Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Perfil de Indivíduos que se Automedicam em Uma Drogaria do Município de Porto Alegre/RS: O Papel do Farmacêutico

DOI: http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmrs.v16n32p27-38

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/RS/index 

downloadpdf

Stephanie Picon1, Rita de C. Mascarenhas2 & Lucila L. P. Gutierrez3

 

Resumo: Introdução: A automedicação se caracteriza pelo uso de medicamentos sem prescrição médica, na qual o próprio usuário decide qual o medicamento utilizar. Uma vez que o uso indiscriminado dos medicamentos está sendo cada vez mais utilizado pelos indivíduos se faz tão importante a presença do profissional farmacêutico no momento da dispensação. Objetivo: Traçar o perfil do usuário que faz uso da automedicação em uma drogaria do município de Porto Alegre, demonstrando o pale do farmacêutcio. Métodos: Foi aplicado um questionário para a coleta de dados de cada entrevistado que aceitou participar da pesquisa, esta foi realizada em uma drogaria do município de Porto Alegre. Foram entrevistados 97 indivíduos entre 19 e 89 anos. A análise descritiva foi realizada pela apresentação dos resultados em frequências (variáveis qualitativas), média e erro padrão (variáveis quantitativas). Resultados: Percebeu-se que entrevistados do sexo feminino valorizam mais medicamentos apenas receitados pelo médico, como também, fazem mais rigorosamente o controle do prazo de validade dos medicamentos. Em relação à escolaridade, percebeu-se que indivíduos com ensino médio completo consideram de muita importância o atendimento realizado pelo farmacêutico. Deste modo, pode-se ressaltar que os usuários de nível médio são os mais preocupados quanto a procedência da indicação medicamentosa.

Palavras-chave: Automedicação, Medicamentos sem prescrição, papel do Farmacêutico.

 

Abstract: Introduction: Self-medication is characterized by the use of medicine without medical prescription, when the patient decides which drugs he will use. As the indiscriminate use of medicine is on increase, the presence of the pharmacist has become very important at the moment of the drugs dispensation. Objective: Identifying the pattern of the users of self-medication of a pharmacy in the city of Porto Alegre, showing the role of the pharmacist. Methods: A questionnaire was applied to collect data of each individual who accepted to participate of the survey realized in the city of Porto Alegre. The sample included 97 individuals between 19 and 89 years-old. Descriptive analysis was realized by the presentation of the results as frequency (qualitative variables), mean and standard error (quantitative variables). Results: This study demonstrated that the women interviewed not only are the group who appreciate most the drugs prescribed by a doctor, but they are also more concerned about the expiration date of the drugs. Regarding to educational level, it was showed that those individuals with complete high school degree give much relevance to the attendance of the pharmacist. Then, this study shows that individuals with high school degree are the most concerned group when it comes to the source of the drug indication.

Key words: Self-medication, Nonprescription drugs, the role of the Pharmacist.

 

1 Acadêmica do Curso de Farmácia do Centro Universitário Metodista - IPA.
2 Farmacêutica, Profa MSc docente do Centro Universitário Metodista- IPA.
3 Farmacêutica, Profa.Dra docente do Centro Universitário Metodista- IPA.

 

Literatura Citada

ARAUJO-JUNIOR J & VICENTINI G. Automedicação em adultos na cidade de Guairaçá – PR. Arq. Ciências Saúde UNIPAR 1(2): 83-88, 2007.

BRASIL. Conceitos técnicos, medicamentos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, 2012. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/medicamentos/conceito.htm#1.2> Acesso em: 27 Abr. 2014

BORTOLON P, MEDEIROS EF, NAVES JO, KARNIKOWSKI MG, NÓBREGA OT. Análise do perfil de automedicação em mulheres idosas brasileiras. Ciência e Saúde Coletiva 13(4), 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000400018

BUENO CS, WEBER D, OLIVEIRA KR. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí – RS. Rev Ciênc Farm Básica Apl 30(2):75-82, 2009.

COLET CF, MAYORGA P, AMADOR TA. Utilização de Medicamentos por idosos inseridos em grupos de convivência do Munícipio de Porto Alegre/RS/Brasil. Latin American Journal of Pharmacy 27(3): 460-7, 2008.

DUARTE LR, GIANINNI RJ, FERREIRA LR, CAMARGO MA, GALHARDO SD. Hábitos de consumo de medicamentos entre idosos usuários do SUS e de plano de saúde. Cad. Saúde Colet 20(1): 64-71, 2012.

FERNANDES, L.C. Caracterização e análise da farmácia caseira ou estoque domiciliar de medicamentos. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, UFRGS, 2001.

FLETCHER RH & FLETCHER SW. Epidemiologia clínica: elementos essenciais, 4 Edição, Porto Alegre: Artmed, 2006, 288p.

FREITAS RM, MAIA FD, IODES AMF. Atenção farmacêutica aos usuários do centro de atenção psicossocial–CAPS VI. Infarma 18(9/10) , 2006.

LIMA, A. A. A. RODRIGUES, R. V. Automedicação - O uso indiscriminado de medicamentos pela população de Porto Velho. [on line] Disponível em: http://www.unir.br/html/pesquisa/Pibic_XIV/pibic2006 [Capturado em: 25.Abr.14]

LOPES W. F. L., COELHO M.R., OLIVEIRA J.P., OLIVEIRA ARAUJO Y.M., MELO M.C., TAPETY F.I. A prática da automedicação entre estudantes de uma instituição de ensino superior de Teresina-Pi Rev Interd. 7(1): 17-24, 2014.

LYRA DP, AMARAL RT, VEIGA EV, CÁRNIO EC, NOGUEIRA MS, PELÁ IR. A farmacoterapia no idoso: revisão sobre a abordagem multiprofissional no controle da hipertensão arterial sistêmica. Rev Latino-am Enfermagem 14 (3): 43541, 2006.

MUSIAL DC, DUTRA JS, BECKER TCA. A automedicação entre os brasileiros. SaBios-Rev. Saúde e Biol v. 2, n. 2 p. 5-8, 2007.

NETO, J. A. C. Automedicação entre Estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora. HU rev, Juiz de Fora, 32(3): 59-64, 2006.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DA SAÚDE: Proposta do Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica, p.24, 2002.

OSHIRO M L & CASTRO LL. Evolução da pesquisa em atenção farmacêutica no Brasil: Um estudo descritivo no período de 1999 – 2003: Revista Espaço para a Saúde v.7, n.2, p. 24-31, Jun. 2006.

RANG HP, DALE MM, RITTER JM, FLOWER RJ, HENDERSON, G. Farmacologia 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. Cap 4.

SCHMID B, BERNAL, R, SILVA NN. Automedicação em adultos de baixa renda no município de São Paulo. Rev Saúde Pública 44 (6): 1039-45, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000600008

SINITOX. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas. Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. Casos de intoxicação por medicamentos dados registrados em (2009). Fiocruz, Sistema Nacional de Informações Toxico – Farmacológicas – Sinitox. Disponível em: <http://www.fiocruz.br/sinitoxnovo/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm> Acesso em: 05 de Abr. 2014.

SANTOS HC, RIBEIRO RR, FERRARINI M, FERNANDES JPS. Possíveis interações medicamentosas com psicotrópicos encontradas em pacientes da Zona Leste de São Paulo. Rev Ciênc Farm Básica Apl 30 (3): 285-289, 2009.

VEBER AP. O Farmacêutico na Atenção a Saúde, 2008.

VILARIANO JF, SOARES IC, SILVEIRA CM, RODEL AP, BORTOLI R, LEMOS RL. Perfil da automedicação em município do Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública 32(1):4349, 1998.

SOUSA H.W.O., SILVA J.L., NETO M.S. A importância do profissional farmacêutico no combate à automedicação no Brasil. Revista eletronica de farmacia (1): 67-72, 2008.

SOUZA JMC. Avaliação de prescrições medicamentosas de um hospital universitário brasileiro. Revista Brasileira de Educação Médica 32(2):188-196, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022008000200006