Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Composição Centesimal de Amêndoas de Coco Babaçu em Quatro Tempos de Armazenamento

DOI: http://dx.doi.org/10.15871/1517-8595/rbpa.v17n2p207-213

http://rbpaonline.com/ 

downloadpdf

Vicente P. Queiroga1, Ênio G. Girão2, Idila M. S. Araújo3, Tarcísio M. S. Gondim1, Rosa M. M. Freire1 & Luiz G. C. Veras4

 

Resumo: Nas regiões produtoras de babaçu, verifica-se a falta de orientação técnica que melhore a qualidade e o rendimento do babaçueiro, especialmente do seu principal produto que é o óleo. Após a coleta dos frutos que caem ao solo, obtém da extração das amêndoas de frutos maduros o maior rendimento em óleo. Com este propósito objetivou-se, avaliar a composição química e mineral das amêndoas dos frutos de babaçu, provenientes do município de Barbalha, CE, submetidos às seguintes condições de armazenamento: sem armazenamento (frutos colhidos diretamente do cacho da planta), frutos caídos naturalmente ao chão com 7 dias de armazenamento, frutos com 180 dias de armazenamento a céu aberto e frutos com 180 dias de armazenamento em depósito com cobertura. No Laboratório de Análise de Alimentos da Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza, CE determinou-se: teor de água, teor de óleo, proteína, cinza, carboidrato, nitrogênio (N), fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca), magnésio (Mg) e enxofre (S) a partir de 10 frutos coletados no ano agrícola 2013 por tratamento, em que os dados obtidos foram analisados em delineamento inteiramente casualizado com cinco repetições, tendo as médias sido comparadas pelo teste de Tukey. Com base nos resultados obtidos concluiu-se que: o rendimento em óleo (%) foi influenciado significativamente com o tempo de armazenamento e seu teor em óleo reduziu quando o fruto é colhido imaturo na planta. Enquanto os teores de água, proteína, nitrogênio, cálcio e enxofre apresentaram baixa concentração para os frutos armazenados aos 7 dias (T2) e 180 dias em depósito com cobertura (T4).

Palavras-chave: Orbignya sp, armazenagem, componentes minerais, óleo

 

Abstract: On producing areas of babassu, there are a lack of technical guidance to improve the quality and babassu’s yield, especially, its main product, the oil. After collecting the fruits that fall to the ground, it is obtained the extraction of ripe fruit kernels the highest oil yield. For this purpose it was aimed to evaluate the chemical and mineral composition of the fruit kernels of babassu, from the county of Barbalha, CE, subjected to the following storage conditions: no storage (curl fruit picked straight from the plant), naturally fallen fruits with 7 days of storage, fruits with 180 days of storage in open air and fruits with 180 days storage in covered tanks. Laboratory of Food Analysis postharvest, Fortaleza, CE was determined: moisture content, oil content, protein, ash, carbohydrate, nitrogen (N), phosphorus (P), potassium (K), calcium (Ca), magnesium (Mg) and sulfur (S) from 10 fruits collected in the agricultural year 2013 per treatment, in which the data were analyzed in a completely randomized design with five replications, and the averages were compared by Tukey test. Based on the results obtained it was concluded that: the oil yield (%) was influenced significantly with storage time and its oil content decreased when the fruit is harvested immature plant. While the concentrations of moisture content, protein, N, Ca and S showed low concentration for fruits stored at 7 days (T2) and 180 days storage in covered tanks (T4).

Key words: Orbignya sp, harvest time, chemical components, oil

 

1 Pesquisadores da Embrapa Algodão, Rua Osvaldo Cruz, no 1143, CEP 58.428-095 Campina Grande, PB. Email:vicente.queiroga@embrapa.br; tarcisio.gondim@embrapa.br; rosa.freire@embrapa.br
2 Pesquisador da Embrapa Agroindústria Tropical, Rua Sara Mesquita, no 2270. CEP 60.115-000 Fortaleza, CE. Email:enio.girão@embrapa.br
3 Tecnóloga da Embrapa Agroindústria Tropical, Rua Sara Mesquita, no 2270. CEP 60.115-000 Fortaleza, CE. Email: idila.araujo@embrapa.br
4 Analista da Embrapa Algodão, Rua Osvaldo Cruz, no 1143, CEP 58.428-095 Campina Grande, PB. Email:luiz.veras@embrapa.br

 

Literatura Citada

Association of Official Analytical Chemists (AOCS).Official and tentative methods of the American Oil Chemist’s Society (3rd ed.). Chicago, USA: American Oil Chemists’ Society Press, 1998.

Braga, J.M.; Defelipo, B.V. Determinação espectrofotométrica de P em extratos de solo e material vegetal. Revista Ceres, Viçosa, v.21, n.113, p.73-85, 1974.

Brasil. Ministério da Indústria e do Comércio - Secretaria de Tecnologia Industrial. Coco de Babaçu: matéria-prima para produção de álcool e carvão. Brasília: MIC-STI, 1977. 39p.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 360. Regulamento sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados. Diário Oficial da União, Brasília, dezembro de 2003.

Carrazza, L.R.; Ávila, J.C.C.; Silva, M.L. Manual Tecnológico de Aproveitamento Integral do Fruto e da Folha do Babaçu (Attalea spp). 2ª edição Brasília. Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN). Brasil, 2012. 68p.

Carvalho, J.B.M.; Martinengui, G.B.; Melzer, M. Tecnologia industrial de óleos e ceras. Rio de Janeiro: Boletim do Instituto de Óleos. n.9, p.34-70, 1952.

Carvalho, J.H.; Alcoforado Filho, F.G.; Moraes, J.L.D. Efeitos de diferentes condições e períodos de armazenamento sobre a germinação de diásporos de babaçu (Orbignya martiana). O Campo, Teresina-PI, v.2, n.41, p.7-12, 1988.

Castro, A.A.; Braga, M.E.D.; Cavalcanti Mata, M.E.R.M. Comportamento ecoló-gico do azeite de coco de babaçu em diferentes temperaturas. Revista Brasileira de Oleaginosas e Fibrosas, Campina Grande, v.6, n.1, p.457-463, 2002.

Crampton, E.W.; Harris, L.E. Applied animal nutrition. 2. ed., São Francisco: Freemon, 1989. 749p.

Embrapa. Babaçu: Programa Nacional de Pesquisa. Brasília: EMBRAPA, 1984. 89p.

Façanha, M.S.L.; Vieira, A.H. Produção e biometria de frutos de babaçu (Attalea speciosa Mart. ex Spreng.). In: Encontro de Iniciação à Pesquisa da Embrapa Rondônia, 2., 2011, Porto Velho. Anais... Porto Velho: Embrapa Rondônia, 2011. 70p. (Embrapa Rondônia. Documentos, 146). p.32.

Figueiredo, L.D. Embates nos babaçuais. Do espaço doméstico ao público – lutas das quebradeiras de coco babaçu no Maranhão. 2005. 198f. Dissertação (Mestrado em Agriculturas

Familiares e Desenvolvimento Sustentável) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2005.

Fonseca, E.T. Óleos vegetais brasileiros. Ministério da Agricultura: Rio de Janeiro, 1992. 130p.

Harrington, J. Packaging seed for storage and shipment. Seed Science & Technology, Zürich, v.1, n.3, p.701-709, 1973.

Lorenzi, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 3.ed. Nova Odessa, Plantarum, v.1, 2002. 352p.

Lorenzi, H.; Souza, H.M.; Medeiros Costa, J.T.; Cerqueira, L.S.C.; Behr, N. Von. Palmeiras no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Editora Plantarum, 1996, 303p.

Peixoto, A.R. Plantas oleaginosas arbóreas. São Paulo: Nobel, 1973. 284p. il.

Pinto, G.P. Contribuição ao estudo tecnológico e econômico da neutralização do óleo de babaçu. Belém, PA: IAN, 1956. p.207-273. (IAN. Boletim técnico, 31).

Pinto, G.P. Características físico-químicas e outras informações sobre as principais oleaginosas do Brasil. Recife: Instituto de Pesquisas e Experimentação agropecuárias do Nordeste, 1963. (Instituto de Pesquisas e Experimentação Agropecuárias do Nordeste. Boletim Técnico, 18).

Revilla, J. Plantas úteis da Bacia Amazônica. Manaus: INPA/SEBRAE, 2002. Vol. II.

Silva, F.C. Manual de análise química de solos, plantas e fertilizantes. Brasília: EMBRAPA Comunicação para Transferência/Embrapa Solos/Embrapa Informática para Agricultura, 1999. 370p.

Soler, M.P; Vitali, A.A.; Muto, E.F. Tecnologia de quebra do coco babaçu (Orbignya speciosa). Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.27, n.4, p.717-722, 2007.

Wisneiwski, A.; Melo, C.F.M. Babaçu e a crise energética. Belém: Embrapacpatu, 1981. 25p. (Embrapa-CPATU. Documentos, 2).