Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Dialogando com a Ciência: Ações, Atuações e Perspectivas na Divulgação Científica e Cultural

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v37n3p43-71

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO 

downloadpdf

Vera R. T. Camargo1

 

Resumo: Para que haja a compreensão e a circulação do conhecimento científico é importante criar condições e proporcionar o entendimento, a acessibilidade e o diálogo com a sociedade. Entre as estratégias para isso estão a necessidade de planejamento detalhado e a oportunidade de oferecer conteúdos que possam ser acessíveis e compreensíveis a todos os públicos. Comunicar ciência estabelecendo relações é o papel e atuação principal de um divulgador científico. Ele propõe a circulação de informações tais como: conceitos, processos filosóficos, sociais, históricos, construções metodológicas, resultados de pesquisas e suas implicações para a sociedade. Essa reflexão tem como objetivo apresentar a trajetória, atuação, participação e reflexão dos principais teóricos sobre as pesquisas desenvolvidas na área da divulgação científica. Os projetos foram desenvolvidos de forma a abranger diversas áreas, seja na parte cultural, com os Jogos Interculturais dos Povos Indígenas (2007-2015), ou na área científica. Nessa última, destacamos os projetos de arqueologia (2010-2013), a AlcScens – geração de cenários de produção de álcool como apoio para a formulação de políticas públicas aplicadas à adaptação do setor sucroalcooleiro nacional às mudanças climáticas (2010-2014) e o Projeto Time – Tecnologias e Mídias Interativas na Escola (2007- 2009). Os projetos foram desenvolvidos com as metodologias educomunicativas e a partir da linha teórica dos estudos culturais. O envolvimento nesses projetos interdisciplinares trouxe resultados pelos quais compreendemos que, para que haja divulgação científica não cabe somente construir e relatar toda a história, o fato e a informação, mas colaborar para que todos possam compreender o processo científico, além de também se inserirem e serem críticos sobre os fatos apresentados. Atuar na formação do divulgador científico é fundamental para atender a essa forte demanda da sociedade.

Palavras-chave: comunicação; divulgação científica; cultura e ciência.

 

Abstract: For Science to make itself understood and to circulate the knowledge produced, it is important to create conditions and to provide understanding, accessibility and dialogue with society. To achieve these strategies it is required detailed planning and the opportunity to offer accessible and understandable content to all audiences. Communicating Science and establishing relationships is the main role and activity of a Science communicator, who proposes the circulation of scientific information such as: concepts, philosophical, social and historical processes, methodological constructions, research findings and their implications to society. This analysis aims at presenting the trajectory, performance, participation and thinking of the main theoreticians about researches that have been developed in the field of Science Communication. The projects were developed to cover a number of areas, whether in the cultural field –with the Intercultural Games of Indigenous Peoples (2007-2015)– or in Science. In the latter, we emphasize the Archaeology Project (2010-2013), AlcScens – generation of ethanol production scenarios as a support for the elaboration of public policies applied to the adaptation of the national sugar and alcohol sector to climate change (2010-2014) – and the engagement with young scientists in the Time Project – Technologies and Interactive Media in School (2007-2009). The projects have been developed with the support of “Educommunicative” methodologies and from the theoretical perspectives of Cultural Studies. From the results and the engagement with these interdisciplinary projects, we observed that in order to Science Communication to occur it is not enough to build and report the whole history, facts and information, but also collaborate in making the entire scientific process available and known, ensuring that people are engaged and able to be critical about the scientific fact. The training of the Science communicators is essential to meet this strong societal demand.

Key words: communication; science communication; culture and science.

 

1 Pós-doutorado pelo Departamento de Multimeios da Unicamp. Doutorado em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo. Pesquisadora do Labjor – Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Unicamp). LATTES: http://lattes.cnpq.br/9375567346135888

 

Literatura Citada

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Unesp, 2005.

CAMARGO, V. R. T.; FERREIRA, M. B. R.; SIMSON, O. M. Jogo, celebração, memória e identidade: reconstrução da trajetória de criação, implementação e difusão dos Jogos Indígenas no Brasil (1996-2009). Campinas: Curt Nimuendajú, 2011.

D’ABREU, J. et al. (Orgs.). Tecnologias e mídias interativas na escola: Projeto Time. Campinas: Curt Nimuendajú, 2011.

FUNARI, P. P. Arqueologia. São Paulo: Contexto, 2003.

GOMES, M. Jogos indígenas em pauta. O índio retratado na imprensa brasileira. In: CAMARGO, V. R. T.; FERREIRA, M. B. R.; SIMSON, O. M. Jogo, celebração, memória e identidade: reconstrução da trajetória de criação, implementação e difusão dos Jogos Indígenas no Brasil (1996-2009). Campinas: Curt Nimuendajú, 2011.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

MARTÍN-BARBERO, J. M. Jóvenes: comunicación y identidad. Pensar Iberoamérica, n. 0, feb. 2002.

OLIVEIRA, F. Jornalismo científico. São Paulo: Contexto, 2002.

PEREIRA, M. AlcScens e as mídias sociais: divulgação científica e as mudanças climáticas globais. 2014. 178 f. Dissertação (Mestrado em Divulgação Cientifica e Cultural)– Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

RAMÍREZ, F.; MORAL, J. F. Área de especialización periodística. Madri: Frágua, 1999.

SODRÉ, M. Reiventando a cultura: a comunicação e seus produtos. Petrópolis: Vozes, 2001.

TEGA-CALIPPO, G. M. V. Arqueologia em notícia: pesquisas impressas, sentidos circulantes e memórias descobertas. 2012. 179 f. Dissertação (Mestrado em Divulgação Cientifica e Cultural) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

VOGT, C. A espiral da cultura científica. bv-cdi fapesp, 25 jun. 2003. Disponível em: <http://www.bv.fapesp.br/namidia/noticia/16081/espiral-cultura-cientifica-artigo-carlos/>. Acesso em: 29 set. 2015.

VOGT, C. Introdução: Ciência, comunicação e cultura científica. In: VOGT, C. (Org.). Cultura científica: desafios. São Paulo: Universidade de São Paulo/Fapesp, 2006.

RTV-Unicamp. A Tocha olímpica: O chamado intercultural 15’27 [ 2007] Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=E18QltenEDQ - acessado em 03/11/2015.

RTV Unicamp-Diálogos Interculturais Indígenas Parte I 14’21 [2008] Disponível em; https://www.youtube.com/watch?v=dKBO1JCiSeU Parte I- acessado em 03/11/2015.

RTV Unicamp-Diálogos Interculturais Indígenas Parte II 14’22 [2008] Disponível em; https://www.youtube.com/watch?v=QfJtqtxF7OM Parte II- acessado em 03/11/2015.

RTV Unicamp-Diálogos Interculturais Indígenas Parte III 14’21 [2008] Disponível em; https://www.youtube.com/watch?v=XqPOWIKIl_w Parte III- acessado em 03/11/2015.