Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Barragem e Transposição do Rio Macabu: Conflitos Gerados pelo Uso da Água e a Integração de Bacias Hidrográficas no Gerenciamento de Recursos Hídricos

DOI: http://dx.doi.org/10.19180/2177-4560.v8n214-05

http://www.essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/boletim 

downloadpdf

Leonardo N. Freitas1, Maria I. P. Ferreira2, Kelly Pinheiros3, Dalila S. Mello4 & Vicente P. S. Oliveira5

 

Resumo: Neste trabalho são abordadas as questões da barragem e transposição do Rio Macabu, que configuram grandes conflitos de uso da água e incompatibilidades com os fundamentos da Política Nacional de Recursos Hídricos — PNRH. Segundo a Lei Federal n.º 9.433/97, que instituiu a PNRH, a gestão de recursos hídricos deve proporcionar o uso múltiplo das águas, priorizar o abastecimento humano, considerar a bacia hidrográfica como unidade de gestão e reconhecer a água como bem público dotado de valor econômico. No entanto, ao observarmos alguns casos específicos relacionados às pressões de demanda existentes, como o caso da transposição das águas do Rio Macabu para a Bacia Hidrográfica do Rio Macaé, muitas questões relativas à PNRH não são inteiramente consideradas, fazendo-se necessário soluções institucionais de integração entre as bacias hidrográficas, como por exemplo: o repasse de recursos provenientes da cobrança pelo uso da água, a implementação de projetos de conservação e preservação dos mananciais e o estabelecimento de parcerias que visem dirimir os conflitos quanto ao uso dos recursos hídricos. Dessa forma, são avaliados neste trabalho, a interferência que a barragem e a transposição provocaram na Bacia Hidrográfica do Rio Macabu, os Planos de Bacia em construção e já existentes, e a participação do poder público local e da sociedade civil nos Comitês de Bacia Hidrográfica, como forma de avaliar possíveis mudanças no atual quadro de degradação da Bacia do Macabu, pois conclui-se que esta não foi ainda adequadamente contemplada na gestão das águas.

Palavras-chave: Recursos Hídricos. Barragem. Transposição. Rio Macabu. Gestão de Bacias Hidrográficas.

 

Abstract: This paper addresses issues related to the dam and the River Macabu diversion which present major conflicts of water use and incompatibilities with the principles of the National Water Resources Policy - PNRH. According to Federal Law No. 9,433 / 97, which established the PNRH, the management of water resources must provide multiple uses of water, prioritize human supply, consider the watershed as a management unit, and recognize water as a public good endowed with economic value. However, when we observe some specific cases related to the pressures of existing demands, as the case of water diversion of the River Macabu to the Macaé River Basin, many issues regarding the PNRH are not entirely considered, making it necessary to find institutional solutions for the integration between the watersheds, such as: transfer of resources from payments for water use; implementation of projects of conservation and preservation of water sources; and establishment of partnerships that seek to resolve conflicts regarding the use of water resources. Thus, this work assesses the interference that the dam and the water diversion in Macabu River Basin; the Basin Plans under construction and the existing ones; and the participation of local government and civil society in the Watershed Committees. The objective is to assess possible changes in the current context of degradation of the Macabu Basin, as it was not adequately included in the water management.

Key words: Water Resources. Dam. Diversion, River Macabu. Watershed Management

 

1 Mestre em Engenharia Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense). Consultor Ambiental, Professor do Programa de Mobilização da Insdústria do Petróleo e Gás - Prominp, pela Fundação Pró-IFF, Conceição de Macabu/RJ - Brasil. Email: nascimento_ freitas@yahoo.com.br.
2 Doutora em Ciência e Tecnologia de Polímeros pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense - Campus Macaé), Macaé/RJ - Brasil. Email:ines_paes@yahoo.com.br
3 Especialista em Educação Ambiental pela Faculdade do Noroeste de Minas (FINOM). E-mail: kellypinheiros@yahoo.com.br
4 Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense, campus Macaé), Macaé/RJ – Brasil. E-mail: dalilamelloiff@gmail.com
5 Doutor em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Professor Titular do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense), Campus Rio Paraíba do Sul, Campos dos Goytacazes/RJ - Brasil. Email: vsantos@iff.edu.br

 

Literatura Citada

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil). Planos de recursos hídricos e enquadramento dos corpos de água. Brasília: SAG, 2011.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (Brasil). Resolução Autorizativa n.º 3.596, de 3 de julho de 2012.

BRAGA, Benedito et al. Introdução à Engenharia Ambiental. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

BRASIL. Decreto n.º 24.643, de 10 de julho de 1934. Decreta o Código de Águas. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 jul. 1934. Seção 1, p. 29514.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília,DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n.º 4.904, de 17 de dezembro de 1965. Dispõe sobre a organização do Ministério das Minas e Energia, e dá outras providências. Brasília: Ministério das Minas e Energia, 1965.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art.21 da Constituição Federal e altera o art. 1.º da Lei n.º 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei n.° 7.990, de 28 de dezembro de 1989.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano. Conjunto de normas legais: recursos hídricos: 6. ed. Brasília, 2008.

CAMPOS, N. E.; SOUSA, R. O. de. Plano de bacia hidrográfica. In: CAMPOS, N.; STUDART. T. (Org.). Gestão das águas. princípios e práticas. Rio Grande do Sul: ABRH. 2001. 197 p. RIO DE JANEIRO (Estado). Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Resolução CERHI-RJ n.º 107, de 22 de maio de 2013. Rio de Janeiro: CERHI-RJ, 2013.

REVISTA DO PLANO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA MACAÉ/OSTRAS. Plano de recursos hídricos da região hidrográfica Macaé e das Ostras, Macaé, jul. 2013.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. Degradação ambiental. In: ______. Geomorfologia e meio ambiente. São Paulo: Bertrand Brasil, 2004.

FERREIRA, M. I. P. et al. Controle social na gestão dos recursos hídricos: estudo de caso nas regiões hidrográficas VIII e IX do Estado do Rio de Janeiro. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, Campos dos Goytacazes, RJ, v. 1 n. 2, jul./dez. 2007. Edição especial.

FUNDAÇÃO COPPETEC. Laboratório de hidrologia e estudos de meio ambiente. Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul: resumo: relatório contratual R-10 - PSR-012-R0. dez. 2007.

GOMES, M. A. Geografia física de Conceição de Macabu. Conceição de Macabu: Gráfica e Editora Poema, 1998.

GUIVANT, J. S.; JACOBI P. Da hidro-técnica à aidro-política: novos rumos para regulação e gestão dos riscos ambientais no Brasil. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas. Florianópolis, SC, n. 43, jun. 2003.

KISHI, S. A. S. Gestão integrada, participativa e descentralizada das águas. Disponível em: <http://midia.pgr.mpf.gov.br/4ccr/sitegtaguas/sitegtaguas_4/pdf/artigo1.pdf.>. Acesso em: 18 jul. 2013.

COSTA, F. J. L. da. Estratégias de gerenciamento de recursos hídricos no Brasil: áreas de cooperação com o Banco Mundial. Banco Mundial, Brasília, v. 1, abr. 2003.

MACEDO G. R.; PIMENTEL R. F. Conflito e integração na transposição de águas do Rio Paraíba do Sul para o Guandu. Disponível em:<http://www.producao.uff.br/conteudo/rpep/volume42004/publicacao2004.htm>. Acesso em: 12 jul. 2013.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Recursos Hídricos. Plano Nacional de Recursos Hídricos. Brasília, DF, 2004.

OLIVEIRA. V. P. S. Plano Diretor Participativo de Conceição de Macabu: diagnóstico do meio ambiente urbano e rural. Campos dos Goytacazes, ago. 2007.

PRADO, R. B. et al. Diagnóstico do meio físico da bacia hidrográfica do Rio Macabu, RJ. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2004.

RIO DE JANEIRO (Estado). Lei nº 3.239, de 2 de agosto de 1999. Institui a política estadual de recursos hídricos, cria o sistema estadual de gerenciamento de recursos hídricos, regulamenta a Constituição Estadual em seu artigo 261, parágrafo 1º, inciso VII e dá outras providências. Rio de Janeiro, RJ, 1999.

SEVÁ FILHO O.; KALINOWSKI L. M. Transposição e hidrelétricas: o desconhecido Vale do Ribeira (PR-SP). Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, n. 74, 2012.

TUNDISI. J. G. O futuro dos recursos: recursos hídricos. MultiCiência. São Carlos, SP: Instituto Internacional de Ecologia, out. 2003.

VERGARA, F. E. Suporte metodológico para a gestão estratégica de conflitos relacionados ao uso dos recursos hídricos. 2007. 258 f. Tese (Doutorado em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos)– Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2007.