Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Retenção de Talentos Não Remunerados: Um Modelo de Gestão dos Voluntários que Atuam no Terceiro Setor Brasileiro

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v11n22p47-80

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/index 

downloadpdf

Nilcéia C. Santos1, Dalila A. Correia1, Valéria R. E. Spers1, Graziela O. G. Cremonezi1, Dagmar S. P. Castro1 & Yeda C. Oswaldo1

 

Resumo: Este estudo buscou entender o processo de gestão de pessoas e sua aplicação nas organizações sociais na gestão de voluntários (captação, atração e retenção). O objetivo geral de pesquisa é propor um modelo de gestão de pessoas voltado para a gestão de voluntários que atuam no terceiro setor. Verificou-se que não há um modelo de gestão de recursos humanos totalmente voltados para as necessidades das organizações do terceiro setor. O modelo DRCICARE proposto pode ajudar a construir e fortalecer um programa de voluntariado. Este estudo é importante para a área de gestão social no que tange à gestão de voluntários.

Palavras-chave: Retenção de talentos. Gestão de Voluntários. Terceiro Setor.

 

Abstract: This study sought to understand the process of managing people and their application in social organizations in the management of volunteers (catchment, attraction and retention). The overall objective of research is to propose a model of people management targeted towards the management of volunteers who work in the third sector. It was found that there is a human resources management model fully geared to the needs of third sector organisations. The DRCICARE model proposed can help build and strengthen a voluntary program. This study is important for social management area with respect to the management of volunteers.

Key words: retaining talent. Management of Volunteers. Third Sector.

 

1 Unimep- Universidade Metodista de Piracicaba

 

Literatura Citada

AKTOUF, Omar. (2001). Administração e Teorias das Organizações Contemporâneas: rumo a um humanismo radical crítico? Revista Organizações e Sociedade, Salvador, v.8, n.21, p. 13-33, maio/ago.

BRUDNEY, Jeffrey. L.; KELLOUGH, J. Edward. (2000). Volunteers in state government: involvement, management, and benefits. In: Non-profit and Voluntary Sector Quarterly. V. 29, n. 1, mar. p. 111-130.

CARNEY, Diana. (1998) Sustainable rural livelihoods: What contributions can we make? London: Carney. Disponível em: < http://www.eldis.org/vfile/upload/1/document/0812/SLA_Progress.pdf>. Acesso em: 22 out. 2013.

CHANLAT, Jean François. (1996). Modos de gestão, saúde e segurança no trabalho. In: DAVEL, Eduardo; VASCONCELOS, João M. (Org.). Recursos humanos e subjetividade. Petropólis: Vozes, p. 118-128.

COLLINS, Jill; HUSSEY, Roger. (2005). Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

DAVEL, Eduardo; VERGARA, Sylvia Constant. (2006). Gestão com pessoas e subjetividade. São Paulo: Atlas.

DE VOS, A.; MEGANCK, A. (2009). What HR managers do versus what employees value: exploring both parties’ view son retention management from a psychological contract perspective. Personnel Review, Emerald, v. 38, n. 1.

DUNZER, Gustavo André; MELO, Eliana Medeiros Pereira; MELO, Joyce Souza Cunha. (2008). Desafios de Atração e Retenção de Talentos – Estudo de Caso da Petrobras. Encontro Nacional da ANPAD - EnANPAD. Anais... Rio de Janeiro - SP: XXXII EnANPAD.

DUTRA, Joel Souza. (Org.). (2002). Gestão de Pessoas: modelos, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas.

FISCHER, André Luiz. (2002). Um resgate conceitual e histórico dos modelos de gestão de pessoas. In: FLEURY, Maria T. (coord.). As pessoas na organização. São Paulo: Gente, p. 11-34.

FLEURY, Maria Tereza Leme; FISCHER, Rosa Maria. (Coord.). (2009). Cultura e poder nas organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas.

GARAY, Angela Beatriz Scheffer. Prazer e sofrimento no trabalho do voluntário empresarial (2008). Revista de Ciências da Administração, v. 10, n. 20, jan./abr., p. 11-34.

GIL, Antônio Carlos. (2001). Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas.

HOUAISS, Antonio. (2007). Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

IBOPE – Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. (2011). Pesquisa voluntariados do Brasil 2011. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.redebrasilvoluntario.org.br/pesquisa/. Acesso em: 14 out. 2013.

KISNERMAN, Natálio. (1983). Introdução ao trabalho social. São Paulo: Moraes.

LACOMBE, Beatriz Maria Braga e CHU, Rebeca Alves. (2008). Políticas e práticas de gestão de pessoas: as abordagens estratégica e institucional. Revista de Administração de Empresas: RAE, São Paulo, v.48, n.1, p. 25-35, jan./mar.

MELO NETO, Francisco P.; FROES, César. (2001). Responsabilidade social & cidadania empresarial: a administração do Terceiro Setor. Rio de Janeiro: Qualitymark.

MARRAS, Jean Pierre. (2011). Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico. 14. ed. São Paulo: Saraiva.

MILKOVICH, George. BOUDREAU, John W. (2000). Administração de recursos humanos. São Paulo: Atlas.

MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella Francisca Gouveia de. (2006). Teoria geral da administração. 3. ed. São Paulo: Pioneira.

OLIVEIRA, Antonio Marcos Vargas de; NUNES, Rogério da Silva; MORIZT, Gilberto de Oliveira. (2007). As motivações dos executivos de organizações sociais nos processos de capacitação em gestão. Revista de Ciências da Administração, v. 9, n. 18, maio/ago., p. 149-168.

ORTIZ, Lise Mari Nitsche (s.d). (2009). Gestão de voluntários no terceiro setor. Disponível em: < http://cvlondrina.files.wordpress.com/2009/06/artigogestaodevoluntariosnoterceirosetor1.pdf>. Acesso em: 23 out. 2013.

PARBOTEEAH, K. Praveen; CULLENB, John. B.; LIM, Lrong. (2004). Formal volunteering: a cross-national test. In: Journal of World Business, v. 39, n. 4, p. 431-441.

RAMOS, Alberto Guerreiro. (1989). A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV.

RUTHES, Rosa Maria. (2000). Gestão para o terceiro setor na instituição hospitalar: proposta de marketing. 2000. 195 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Administração da Universidade Norte do Paraná, Londrina.

SERRANO, Maria Manuel. (2010). A gestão de recursos humanos: suporte teórico, evolução da função e dos modelos. Instituto Superior de Economia e Gestão – SOCIUS Working papers nº 1/2010. Disponível em: < http://pascal.iseg.utl.pt/~socius/publicacoes/wp/WP_1_2010.pdf>. Acesso em: 07 out. 2013.

SERVA, M. (1983). O fenômeno das organizações substantivas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo: FGV, v. 33, n. 2, p. 36-43, mar./abr.

SOUZA, Washington José de; MEDEIROS, Jássio Pereira de. (2012). Trabalho voluntário: motivos para a sua realização. Revista de Ciências da Administração, v. 14, n. 33, ago., p. 93-102.

TACHIZAWA, Takeshy.; FERREIRA, Victor Cláudio Paradela; FORTUNA, Antonio Alfredo de Mello. (2006). Gestão com Pessoas: uma abordagem aplicada às estratégias de negócios. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV.

TENÓRIO, Fernando Guilherme. (Org.). (2000). Gestão de ONGs principais funções gerenciais. 4. ed. rev. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

TOSE, Marília de Gonzaga Lima e Silva. (1997). A evolução da gestão de recursos humanos no Brasil. 1997. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração, Contábeis e Atuariais da Pontifica Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo.

UNV – United Nations Volunteers. (2000). Below the water line of public visibility: round table on volunteerism and social development 2000. Holanda. Disponível em: <http://www.unv.org/fileadmin/docs/old/pdf/2000/00_11_29NLD_hague_below_waterline.pdf>. Acesso em: 15 out. 2013.

UNV – United Nations Volunteers. (2011). State of the world´s volunteerism report 2011. Dinamarca. Disponível em: <http://www.unv.org/swvr2011>. Acesso em: 17 out. 2013.

VASCONCELOS, Isabella Freitas Gouveia de. (2004). O modelo político e o modelo instrumentalde gestão de pessoas: uma análise crítica das contradições discurso-prática na implementação de TI em duas organizações nacionais. Revista FGV-EASP/GV – relatório de pesquisa N°. 11/2004, p. 1/51.

VASCONCELOS, Flávio. C.; VASCONCELOS, Isabella Freitas Gouveia de. (2002). Gestão de Recursos Humanos e Identidade Social: um estudo crítico. Revista de Administração de Empresas (RAE), São Paulo, v.42, n.1, p.64-78, jan. /mar.