). The fundamental question in this paper is: do rearrangements of concepts and examples in the prior knowledge of the students effectively occurs from the use of PROBIO-EA didactic material? The methodological procedure involved the application of a questionnaire to survey the previous knowledge of the students in relation to socio-environmental conflicts and dialogical problem-posing pedagogy; discussion, planning and the use of the teaching material in a public square in the Castanhal city where it is located one of the university campuses; feedback with a second questionnaire to assess the learning that took place after completion of practice. From the data obtained we proceeded to the content analysis of the whole process of knowledge construction, which results are presented in this article.

Key words: Environmental Education; Paulo Freire; Socio-environmental conflicts; Teacher training; Public squares; Biodiversity conservation

 

1 Universidade do Estado do Pará
2 Universidade de Brasília

 

Literatura Citada 

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. ver. atual. Lisboa: Edições 70, 2009.

BARROS, D. L. P. Teoria semiótica do texto. 4. ed. São Paulo: Ática, 2005.

Bartasson , L. A. Contribuição do material didático PROBIO-EA para a compreensão de conceitos ecológicos na Educação Básica: uma avaliação por meio de mapas conceituais. 2012. 55 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

BRASIL. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 jan. 2009. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6755.htm>. Acesso em: 2 dez. 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e basesda educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 2 dez. 2014.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 abr. 1999. Disponível em: <http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 30 mar. 2014.

CARSON, R. Silent Spring. Boston: Houghton Miffin, 1962.

FIORIN, J. L. Em busca do sentido: estudos discursivos. São Paulo: Contexto, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.

HENN, R. Desafios Ambientais na Educação Infantil. 2008. 424 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2008.

HUNGERFORD, H. R. Environmental Education (EE) for the 21st Century: where have we been? Where are we now? Where are we headed? Journal of Environmental Education, v. 41, n. 1, p 1-6, 2009. http://dx.doi.org/10.1080/00958960903206773

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LITTLE, P. E. Os conflitos socioambientais: um campo de estudo e ação política. In: BURSZTYN, M. (Org.). A difícil sustentabilidade: Política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond universitária, 2001. p. 107-122.

Nardin, A.C. Avaliação do potencial dialógico-problematizador dos materiais didáticos produzidos pelo PROBIO/EA. 2011. 175 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

NÓBREGA, M. D. S et al. Reelaboração de portfólios para análise de conflitos socioambientais locais baseado no material didático do PROBIO-EA. In: Reunião Bienal da Red -Pop , 12., 2011, Campinas. Anais… Campinas, 2001. p. 1-10. Disponível em: <http://www.mc.unicamp.br/redpop2011/trabalhos/390. pdf>. Acesso em: 30 mar. 2014.

PERRENOUD, P. Dez Novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PLATIAU, A. F. B. et al. Uma crise anunciada. In: THEODORO, S. H. (Org.). Mediação de Conflitos Socioambientais. Rio de Janeiro: Garamond universitária, 2005. p. 23-71.

PROBIO Educação Ambiental. Disponível em: <http://www.ecoa.unb.br/PROBIOea/>. Acesso em: 16 dez. 2014.

SAITO, C. H. Environmental education and biodiversity concern: beyond the ecological literacy. American Journal of Agricultural and Biological Sciences, v. 8, n.1, p. 12-27, 2013. http://dx.doi.org/10.3844/ajabssp.2013.12.27

SAITO, C. H. Os desafios contemporâneos da Política de Educação Ambiental: dilemas e escolhas na produção do material didático. In: Ruscheinsky, A. (Org.). Educação Ambiental – Abordagens Múltiplas. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2012. p. 250-266.

SAITO, C. H.; BASTOS, F. da P.; ABEGG, I. Teorias-guia Educacionais da Produção dos Materiais Didáticos para a Transversalidade Curricular do Meio Ambiente do MMA. Revista Iberoamericana de Educación, v. 45, n. 2, p. 1-10, 2008. ISSN 1681-5653.

SAITO, C. H. et al. Conflitos Socioambientais, Educação Ambiental e Participação Social na Gestão Ambiental. Sustentabilidade em Debate, v. 2, n. 1, p. 121-138, 2011.

SAITO, C. H. et al. Imagem e Território como ponto de partida para uma Educação Ambiental dialógico-problematizadora. Espaço e Geografia (UnB), v. 15, n. 2, p. 491- 516, 2012a.

SAITO, C. H. et al. Popularizando o PROBIO-Educação Ambiental na praça e na escola. Revista Brasileira de Educação Ambiental (Online), v. 7, n. 2, p. 83-95, 2012b.

SANCHEZ, L. E. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. 2. ed. São Paulo: Oficina de textos, 2006.

SCOTTO, G. Conflitos ambientais no Brasil: natureza para todos ou somente para alguns? Rio de Janeiro: IBASE, 1997.

UNESCO/UNEP. The Belgrade Charter, Adopted by the UNESCO-UNEP International Environmental Workshop, realizado em Belgrado, Outubro de 1975. Belgrado (Servia): UNESCO, 1975. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/ images/0001/000177/017772eb.pdf> Acesso em: 10 ago. 2015.

UNESCO/UNEP. Tbilisi Intergovernmental Conference on Environmental Education, realizado em Tbilisi, Georgia, 1977. Paris (França): UNESCO, 1978. Disponível em: <http://www.gdrc.org/uem/ee/EE-Tbilisi_1977.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2014.