Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Justiça Ambiental no Contexto da Saúde Pública em Cidades com Elevada Expansão Econômica e Demográfica

DOI: http://dx.doi.org/10.19180/2177-4560.v8n214-08

http://www.essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/boletim 

downloadpdf

Talita R. C. Elias1, Luis F. U. Santos2 & Augusto E. M. Pinto3

 

Resumo: O crescimento acelerado, desordenado, sem planejamento urbano, acarreta a concentração da população de baixa renda em áreas periféricas dos municípios, destituídas de infraestrutura para garantir qualidade de vida. A compreensão entre a relação de políticas públicas, meio ambiente e saúde pública visando à garantia da qualidade de vida sem distinção entre as populações é de grande interesse para a promoção da justiça ambiental. O objetivo desta revisão é estabelecer uma conexão entre saneamento ambiental e saúde pública frente a um crescimento urbano, que favorece desigualdade no acesso aos recursos naturais e vulnerabilidade social, promovedoras de um quadro de injustiça ambiental.

Palavras-chave: Justiça ambiental. Saneamento. Saúde pública.

 

Abstract: Without urban planning, uncontrolled and accelerated growth causes the concentration of low-income population inhabiting in peripheral areas of cities, devoid of infrastructure to ensure quality of life. The understanding of the relation between public policies, the environment and public health aimed at ensuring quality of life without distinction of populations is of great interest for the promotion of environmental justice. The objective of this review is to establish a connection between environmental sanitation and public health in face of an urban growth that avails unequal access to natural resources and social vulnerability, establishing a framework of environmental injustice.

Key words: Environmental justice. Sanitation. Public Health

 

1 Mestre em Engenharia Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense). Farmacêutica da Farmácia Sucesso de Rio das Ostras LTDA, Rio das Ostras/RJ – Brasil. E-mail: talitariosdacosta@yahoo.com.br.
2 Doutor em Ecologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense, campus Macaé), Macaé/RJ - Brasil. E-mail: lfumbelino@gmail.com.
3 Doutor em Direito da Cidade pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense, campus Macaé), Macaé/RJ - Brasil. E-mail: augustoepinto@gmail.com.

 

Literatura Citada

ABELEM, A. Carências habitacionais na Amazônia. Cadernos de Estudo Sociais. Recife, v. 12, n.1, jul./dez. 1996.

ARAUJO FILHO, V. F.; REGO, P. A.; MORAIS, M. P. Condicionantes Político Institucionais da Política de Saneamento Básico no Contexto Federativo: uma avaliação do desempenho da política nos Governos de FHC e de Lula (1995-2009). In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 36., 2012.

ACSELRAD, H. Justiça Ambiental – novas articulações entre meio ambiente e democracia. Disponível em: <http://www.justicaambiental.org.br/projetos/clientes/noar/noar/UserFiles/17/File/JANov asArticulacoes-%20ms.pdf>. Acesso em: 6 jul. 2013.

ACSELRAD, H. Vulnerabilidade ambiental, processos e relações. In: ______. ENCONTRO NACIONAL DE PRODUTORES E USUÁRIOS DE INFORMAÇÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E TERRITORIAIS, 2., 2006. AEGEA. Disponível na internet: <http://www.aegea.com.br/portfolio/a-historia-do-saneamentobasico-no-brasil/>. Acesso em: 6 jun. 2015.

BRASIL. Decreto nº 69944, de 17 de janeiro de 1972. Aprova o Estatuto da Fundação Serviços de Saúde Pública (Fundação SESP). Brasília, DF, 17 jan. 1972.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 05 out. 1988.

BRASIL. Lei nº 9433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos e crio o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Brasília, DF, 08 jan. 1997.

BRASIL. Lei nº 11445, de 05 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. Brasília, DF, 05 jan. 2007.

CETESB. Relatório de qualidade das águas interiores do Estado de São Paulo. São Paulo: CETESB, 2002. 274 p.

CYNAMON, S.E. Política de saneamento: proposta de mudança. Cad. de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 141 – 149, 1986.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1991.

CHERTER, L.; CABEÇA, M.; CATAPANI, W.R. Parasitoses intestinais. Revista Brasileira de Medicina, v.51, p. 126-132, 1995.

CLAYTON, S. Models of Justice in environmental debate. Journal of Social Issues, Wooster, v. 56, n. 3, p.459-474, 2000.

CRESPO, T. Planeta água: um guia de educação ambiental para conservação dos recursos hídricos. Rio de Janeiro, 232p.

FABRINI, Carmen B.; PEREIRA, Vera M. C. Tendências e divergências sobre o modelo de intervenção pública no saneamento básico. Rio de Janeiro: UFRJ/IEI, 1987. (Texto para Discussão; 124).

FARIA, T.P.; TOUGEIRO, J.V. Conflitos socioambientais motivados por ocupação de manguezais e restingas para fins habitacionais no espaço urbano de MACAÉ, RJ. Revista Internacional Interdiciplinar Interthesis, Santa Catarina, v. 7, n. 1, 2010.

FRACALANZA, A.P.; JACOB, A.M.; EÇA, R.F. Justiça ambiental e práticas de governança da água: (re) introduzindo questões de igualdade na agenda. Revista Ambiente e Sociedade, São Paulo, v. 16, n. 1, p.19-38, 2013.

HABERMANN, M.; GOUVEIA, N. Justiça ambiental: abordagem ecossocial em saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 6, p. 1105-1111, 2008.

GALVÃO JUNIOR, A. C. Desafios para a universalização dos serviços de água e esgoto no Brasil. Rev. Panam Salud Pública, v. 25, n.6, p. 548–56, 2009.

GARCIA, T.A. Percepção da quantidade e qualidade da água nas comunidades alojadas às margens dos rios Sorocaba e Pirajibu. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, 2006.

IBGE. Atlas do Censo Demográfico 2010. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/d_detalhes.php?id=264529>. Acesso em: 18 jan. 2014.

INIDICADORES e Dados Básicos.IDB 2012. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm>. Acesso em: 20 maio 2014.

INSTITUTO SOCIEDADE, POPULAÇÃO E NATUREZA. Demanda, oferta e necessidades dos serviços de saneamento. Brasília: IPEA, 1995 (Série Modernização do Setor Saneamento; 1).

INSTITUTO TRATA BRASIL. Ranking do saneamento Instituto Trata Brasil resultados com base no SNIS 2013. Abril 2015.

LEONETI, A.B.; PRADO, E.L.; OLIVEIRA, S.V.W.B. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, 2011.

LUDWIG, K.M.; FREI, F.; ALVARES FILHO, F.; RIBEIRO-PAES, J.T. Correlação entre condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, Estado de São Paulo. Rev. Soc. Bras. Medicina Tropical, Uberaba, v. 32, n. 5, p. 547-555, 1999.

MENDES, Carlos H. Abreu. Implicações ambientais do desenvolvimento da infraestrutura: saneamento urbano. Revista Brasileira de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 32-51, out./dez. 1992.

MILLNER, F. Access to Environmental Justice. Disponível em: <http://www.deakin.edu.au/buslaw/law/crrlj/papers/millnerfelicity.pdf>. Acesso em: 06 jul. 2013.

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Programa de Modernização do setor de saneamento. Disponível em: <http://www.pmss.gov.br/index.php/conheca-o-pmss>. Acesso em: 2015.

MOISES, M.; KLIGERMAN, D. C.; COHEN, S. C.; MONTEIRO, S. C. F. A política federal de saneamento básico e as iniciativas de participação, mobilização, controle social, educação em saúde e ambiental nos programas governamentais de saneamento. Rev. Ciênc. Saúde Coletiva, v.15, n.5, p. 2581-2591, 2010.

NOGARA, M.A.C. Conflitos socioambientais na Justiça. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, 2008.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Conferência das Nações Unidas sobre meio ambiente e desenvolvimento. 2ed. Brasília: Senado Federal. Subsecretaria de Edições Técnicas, 1997.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Country profile of environmental burden of disease. Genebra, 2009. Disponível em: <http://www.who.int/quantifying_ehimpacts/national/countryprofile/brazil.pdf>. Acesso em: 21 jan. 2013.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Progresso in Sanitation and Drinking-Water. 2013. Disponível em: <http://www.who.int/water_sanitation_health/publications/2013/jmp_report/en/>. Acesso em: 18 jan. 2014.

PAZ, M.G.A.; ALMEIDA, M.F.; GUNTHER, W.M.R. Prevalência de diarreia em crianças e condições de saneamento e moradia em áreas periurbanas de Guarulhos, SP. Rev. Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 15, n. 1, 2012.

PELICIONE, M.C.F. Educação ambiental, qualidade de vida e sustentabilidade. Rev. Sociedade e Saúde, v.2, p. 19-31, 1998.

RASELLA, D. Impacto do Programa Água para Todos (PAT) sobre a morbi-mortalidade por diarreia em crianças do Estado da Bahia, Brasil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, 2013.

REDE BRASILEIRA DE JUSTIÇA AMBIENTAL. O que é justiça Ambiental? Disponível em: <http://www.justicaambiental.org.br/_justicaambiental/pagina.php?id=229>. Acesso em: 29 jun.2013.

SAIANI, C.C.S,; TONETO JUNIOR, R. Evolução do acesso a serviços de saneamento básico no Brasil (1970 a 2004). Rev. Economia e Sociedade, Campinas, v.19, n.1, p. 79-106, 2010.

SIGULEM, D.M.; TUDISCO, E.S.; PAIVA, E.R.; GUERRA, C.C.C. Anemia nutricional e parasitose intestinal em menores de 5 anos. Revista Paulista de Medicina, v.103, p. 308-312, 1985.

SILVA, H.K. S.; ALVES, R.F.F. O saneamento das águas no Brasil. In: O estado das águas no Brasil. BRASÍLIA: ANEEL, 1999. p. 83-102.

SOARES, S.R.A.; BERNARDES, R.S.; CORDEIRO NETTO, O.M. Relações entre saneamento, saúde pública e meio ambiente: elementos para formulação de um modelo de planejamento em saneamento. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 6, p. 1713-1724, 2002 .

TEIXEIRA, J.C.; GUILHERMINO, R.L. Análise da associação entre saneamento e saúde nos estados brasileiros, empregando dados secundários do banco de dados indicadores e dados básicos para a saúde 2003- IDB 2003. Rev. Eng. Sanit. e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 277-282, 2006 .

TUROLLA, F.A. Política de saneamento básico: avanços recentes e opções futuras de políticas públicas. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=4155>. Acesso em: 13 out. 2014.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP). Disciplina Água e Saúde. Disponível em: <http://www.usp.br/gpqa/Disciplinas/qfl3201/aguaSaude.pdf>. Acesso em: 21 out. 2012.

VÉLEZ, M.V.N. Meio Ambiente, Informação e Mobilização Social: a degradação da praia de Sepetiba. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2012.

VISSER, S.; GIATTI, L.L.; CARVALHO, R.A.C.; GUERREIRO, J. C. H. Estudo da associação entre fatores socioambientais e prevalência de parasitose intestinal em área periférica da cidade de Manaus (AM, Brasil). Rev. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 8, p. 3481-3492, 2011.