Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Avaliação da Qualidade de Vida em Usuários do Sistema de Frequência Modulada

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/1983-7631/rt.v8n15p89-102

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/tec 

downloadpdf

Luciana M. Alves1, Bruna R. da Silva2, Thamara M. Rocha3, Cristiane B. Sales4 & Leticia C. Celeste5

 

Resumo: O Sistema de Frequência Modulada é um dispositivo de tecnologia assistida que melhora os meios eletrônicos para a recepção eficiente da mensagem falada com a presença de ruído e acústica no ambiente. É parte fundamental na habilitação, reabilitação e educação de usuários de aparelhos de amplificação sonora individual ou implantes cocleares. Objetivo: avaliar a qualidade de vida de usuários do Sistema de Frequência Modulada adaptados em um Serviço de Atenção à Saúde Auditiva. Métodos: foi aplicado um questionário de avaliação do Sistema de Freqüência Modulada aos responsáveis por 61 escolares com deficiência auditiva e linguagem oral estabelecida, entre 6 e 18 anos de idade, cursando da Educação Infantil ao Ensino Médio. Foram retiradas medidas de estatística descritivas. Para a comparação entre grupos, foi utilizado o teste t de Student, pareado, com nível de significância de 5%. Resultados: nas situações auditivas investigadas, o uso do Sistema de Frequência Modulada evidenciou valores estatisticamente melhores do que sem o uso. Paradoxalmente, diante desta evidência, os escolares relatam que o Sistema de Frequência Modulada não é usado com frequência no ambiente escolar, mesmo diante do fato de possuírem o dispositivo obtido pelo Sistema Único de Saúde e após curso oferecido aos docentes responsáveis por estes escolares. Conclusões: apurou-se que o uso do Sistema de Frequência Modulada é de suma importância à inclusão social e educacional, conforme previsto na legislação. Os escolares comprovadamente se beneficiam deste recurso tecnológico, que minimiza a relação sinal/ruído e facilita a recepção das mensagens verbais, potencializando a aprendizagem e melhorando a qualidade de vida.

Palavras-chave: educação especial; qualidade de vida; deficiência auditiva; auxiliares de audição; ruído.

 

Abstract: Frequency Modulation (FM) is a hearing assistive technology system that enhances the electronic means for efficient reception of speech in the presence of background noise and environment acoustics. This system plays a key role in the rehabilitation and education of individuals who use hearing aids or cochlear implants. Objectives: to assess the quality of life of users of FM devices fitted at a hearing health care center. Methods: a questionnaire to evaluate the FM systems was administered to the parents or guardians of 61 students from childhood education to high school, aged between 6 and 18 years, with hearing disabilities and established oral language abilities. Descriptive statistics were used in the analysis of the data, and the groups were compared using paired Student’s t test at a level of significance of 5%.Results: considering the listening settings investigated in our study, results were statistically superior with the use of FM than without it. Paradoxically, despite those results, students reported that FM is not used often in the school environment, even though these students obtained their FM devices from the Brazilian public health care system (SUS) and their teachers received specialized training. Conclusions: the use of FM systems is paramount to accessibility as discussed in the social inclusion laws. The students provenly benefit from this technological resource, which minimizes noise and facilitates the reception of verbal messages, thus potentiating the learning process and improving quality of life.

Key words: special education; quality of life; deaf students; hearing aids; noise.

 

1 Fonoaudióloga. Mestre e doutora em Linguística pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Pósdoutora em Linguística pelo Laboratoire Parole et Langage - França e docente do Curso de Graduação em Fonoaudiologia do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. luciana.alves@izabelahendrix.edu.br
2 Graduada do curso de Fonoaudiologia do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. brunnaribeiro_s2@yahoo.com.br
3 Graduada do curso de Fonoaudiologia do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. thamaramacedorocha@hotmail.com
4 Fonoaudióloga pelo Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. Mestre em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto pela Universidade Federal de Minas Gerais. Docente do Curso de Graduação em Fonoaudiologia e coordenadora do Serviço de Atenção à Saúde Auditiva do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. cristiane.sales@izabelahendrix.edu.br
5 Fonoaudióloga pela UFMG, mestre e doutora em Linguística pela UFMG com estágio doutoral no Laboratoire Parole et Langage. Especialista em Psicopedagogia pela FEAD. Coordenadora adjunta do curso de graduação em Fonoaudiologia da Universidade de Brasilia (UnB). leticiacceleste@gmail.com

 

Literatura Citada

BALLANTYNE J, MARTIN MC, MARTIN. Surdez. 5. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1995. p. 238-259.

BEVILACQUA MC, FENIMAN MR, FERRARI DV. Sistema de frequência modulada no transtorno do processamento auditivo: prática baseada em evidências. Pro Fono. 2009; 21(3): 243-248.

BEVILACQUA MC, FORMIGONI GM. Audiologia educacional: uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. Carapicuiba: Pró·Fono, 1997. p. 159-172.

BLASCA, WQ; FERRARI, D. V.; JACOB, R. T. S. Dispositivos eletrônicos aplicados à surdez: conceitos básicos In: O processo de comunicação: contribuição para a formação de professores na inclusão de indivíduos com necessidades educativas especiais. São José dos Campos: Pulso Editorial, 2006. p. 197-213.

BRAGA SRS. Prótese Auditiva. São José dos Campos: Pulso, 2003. p. 11-15

BRASIL. Portaria n° 1,274, de 25 de junho de 2013. Ministério da Saúde.

CARLETTO, AC E CAMBIAGHI S. Cartilha Desenho universal: um conceito para todos. Mara Gabrilli. Brasília. p. 10-36. 2010.

CRANDEL C.; SAMALDINO J. Classroom acoustics. In ROESER, R. J.; Downs, M. P.; Ed. Auditory Disordes in School Children. 3° ed. New York: Thieme, 1995. p.359-374.

DREOSSI RCF, SANTOS TM. O Ruído e sua interferência sobre estudantes em uma sala de aula: revisão de literatura. Bauru: Pró Fono, 2003. p. 251-259.

FLEXER, C. Rationale for the use of sound field systems in classrooms: the basics of teacherin-services. In: CRANDEL, C.C.; SMALDINO, J.J.; FLEXER, C. (Eds.). Sound field amplification: applications to speech perception and classroom acoustics. New York: Thompson Delmar Learning, 2005. p.3-.9.

FREITAS SN. Educação e Formação de Professores: experiências inclusivas implementadas em Santa Maria/RS. In: III Seminário Nacional de Formação de Gestores e Educadores – Ensaios pedagógicos. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006. 146 p.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Defasagem escolar entre idade e série. Brasil 25 de Novembro de 1998 (MEC/INEP/SEEC, 2011)

JACOB RTS, ALMEIDA MA, BEVILACQUA MC. Uso alternativo do sistema de frequência modulada (FM): crianças com dificuldades de aprendizagem e déficit de atenção. In: Jornada Brasileira de Fonoaudiologia, 2002; Curitiba, 3 (10) p. 54-59.

JACOB RTS, MOLINA SV, AMORIM R, BEVILACQUAMC, LAURIS JRP, MORET ALM. FM Listening Evolution for Children: Adaptação para a Língua Portuguesa. Revista Brasileira de educação Especial. 2010; 16(3): 359-374. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382010000300004&script=sci_arttext> Acesso em: 20/06/2014.

JACOB RTS,BEVILACQUA MC, MOLINA SV, QUEIROZ M,HOSHIILA,LAURISJRP,MORET ALM. Sistema de frequência modulada em crianças com deficiência auditiva: avaliação de resultados / Frequencymodulation systems in hearing impaired children: out come evaluation.Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2012; 17(4): 417-421. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-80342012000400009&script=sci_arttext> Acesso em: 20/06/2014.

LEWIS, MS et al. Frequency-Modulation (FM) technology as a method for improving speech perception in noise for individuals with multiple sclerosis. J. Am. Acad. Audiol, Canada, v.17, n.8, p.605-616, 2006.

LICHTIG I, CARVALLORMM. Audição: Abordagens Atuais. Carapicuiba: Pró-Fono, 1997. p. 5-9.

MILANI A; PERRI A; MORAIS A; CARLETTO AC, MURANO B. Acesso para todos: Um guia rápido de inclusão social nas cidades brasileiras. Mara Gabrilli. Brasília. p. 10-30. 2010. Disponível em: http://www.mpgo.mp.br/portalweb/hp/41/docs/manual_acesso_para_todos.pdf> Acesso em: 20/06/2014.

MUNHOZ MSL, COAVILLAHH, SILVA MLG, GANANÇA MM. Audiologia Clínica. Vol. 2. 1. ed. São Paulo: Atheneu, 2003. p. 191-230.

PINHEIRO EMCD, OMOTE S. Conhecimentos de professores sobre perda auditiva e suas atitudes frente à inclusão. Rev. CEFAC. 2010; 12(4): 454-461. Disponível em: <http://www.revistacefac.com.br/fasciculo.php?form=edicoes/v12n4.php#> Acesso em: 20/06/2014.

STUART A. Reception thresholds for sentences in quiet, continuous noise, and interrupted noise in school-age children. J. Am. Acad. Audiol, Canada, v.19, n.2, p.135-46, 2008. Disponível em: <http://www.audiology.org/sites/default/files/journal/JAAA_19_02_03.pdf> Acesso em: 20/06/2014.