Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Assunção de Riscos e Gerenciamento dos Riscos dos Projetos: Um Estudo em Uma Consultoria na Área de TI

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v11n22p195-227

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/index 

downloadpdf

Ana C. Belfort1 & Cristina D. P. Martens2

 

Resumo: A assunção de riscos e o gerenciamento dos riscos dos projetos (GRP) constituem importantes tópicos de estudo no contexto da organização, podendo direcioná-la estrategicamente. Nesse sentido, este artigo objetiva analisar o comportamento de risco de uma organização, à luz da assunção de riscos, dimensão da orientação empreendedora (OE), e do GRP. Como unidade de análise, escolheu-se uma consultoria de infraestrutura de tecnologia da informação. Por meio de revisão da literatura sobre os dois constructos, obteve-se um quadro teórico-conceitual representativo da relação entre ambos, o qual serviu de base para a realização da pesquisa empírica, configurando o uso de estudo de caso único como abordagem metodológica. Os resultados revelam a existência de relação entre a assunção de riscos e o GRP no momento em que é evidenciada a existência de propensão ao risco. No caso da organização estudada, essa relação de fato existe.

Palavras-chave: assunção de riscos; gerenciamento dos riscos dos projetos; orientação empreendedora; gestão de projetos; riscos

 

Abstract: Risk taking and risk management projects (RMP) are important topics of study in the context of the organization and may direct it strategically. In this sense, this article aims to analyze the behavior of risk an organization in light of the risk-taking dimension of entrepreneurial orientation (EO), and RMP. As the unit of analysis was chosen a consulting infrastructure of information technology. Through literature review of both constructs, a representative theoretical and conceptual framework of the relationship between them, which served as the basis for conducting empirical research, obtained by configuring the use of single case study as a methodological approach. The results show the existence of a relationship between risk taking and GRP at the moment is evidenced the existence of risk propensity. In the case of the organization studied, this relationship does exist.

Key words: risk-taking; risk management of projects; entrepreneurial orientation; project management; risks.

 

1 Mestre em Administração - Gestão de Projetos (PPGA-GP - UNINOVE). Doutoranda em Administração (PPGA - UNINOVE).
2 Professora do PPGA-UNINOVE, Diretora do Mestrado Profissional em Administração - Gestão de Projetos Doutora em Administração pelo PPGA-EA-UFRGS.

 

Literatura Citada

BERNSTEIN, P. L. Against the gods: the remarkable story of risk. New York: John Wiley and Sons, 1996.

CARNEIRO, K. D. A.; MARTENS, C. D. P.; RABECHINI, R., JR. Maturidade em gestão de projetos e orientação empreendedora: uma análise da relação conceitual. In: XIV SemeAd – SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 14, 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, out. 2011.

CARVALHO, M. M.; RABECHINI, R., JR. Fundamentos em gestão de projetos: construindo competências para gerenciar projetos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

CLELAND, D. I. Gestão de Projetos Globais, uma perspectiva crescente. Revista Mundo PM, v. 11, n. 2, out./nov. 2006.

CLELAND, D. I.; IRELAND, D. R. Gerenciamento de projetos. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

COVIN, J. G.; SLEVIN, D. P. Strategic management of small firms in hostile and benign environments. Strategic Management Journal, v. 10, n. 1, p. 75-87, jan./fev. 1989.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da língua portuguesa: com a nova ortografia da língua portuguesa. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2009.

KERZNER, H. Gerenciamento de projetos: uma abordagem sistêmica para planejamento, programação e controle. 10. ed. São Paulo: Editora Blucher, 2011.

LUMPKIN, G. T.; DESS, G. G. Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. The Academy of Management Review, v. 21, n. 1, p. 135-172, jan. 1996.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTENS, C. D. P.; FREITAS, H.; BOISSIN, J-P. Risk-taking in software companies: a sector study in Rio Grande do Sul. R. Adm. – Revista de Administração, v. 46, n. 3, p. 213-227, jul./ago./set. 2011.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MEERTENS, R. M.; LION, R. Measuring an individual’s tendency to take risks: the risk propensity scale. Journal of Applied Social Psychology, v. 38, n. 6, p. 1.506-1.520, jun. 2008.

MEYER, A.; LOCH, C. H.; PICH, M. T. Managing project uncertainty: from variation to chaos. MIT Sloan Management Review, v. 43, n. 2, p. 59-68, Winner 2002.

MILLER, D. The correlates of entrepreneurship on three types of firms. Management Science, v. 29, n. 7, p. 770-791, jul. 1983.

ÖRELLER, E. O.; TASPINAR, D. Utility function and risk taking: an experiment. Journal of American Academy of Business, v. 9, n. 2, p. 167-174, set. 2006.

PERMINOVA, O.; GUSTAFSSON, M.; WIKSTRÖM, K. Defining uncertainty in projects: a new perspective. International Journal of Project Management, v. 26, n. 1, p. 73-79, 2008.

PMI – Project Management Institute. A guide to the project management body of knowledge (PMBOK® guide). 4th edition. United States: Project Management Institute, Inc., 2008.

PMI – Project Management Institute. A guide to the project management body of knowledge (PMBOK® guide). 5th edition. United States: Project Management Institute, Inc., 2013.

VENKATARAMAN, N. Strategic orientation of business enterprises: the construct, dimensionality, and measurement. Management Science, v. 35, n. 8, p. 942-963, ago. 1989.

WARD, S.; CHAPMAN, C. Transforming project risk management into project uncertainty management. International Journal of Project Management, v. 21, n. 2, p. 97-105, 2003.

WIKLUND, J.; SHEPHERD, D. A. Where to from here? EO-as-experimentation, failure, and distribution of outcomes. ET&P – Entrepreneurship Theory and Practice, v. 35, n. 5, p. 925-946, set. 2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.