Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Educação Ambiental e o Uso de Agrotóxicos: Relações entre o Modelo de Produção Agrícola, a Exigência do Conhecimento e o Papel Da Escola

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v22n2ep309-334

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Fabiana Fassis1 & Luiz M. Carvalho1

 

Resumo: A partir da dissertação de mestrado da primeira autora, procuramos explorar, neste artigo, aspectos relacionados com processos de construção de possíveis sentidos sobre a relação entre educação e o uso intensivo de agrotóxicos para a produção agrícola. A pesquisa teve como foco as relações entre Educação Ambiental e as possibilidades de formação política e construção da cidadania em contextos nos quais o uso intensivo de agrotóxicos é parte da realidade cotidiana de uma determinada população. As principais questões de pesquisa estão voltadas para tentativas de compreender quais os significados atribuídos por educadores de uma comunidade agrícola sobre a questão do uso de agrotóxicos nas lavouras, e ainda, que justificativas e argumentos sustentam os seus depoimentos e suas considerações sobre tais práticas. A abordagem histórico-cultural orientou o processo de produção, sistematização e análise dos dados, a partir de entrevistas com quatro agentes sociais envolvidos em atividades de Educação Ambiental em um município do interior paulista no qual a principal atividade econômica está relacionada com práticas de produção agrícola intensivas. A construção de sentidos a partir da análise das entrevistas permitiu-nos a proposição de quatro núcleos de significação. Neste artigo, dedicaremos especial atenção ao núcleo referente ao modelo de produção agrícola e ao uso de agrotóxicos.

Palavras-chave: Educação; Educação Ambiental; Educadores; Escola; Agrotóxicos.

 

Abstract: From the the first author’s master thesis, we try to explore in this article aspects related to construction processes in possible ways on the relation between education and the intensive use of pesticides for agricultural production. The research focused on the relation between Environmental Education and the possibilities for political education and empowerment in contexts where the intensive use of pesticides is a part of the everyday reality of a population. The main research questions are focused on attempts to understand the meanings attributed by educators of a farming community on the issue of using pesticides on crops, and also what justifications and arguments support their statements and their consideration on such practices. The historical-cultural approach guided the production process, organization and analysis of data from interviews with four social agents involved in activities of environmental education in a city in the interior where the main economic activity is related to intensive farming practices. The construction of meaning from the analysis of the interviews allowed us to propose four meaning cores. In this article, we will devote special attention to the core related to the model of agricultural production and the use of pesticides.

Key words: Education; Environmental Education; Educators; School; Pesticides

 

1 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP – Campus Rio Claro

 

Literatura Citada 

ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Núcleos de Significado para a apreensão da construção de sentidos. Revista Psicológica e Ciência, Brasília, v. 26 n. 2, p. 222-245, 2006.

ALLEGRETTI, M. A construção social de políticas públicas. Chico Mendes e o movimento dos seringueiros. Desenvolvimento e Meio Ambiente – UFPR, Curitiba, v. 18, n. 18, p. 39-59, jul./dez. 2008.

ALMEIDA, M. T. O agrotóxico como tema problematizador no ensino de química na formação técnico agrícola. 2009. 50 f. Dissertação (Mestrado em Ciências)– Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2009.

ALVES, B. T. Experiências Políticas e Práticas Docentes em Educação Ambiental: trajetórias de professores de ciências da natureza. 2013. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2013.

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O Método nas Ciências Sociais: Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 2000.

BAGNOLO, C. M. Empresariado e Ambiente: algumas considerações sobre a EducaçãoAmbiental no espaço escolar. Ciência & Educação, v. 16, n. 2, p. 401-413, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132010000200009

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: WFW Martins Fontes, 2011.

BARBALHO, P. Ligas Camponesas: formação, luta e enfraquecimento. In: CONNEPI – Congresso Norte-Nordeste de Pesquisa e Inovação, 5., 2010, Maceió. Anais eletrônicos... Maceió: IFAL, 2010. Disponível em: < http://connepi.ifal.edu.br/ocs/anais/>. Acesso em: 24 dez. 2014.

CALDART, R. S. O MST e a Formação dos Sem Terra: o movimento social como princípio educativo. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 43, p. 207-224, 2001. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142001000300016

CARSON, R. Primavera Silenciosa. Tradução de Cláudia Sant’Anna Martins. 1. ed. São Paulo: Gaia, 2010.

CARVALHO, I. C. M. A invenção do sujeito ecológico: sentidos e trajetórias em educação ambiental. 2000. 349 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa dePós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

CARVALHO, L. M. A temática ambiental e a escola de primeiro grau. 1989. 282 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.

CARVALHO, L. M.A temática ambiental e o processo educativo: dimensões e abordagens. In: CINQUETTI, H. C. S.; LAGAREZZI, A. (Org.). Consumo e resíduo: fundamentos para o trabalho educativo. São Carlos: EdUFSCar, 2006. p. 19-41.

COMPIANI, M. O lugar e as escalas e suas dimensões horizontal e vertical nos trabalhos práticos: implicações para o ensino de ciências e educação ambiental. Ciência e Educação, v. 13, n. 1, p. 29-45, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132007000100003

DOWBOR, L. Educação e apropriação da realidade local. Estudos Avançados, v. 21, n. 60, p. 75-92, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142007000200006

FASSIS, F. Educação Ambiental e o Uso de Agrotóxicos. 2014. 215 f. Dissertação(Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2014.

FRACALANZA, H. et al. A Educação Ambiental no Brasil: panorama inicial da produção acadêmica. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 5., 2005, Bauru. Anais… Bauru: ABRAPEC, 2005. 1 CD.

FREITAS, M. T. A.; RAMOS, B. S. Fazer pesquisa na abordagem histórico- -cultural: metodologias em construção. Juiz de Fora: UFJF, 2010.

FRIGO, D.; ISAGUIRRE-TORRES, K.; LIMA, R. P. (Col.). Desenvolvimento Rural, Meio Ambiente e Direito dos Agricultores, Agricultoras, Povos e Comunidades Tradicionais. (Série cadernos da agrobiodiversidade). Curitiba: Terra de Direitos, 2013. v. 2.

GUAPIARA. 2012. Disponível em: <http://www.guapiara.sp.gov.br/>. Acesso em: 25 out. 2012.

GONÇALVES, C. W. P. Os (des)caminhos do meio ambiente. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1990.

GRÜN, M. Ética e educação ambiental: a conexão necessária. Campinas: Papirus, 1996.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=351760&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas>. Acesso em: 28 abr. 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.Censo Educacional 2012. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=351760=117&search=saopaulo%7Cguapiara%7Censino-matriculas-docentes-e-rede-escolar-2012>. Acesso em: 28 abr. 2014.

KARNOPP, E.; OLIVEIRA, V. S. Agronegócio e Agricultura Familiar: reflexões sobre sistemas produtivos do espaço agrário brasileiro. REDES – Rev. Des. Regional, Santa Cruz do Sul, v. 17, n. 2, p. 215-228, maio/ago. 2012.

LAYRARGUES, P. P. Muito Além da Natureza: educação ambiental e reprodução social. In: Loureiro , C. F. B.; Layrargues , P. P.; Castro , R. C. de (Org.). Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006. p. 72-103.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. Mapeando as Macro-Tendências Político-Pedagógicas da Educação Ambiental Contemporânea no Brasil. In: Encontro “Pesquisa em Educação Ambiental ”. A Pesquisa em Educação Ambiental e a Pós-Graduação no Brasil, 6., Ribeirão Preto, set. 2011. Anais... Ribeirão Preto, 2011.

LIMA, G. F. C. Formação dinâmica do campo da educação ambiental no Brasil: emergência, identidades, desafios. 2005. 207 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000350183>. Acesso em: 5 de ago. 2013.

LIMA, G. F. C. Questão ambiental e educação: contribuições para o debate. Ambiente & Sociedade – NEPAM/UNICAMP, Campinas, ano 2, n. 5, p. 135-153, 1999.

LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. Coleção questões da nossa época. São Paulo: Cortez, 2012. v. 39.

LUND, T. et al. Farmer fiel school-IPM impacts on urban and peri-urban vegetable producers in Cotonou, Benin. International Journal of Tropical Insect Science, v. 30, n. 1, p. 19-31, 2010. http://dx.doi.org/10.1017/S1742758410000020

LUTZENBERGER, J. A. Fim do Futuro? Manifesto Ecológico Brasileiro. Porto Alegre: Movimento; Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1980.

PEREIRA, L. C. B. Estado, Sociedade Civil e Legitimidade Democrática. Lua Nova – Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 34, p. 85-104, 1995.

PERES, F.; MOREIRA, J. C.; CLAUDIO, L. Os impactos dos agrotóxicos sobre a saúde e o ambiente. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 4, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 25 out. 2012.

SANTANA, L. C. Educação Ambiental: de suas necessidades e possibilidades. In: International Workshop on Project Based – PBL Tech, Learnig and New Technologies ,1., 2005, Guaratinguetá. Anais... Guaratinguetá: PBL Tech, 2005. p 1-14.

TREIN, E. S. A Educação Ambiental Crítica: crítica de quê? Revista Contemporânea de Educação, v. 7, n. 14, p. 304-318, 2012.

VIOLA, E. J. O Movimento Ecológico no Brasil (1974-1986): do Ambientalismoà Ecopolítica. Disponível em: <http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_03/rbcs03_01.htm>. Acesso em: 30 ago. 2012.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto; Luiz Silveira Menna Barreto; Solange Castro Afeche. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.